A Presença das Televisões Católicas no Brasil, por Marcos Vinicius de Freitas Reis

A contra reação da Igreja Católica foi imitar a estratégia dos evangélicos pentecostais e neopentecostais. Iniciou a solicitação de pedidos de concessão de televisão própria do governo federal.

Religião e Sociedade na Atualidade

A Presença das Televisões Católicas no Brasil

 por Marcos Vinicius de Freitas Reis

Esta semana está sendo marcada pela polêmica envolvendo algumas emissoras de televisão de inspiração católica e o governo federal. Saiu em alguns órgãos de comunicação de circulação nacional que algumas emissoras católicas em reunião com o presidente Jair Bolsonaro solicitaram verbas públicas para suas emissoras resolverem os problemas financeiros que surgiram em função do coronavirus, em as televisões dariam apoio explícito em seus telejornais para as ações do governo federal.

A necessidade da Igreja Católica em investir em meios de comunicação é algo muito recente. Até a década de 1990, o Brasil era considerado um país de hegemonia católica. Não havia competição entre os grupos religiosos acirrado naquela época como temos hoje. O monopólio católico no Brasil não exigia que tivesse seus próprios meios de comunicação. A própria mídia secular cobria a agenda institucional da Igreja Católica, a exemplo dos anúncios da campanha da fraternidade, a agenda das festas religiosas, noticiavam a agenda do Papa, dentre outras informações que fossem necessárias.

Com o crescimento dos evangélicos no Brasil, viram nos meios de comunicação uma forma de expansão de suas atividades religiosas e econômicas. Conseguiram concessões de televisões ou locação de espaços para programas de suas igrejas em emissoras que já estavam em funcionamento. Isto levou a uma queda substancial de católicos no Brasil. Muitas pessoas por meio da televisão consumiam suas identidades religiosas.

A contra reação da Igreja Católica foi imitar a estratégia dos evangélicos pentecostais e neopentecostais. Iniciou a solicitação de pedidos de concessão de televisão própria do governo federal. A primeira emissora de TV em cadeia nacional com programação católica foi a Rede Vida fundada em 1995 na cidade de São José do Rio Preto. Todas as dioceses do Brasil ajudaram na compra dos equipamentos necessários para que as suas cidades pudessem ter acesso a programação religiosa. Logo em seguida tivemos a popularização de outras emissoras católicas ou o surgimento de outras: TV Século XXI, TV Canção Nova, TV Horizonte, TV Nazaré, TV Aparecida, TV Imaculada, TV Pai Eterno, TV Evangelizar, Católica TV, dentre outras.

A programação das emissoras citadas no parágrafo anterior é basicamente a transmissão de missas, terços, programas femininos, novelas, filmes, programas catequéticos, programas infantis, telejornais e programas esportivos. A proposta que toda a grade de programação seja extensão das atividades religiosas desenvolvidas nas comunidades católicas adaptadas para uma linguagem televisiva. Em termo de audiência o retorno é muito baixo. A programação não desperta o interesse do grande público. O público algo são católicos praticante.

Algumas emissoras católicas são gerenciadas por grupos ligados ao movimento da Renovação Carismática Católica (RCC) ou nas emissoras tem programas de inspiração carismáticas em função da possível audiência entre o pública católica que devem conseguir. Não é à toa que a Rede Vida transmite as missas do Pe. Marcelo Rossi aos sábado à tarde.

A RCC tradicionalmente é um movimento religioso conservador. Em muitos aspectos parece com os evangélicos. Utilizam cânticos animados em suas reuniões oracionais, instrumentos eletrônicos, danças, palestras, orações espontâneas e o uso dos dons do espirito santo (profecia, oração em línguas, cura, exorcismo, dentre outros). Defendem muito a pauta de costumes e politicamente são alinhados ideologicamente conservadores de direita.

O atual governo federal é essencialmente conservador e em termos de ideias aproxima da forma de pensar dos carismáticos. São favoráveis a escola sem partido, combatem a ideologia de gênero, militância contra o comunismo, defendem ensino religioso confessional, contra a ampliação dos direitos da comunidade LGBT e a legalização da maconha. Há afinidade ideológica e política.

Com aproximação no plano das ideias políticas não é de assustar que algumas emissoras de televisão católica possam ter alguma forma de simpatia pelo atual governo, ou que pediram o apoio financeiro para custear suas atividades. Todo órgãos de comunicação tem suas predileções políticas e posicionamento a respeito de temas políticos, econômicos e social.

O que estamos percebendo é a utilização das mídias religiosas para justificar atitudes políticas. Novamente religião e política se misturam. Esta associação em meios de comunicação é um retrocesso ao fortalecimento da laicidade do Brasil.

Marcos Vinicius de Freitas Reis – Professor da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) do Curso de Graduação em Relações Internacionais. Possui graduação em História pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e mestrado em Ciência Política pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente do Curso de Pós-Graduação em História Social pela UNIFAP, Docente do Curso de Pós-Graduação em Ensino de História (PROFHISTORIA). Membro do Observatório da Democracia da Universidade Federal do Amapá. Docente do Curso de Especialização em Estudos Culturais e Políticas Públicas da UNIFAP.  Líder do Centro de Estudos de Religião, Religiosidades e Políticas Públicas (CEPRES-UNIFAP/CNPq). Interesse em temas de pesquisa: Religião e Politicas Públicas. E-mail para contato: [email protected]

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. A RCC é uma solução-problema pra igreja católica. Havia uma problema, a expansão evangélica no Brasil. A solução foi imitá-los. Imitou-se tanto que boa parte dos católicos se tornaram evangélicos. As semelhanças são muito grandes, mas a principal delas é a fé sem obras. Assim como boa parte dos evangélicos, os carismáticos preferem o louvor a ação. Ou seja, entre parar no caminho e socorrer o irmão como fez o bom samaritano, ele prefere ir a ao templo e cumprir o rito sagrado apenas louvando. Disto, então, a fé sem obra. Qustões sociais, então, nem pensar. Por outro lado pauta de costume está sempre em primeiro lugar e junto com ela o preconceito e o fechamento pras questões de tolerância. Não precisa nem dizer que foi o candidato preferido deles não últimas eleições precidenciais.

  2. Um monte de padres gays escondidos atrás da batina e outros levando vida de rico. É um saco estas Tvs de padres e pastores. A igreja católica se fosse mais esperta teria fortalecido uma emissora e tornado-a competitiva, com programação mais abrangente e mais repetidoras pelo país. Um saco ver o pastor da mão grande e os Edis fazendo milagres e charlatanice na Tv. O Ministério público finge que não vê. A Igraja Católica é muito melhor que esses crentes safados.

  3. Toda Igreja é o que os fiéis imaginam que ela seja…
    e não descobrimos nada com viagens para lugares que conhecemos pelo que os outros escrevem, falam, repetem ou pregam………………….não descobrimos nada de novo em imagens, livros, ou pela TV

    Se os navegadores ou questionadores eternos existissem no campo humano, certamente pregariam que o Sagrado só existe onde há instabilidade, porque foi assim que tudo surgiu. E os abismos criados apontados por praticamente todas as igrejas nem existiam ainda

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome