A ignorância sempre esteve presente no Brasil, a diferença é que era tolerada; por Rogério Maestri

Para articulista, piadas sexistas, racistas, antissemitas, e intolerantes em geral eram a máxima forma de divulgação desta massa de ignorantes e intolerantes que povoavam a nossa pátria brasileira

A ignorância sempre esteve presente no Brasil, a diferença é que era tolerada

por Rogério Maestri

 

Ao longo dos meus 66 anos de vida e de meus 50 anos de vida consciente, escutei a mesma ou até pior fala estúpida e ignorante no Brasil.

Piadas sexistas, racistas, antissemitas, e intolerantes em geral eram a máxima forma de divulgação desta massa de ignorantes e intolerantes que povoavam a nossa pátria brasileira. Se quisesse, colocaria de memória uma meia centena destas manifestações do ódio latente que existiam neste país.

Antes da existência do politicamente correto, tinha que ouvir estas besteiras nas reuniões de mais diversos tipos possíveis, algumas vezes uns destes passavam das medidas e eu estourava criando conflitos familiares e sociais, que por mais incrível que pareça, me tornavam um indivíduo “antissocial”, ou seja, a inversão lógica para uma pessoa normal nos dias atuais.

Faz-se muitos comentários sobre o chamado “discurso de ódio”, porém o protagonismo daqueles que são expoentes do “discurso de ódio” é uma simples libertação daqueles que sempre tiveram este discurso em suas vidas.

Porém, como eram toleradas suas mentiras científicas racistas, seu machismo expresso em atos que não sofriam repressão pois, como se dizia, “em briga de marido e mulher, não se mete a colher”, todos esses atos eram tolerados e invisibilizados por uma sociedade hipócrita, e tolerante à covarde agressão aos mais fracos, simplesmente porque quem não tolerava era ele o antissocial.