Portela resgata o Recife que fundou Nova York, por Paulo Carneiro

Portela resgata o Recife que fundou Nova York

por Paulo Carneiro

A Portela levará à avenida, no Carnaval deste ano, a magia do Recife do período holandês, com o resgate da trajetória dos judeus que fundaram a primeira sinagoga das Américas. O enredo destaca a vida do imigrante, fugido da inquisição, que vem da Europa com os holandeses em 1630 disposto a construir nova vida, e  enfrenta outros obstáculos. É que 24 anos depois os portugueses reconquistam Pernambuco e mais uma vez batavos e judeus são expulsos. 

Na fuga, muitos voltam para a Holanda, outros seguem para as Antilhas, mas um grupo de 23 refugiados desembarca na colônia de Nova Amsterdã, na foz do rio Hudson, e se tornam pioneiros na fundação de Nova York. O enredo é inspirado no livro Caminhos Cruzados – a vitoriosa saga dos judeus do Recife, da expulsão da Espanha à fundação de Nova York, do jornalista pernambucano Paulo Carneiro. 

Todo esse momento histórico é retratado na fantasia ‘A Batalha da Reconquista’, além de carros alegóricos e alas temáticas. Antes de chegar à nova morada, os refugiados passaram por várias dificuldades. Ao cruzar o mar do Caribe, o navio que deixara o Recife carregado de esperanças sofreu um naufrágio e foi atacado por piratas, que levaram tudo o que puderam. Um dos carros alegóricos será uma réplica de um navio pirata, com uma caveira metálica projetada na proa. Serão ao todo 27 alas e 3.300 componentes.

Outra alegoria de destaque  será uma réplica gigante da Estátua da Liberdade, que  traz no pedestal o poema O Novo Colosso, da poetisa Emma Lazarus, descendente do grupo pioneiro. O enredo chegará aos dias atuais com referências à luta contra a xenofobia e a intolerância. O refugiado sírio Mohamed Ali Kenawy, que sofreu um ataque xenofóbico na praia de Copacabana, deverá participar do desfile. Entre personalidades convidadas está o artista plástico chinês Ai Weiwei, filho do poeta Ai Qing, que foi exilado com a família em um campo de trabalho forçado. 

 

Leia também:  EUA podem se tornar novo epicentro de transmissão do coronavírus, alerta OMS

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. A senhora carnavalesca da
    A senhora carnavalesca da Portela certamente desfrutou de um excelente texto escrito por Paulo Carneiro. “Caminhos Cruzados” é sucesso ontem, hoje e amanhã, pois narra eventos atemporais como o enfrentamento da discriminação e a superação, pelas minorias, das barreiras sociais que lhes são impostas. Parabéns, Paulo!

  2. Ilha de Manhattan – uma colônia de Pernambuco

    Certa vez, escutei de um amigo recifense que me disse, em alto e bom som, que a Ilha de Manhattan fora uma colônia de Pernambuco, e que toda vez que ele pisava em NY, ele se dizia sentir “o rei do pedaço”. Óbvio que morri de gargalhada dessa  deixa. No entanto, a razão por trás desse garbo me fez entender que tem sentido, na medida em que, pelo que ele me disse depois, com os recursos da venda desta ilha para os ingleses, os neerlandeses investiram montas nos canaviais pernambucanos. 

    Amigos pernambucanos, faz mesmo sentido pra vocês essa perspectiva? 

    • Portela

      Olá amigo. Você tem razão. Os pernambucanos às vezes

      exageram. Mas há fundo de verdade na historia. Para ter ideia, lá no

      Central Park ainda tem a sinagoga que foi construída pelos

      judeus pernambucanos. As primeiras atas estão preservadas,

      em Português. Para manter a tradição, no Dia de Ação de 

      Graças eles fazem uma homenagem aos pioneiros. É um pedaço

      do Brasil nos EUA. Eles se deram bem naquela terra.

  3. Salve meu Recife! Salve a

    Salve meu Recife! Salve a Portela! Que não é minha escola preferida (posto que amo a outra escola de Madureira, a Império Serrano), mas é uma escola que respeito e admiro…

  4. Portela resgata o Recife que fundou Nova Iorque
    Quando se conta bem uma história, ela salta da condição de narrativa para a de ressurreição de pessoas e mundos inteiros. Quando, ainda por cima, se canta este conto, essas pessoas e mundos se põem merecidamente a sambar… Parabéns, Paulão!

  5. Notícia da Portela

    “O escritor Paulo Carneiro vai estar na quadra para autografar o livro Caminhos Cruzados, que inspirou o enredo da escola para o Carnaval 2018, De Repente de Lá pra Cá e Dirrepente de cá pra lá. Ele vai fazer a aula-degustação da tarde, contando mais sobre a história dos judeus que saíram do Recife logo depois da expulsão dos holandeses no século 17 e tiveram participação na fundação da Nova York, nos EUA”

    Em

    http://www.gresportela.org.br/Noticias/Detalhes/portela-de-asas-abertas-celebra-david-do-pandeiro-e-a-turma-do-muro-e-recebe-autor-do-livro-que-inspirou-enredo-do-carnaval-2018

  6. Muito bom!
    Resgatar historia
    Muito bom!
    Resgatar historia que nos orgulha pela literatura pelo samba, combinaçao perfeita!

  7. Portela Caminhos Cruzados

    A Nossa Portela através de Caminhos Cruzados do jornalista Paulo Carneiro Resgata para o povo a verdadeira história dos imigrantes Judeus na sua passagem pelo Brasil. Agora o povo terá o acesso á releitura da história de um povo sofrido mas deixando sua marca na cultura brasileira vai embora e funda Nova Yorque. Caminhos Cruzados encantou Pernambuco do cais ao Sertão e agora, como diria Maria Retirante: para coroar a obra, a Nossa Portela abraça o Tema o valoriza a história colocando na Passarela . Parabéns Portela, Parabéns Paulo Carneiro. O mundo agradece pela obra e pela parceria.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome