Exposição“The Colors of Winter”, Ward Nasse Gallery, por Rosângela Vig

Do Obras de Arte

Exposição“The Colors of Winter”, Ward Nasse Gallery

por Rosângela Vig

 

Sinfonia em Amarelo

“Um ônibus além da ponte
Passa feito borboleta amarela
E são aqui e acolá, os passantes,
Como pequenos insetos no horizonte.

As barcaças repletas de dourado feno
Estão ancoradas no cais sombrio
E, como o amarelo da seda de um lenço
Ao longo do cais paira denso nevoeiro.

Desvanecem as folhas amarelas
Rodopiam pelo Templo dos olmos
A meus pés, o pálido verde do Tâmisa
Corre feito o jade, ondejante.”
(WILDE, 2005, p.305)

Talvez seja pelo amarelo das folhas esquecidas no chão, que o outono conclua seu ciclo. E, nas tardes geladas, ainda é o amarelo do sol, um alento ao frio que se aproxima. Na brincadeira das cores, o verde pode resistir em algum galhinho ousado; o azul, no céu claro do dia; ou ainda todas as cores podem se juntar e brincar de fazer Arte. Nas cores do inverno, estão presentes todas as Artes, amenizando o frio e confortando o olhar.

Nos gelados dias do inverno nova-iorquino, é a Arte que aquece. Por ela falam os artistas e falam as obras; pelas cores e pelas formas. A Arte tem esse poder. No aconchego de um tradicional espaço da cidade onde, há 47 anos a Arte se fez presente, o evento de Inverno da Galeria Ward-Nasse, vem mais uma vez, levar obras e artistas a um prestigiado espaço, em Nova York.

O evento conta com obras de artistas como Hèlène de Beauvoir (1910-2001), irmã da filósofa Simone de Beauvoir (1908-1986); Claude Cailloux; Truman Egleston; Johanne Kourie, Leda Maria, Alessandra Sequeira, Rosângela Vig, MeMé Vizzotto, Sylvain Goudreau, Macarena Vicuña, Valeria Sims, Beth Jabur, Victor Quirós e Luma Sanos. Na variedade dos trabalhos, a delicadeza dos traços e do uso ajustado das cores.

A Arte ameniza o frio que chega, por meio dos abstratos coloridos, em pleno movimento, de Alessandra Sequeira e de Claude Cailloux; ou com as linhas geométricas que parecem se curvar, girar, oscilar, de Truman Egleston. A tranquila mulher nua que aguarda no divã, de Leda Maria parece não se importar com a escultura que observa as nuvens coloridas de Johanne Kourie. No campo da surrealidade, os mundos monocromáticos parecem ter sido invadidos por balões que saltam do desenho, de Rosângela Vig. E a escultura de MeMé Vizzotto pode ter emergido de um mundo surreal de Hèlène de Beauvoir. Para a Arte, tudo é possível.

Leia também:  Ninguém sai ileso de Paracuellos, HQ da Comix Zone, por Rogério Faria

A exposição está em cartaz desde o dia 4 de novembro e as obras poderão ser visitadas até o dia 6 de Janeiro de 2018. A galeria fica no número 35, Main Street, Sussex, NJ. O ar gelado anuncia a chegada da estação mais aconchegante do ano. Junto com ela, as Cores do Inverno, na Arte.

Referências:

WILDE, Oscar. The Complete Works of Oscar Wilde. Scotland: Geddes & Grosset, 2005.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

    • Inverno chegando

      pois é o verão chegando aqui e o inverno em NY

      gosto muito do verão, mas o inverno é aconchegante 

      é charmosa a paisagem de inverno em qualquer lugar do mundo 

      Gosto muito das duas estações 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome