A revelação fantástica da U.R.S.A.L mostra a subcultura política brasileira, por Rogerio Maestri

A revelação fantástica da U.R.S.A.L mostra a subcultura política brasileira

por Rogerio Maestri

A maioria das pessoas foram tomadas de surpresa pela fantástica “revelação” do Cabo Daciolo sobre o plano de criação de uma “URSAL” (União das Repúblicas Socialistas da América Latina) pelo fórum de São Paulo, que junto com a teoria que a Terra é plana e que a NASA esconde isto, desnuda para a imensa maioria da população brasileira a subcultura política que lunáticos vinculados a gurus também lunáticos que corre por baixo da política oficial brasileira.

O mais surpreendente de tudo é que o Cabo Daciolo foi eleito pelo PSOL, para posteriormente ser expulso não por ser paranoico delirante, mas por contrariar a linha de laicidade do Estado que o PSOL adota. Ou seja, no lugar de propor remédios para a paranoia de seu deputado, o PSOL lava-o ainda a sério e o expulsa por suas ideias evangélicas-religiosas-atrasadas.

Mas tirando o desespero do PSOL na campanha passada que para conseguir alguns votos a mais, coloca como candidato alguém que poderia ser definido como “louco de atar”, é necessário discutir esta subcultura política delirante seriamente.

Se for colocado na busca do YouTube a palavra URSAL, surgirá há anos diversos vídeos, alguns com centenas de visualizações em que as pessoas levam extremamente a sério este delírio, ou seja, que houve no fórum de São Paulo a união de forças de esquerda para a criação de uma URSAL.

Como toda boa teoria da conspiração, conforme um excelente vídeo do Pirula (um biólogo que faz vulgarização científica no YouTube), a URSAL segue todos os passos necessários para constituir uma boa teoria da conspiração, no caso do Vídeo do Pirula trata-se de teorias da conspiração “científicas” que adaptado ao cenário político encaixa como uma luva:

Leia também:  A Barbárie chegou com tudo, por Arnobio Rocha

1) Pegar um fato bem estabelecido, e pela ciência (ou uma realidade social), no caso seria a reunião ocorrida em São Paulo que gerou o que veio a se chamar o Fórum de São Paulo.

2) Inventar alguma fórmula que um fato possa ser uma mentira, e que todo mundo está sendo enganado por conspiradores pertencentes a um determinado grupo SECRETO, no caso seria a transformação de uma reunião aberta de partidos e movimentos de esquerda em uma conspiração para criar a URSAL.

3) Feita a lambança, procura-se pinçar dentro da realidade fatos que corroboram com a teoria da conspiração, ou seja, o fórum de São Paulo existe, quem faz parte deste fórum são organizações de esquerda, a esquerda sempre propõe organizações internacionalistas e daí por diante.

4) Cria no Facebook, no YouTube ou numa página qualquer de um blog um documentário tosco qualquer em que se possa espalhar a ideia mirabolante (no caso a URSAL).

5) Começa a falar que a ciência (no caso comentaristas de política) não sabem de nada, ou que todos os jornalistas e demais envolvidos na divulgação da política estão todos vendidos para um poder maior, no caso financiado pela “nova ordem mundial” (que é um conluio gigantesco que envolve os USA, os comunistas, Lula, FHC, e talvez o cachorro da sua vizinha).

6) Depois de achincalhar a ciência e mídia em geral, que estão escondendo a verdade, é só citar alguns “grandes experts” sobre o assunto que confirmarão a tua verdade, no caso o “filósofo-astrólogo” Olavo de Carvalho, ou seja, milhares de jornalistas, comentaristas políticos estão mentindo, mas Olavo de Carvalho estará dizendo a verdade. Como se pode ver, a URSAL se encaixa perfeitamente na formação de uma verdadeira teoria da conspiração, porém sugiro para quem estiver interessado mais sobre o assunto que assista o vídeo do Pirula.

Leia também:  As ideias cultivadas pela elite econômica para privatizar a educação no Brasil, por Laércio Portela

O interessante é o tal Dossiê Usral, uma verdadeira peça de falsificação para ignorantes de um primarismo espantoso. É um documento apócrifo (algo que é proibido por lei) onde são colocadas frases curtas entre links nada confiáveis.

Mais ou menos 30% dos links enviam para vídeos do YouTube que foram retirados por contrariarem a política do YouTube, mais uns 50% são links a notórios direitistas, como os deputados Bolsonaro e Ônix Lorenzon, páginas e vídeos do “filósofo-astrólogo” Olavo de Carvalho, notórios jornalistas de extrema direita, páginas de pastores norte-americanos de propaganda anticomunista e alguns links a projetos de lei. O restante continua a generalidades que são um verdadeiro lixo de informação. Tive o trabalho de tentar abrir todos os links do tal “Dossier” (alguns já foram retirados da Internet), e não recomendo que ninguém faça esta penosa tarefa, acreditem e mim e não percam o seu tempo.

Este dossier Usral, é uma das dezenas de lixo de extrema direita, que alia o primarismo da argumentação a pobreza da estrutura, que somente pessoas muito ignorantes ou mal-intencionadas conseguem se ater ou utiliza-la como fonte de informação, mostrando que a nossa extrema-direita não tem a mínima capacidade de articulação, beirando ao analfabetismo funcional.

Devido a má qualidade dos textos e dos vídeos que são utilizadas pela extrema-direita, pode-se entender a má qualidade do discurso da mesma, porém é importante destacar as seguintes observações:

1) Que alguém que lê e cita este lixo como fonte de informação, foi adotado por um partido que se diz de esquerda revolucionária e intelectualizada, o PSOL, para compor uma chapa a deputado federal da cidade do Rio de Janeiro. Ou seja, se alguém dos quadros dirigentes deste partido, se tivesse algum critério de seleção e não desespero para conseguir votos a mais, no máximo meia hora de conversa com esta criatura teriam simplesmente sugerido que ele se candidatasse a síndico de seu edifício.

Leia também:  É urgente gestar o sindicato do futuro, por Clemente Ganz Lúcio

2) Que apesar de ignorantes e sem noção, pessoas como este candidato, que devido a sua profissão, fazem parte de grupos profissionais que andam armados e teoricamente deveriam ter um grau mínimo de instrução cívica.

3) Que a legislação eleitoral brasileira é uma verdadeira piada, pois veta um ex-presidente de falar em debates televisivos e deixam criaturas que beiram ao nível da imbecilidade política de ocuparem minutos preciosos da TV.

4) Que a subcultura política tem espaço breve em partidos ditos de esquerda, como o PSOL, seguem na sua posição de deputados federais propondo modificações absurdas na constituição e leis gerais do país, e atingem a situação de candidatos ao cargo máximo da república.

Ou seja, diferentemente o que disse o candidato Ciro Gomes, “A democracia é uma delícia, uma beleza…”, podemos dizer que a democracia burguesa é uma farsa.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

24 comentários

  1. bom post

    Isso que dá quando se leva a sério o filisofo-astrologo Olavo de Carvalho e demais “filhotes” do mesmo.

    O nível de paranóia e maluquice não pára de crescer por estas bandas.

    Logo estaremos superando os EUA, com folga.

     

  2. As  “teorias de conspiração”

    As  “teorias de conspiração” tem mercado inversamente proporcional à ignoancia de Historia e de politica, é impressionante

    como há no mundo idiotas para comprar baboseiras sem fim como a “ordem dos cavaleiros templarios que domina o mundo”, a”comissão trilateral”,  a “Fundação Ford”, as varias “maçonarias”, o “clube de Roma”, o “clube Bildberg”.

    A base logica dessas crenças é que o mundo funciona dentro de um “sistema” organizado e os conspiradores são os maestros desse “sistema”, tudo se explica acima dos fatos porque algures há um complô de geniros que move os cordões do mundo.

    Nunca existiu um “sistema” porque o mundo é um caos, a Historia é de impossivel explicação racional, cheia de idas e voltas, avanços e recuos, conflitos desencadeados por mera estupidez e insensatez (apud Barbara Tuchman), atores politicos fazem bobagens o tempo todo, são irracionais, muitos lunaticos perigosos, o ser humano é insusceptivel a viver em um sistema minimamente racional na sua estrutura macro, há uma junção anarquica de varios subsistemas descoordenados entre si.

    A União Sovietica seria um dos grandes sistemas conspiratorios, acabou de rpente de forma anarquica, porque esse credulos não tentam explicar? O fim da URSS não se encaixa no mundo de “sistemas”, como fica?

    O fato é que muitas pessoas inseguras e incultas PRECISAm de uma crença em poderes extraordinarios em algum lugar do planeta, para terem um eixo referencial de vida e isso explica o imenso mercado de seitas, pastores malandros, gurus, etc.

    • Elvis vive

      Sim, todos sabem que não existem elites globais e que elas não tem agendas proprias nem coordenam suas ações através de mecanismos multilaterias formais e informais. Mesmo porque as massas não representando perigo algum para a estabilidade da ordem economica (outra ficção), nunca houve nenhum movimento de massas que representasse ameaça e assim não há problema nenhum em mantê-las bem informadas e bem educadas.

       

      • Trump é a prova provada de

        Trump é a prova provada de que não existe coordenação na elite global, mesmo porque são varias elites. Se houvesse coordenação não teria havido a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais, Napoleão não teria sido Imperador e a Revolução Francesa não teria existido.

        • A lava jato, por exemplo

          Foi um movimento espontaneo e não coordenado de procuradores em busca de passar o pais a limpo, sem coordenação nenhuma com think-tanks e atores internacionais. Mesmo que tivesse havido alguma coordenação entre as elites daqui e dali foi um movimento isolado, que nunca seria possivel replicar em diferentes escalas, em diferentes regiões do globo.

          A expressão fake-news entrou em circulação espontaneamente ao mesmo tempo em todo mundo simplesmente porque as pessoas perceberam que estavam sendo enganadas e resolveram se mobilizar.

          Não existe essa de bilionarios doarem bilhões de dólares em campanhas para promover o direito de minorias, mesmo que tivesse, o objetivo seria a defesa desses direitos e não a promoção de sectarismos entre a população para dividir e dominar, uma tática que nunca funcionou na história.

          • A farsajato não é uma teoria,

            A farsajato não é uma teoria, é um fato. Seu objetivo sempre foi tirar o PT do poder e não deixá-lo voltar nunca mais e em paralelo entregar as estatais brasileiras que restaram para os estrangeiros. Qualquer candidato do PT que tiver a mínima possibilidade de vencer a eleição terá o mesmo destino de Dilma ou Lula. Ao manter Lula preso político os golpistas são claros: essa eleição é uma farsa e o nosso candidato tomará posse de qualquer jeito (Alckmin, Alvaro Dias, Marina, Ciro Gomes, Bolsonaro, na ordem de preferência da globo e CIA).

          • Bilionários são generosos

            e esses acontecimentos espontâneos  não passam de “meras coincidências”.

             

            Essas reuniões secretas de G8, G20, são meros convescotes e as grandes autoridades políticas e financeiras se encontram para matar a saudade.

            A gente fica assistindo  “House of Cards” fora de hora e começa a ter “idéias”, mas esse negócio de conspiração é pura invencionice.

              

    • André, concordaria com tudo que escreveste se algumas vezes ….

      André, concordaria com tudo que escreveste se algumas vezes estas teorias não fossem levadas a sério por uma parcela significativa da população!

      Para não ficarmos simplesmente em teoria, vamos falar de fatos, concretos e terríveis.

      Puxando pelo teu conhecimento histórico, sabes que o povo judeu foi sistematicamente perseguido por multidões ignorantes e a maior parte delas cristãos convictos e religiosos, havia até um ditado alemão, que escutei uma vez de uma judia alemã que dizia simplesmente, quando não tens nada a fazer, vá perseguir um judeu.

      O comportamento de diversos povos que perseguiam judeus por imaginários atos de magia negra, ou perseguiam ciganos por fantasias dos mesmos roubarem criancinhas e mais dezenas de outros mitos fruto de superstições era algo muito comum na sociedade anterior ao século XX, sendo mais intensos quanto mais atrasado fossem os povos.

      Entretanto houve um austríaco, que lendo uma peça de propaganda tipo teoria da conspiração, denominada “Protocolo dos Sábios do Sião”, viu por bem aproveitar esta falsidade que fora produzida pela polícia secreta do Czar, para lançar uma verdadeira teoria da conspiração que os judeus associados aos socialistas e comunistas fizeram a Alemanha perder a primeira guerra mundial. Todas as pessoas que conhecem um mínimo de estratégia militar e política sabem que a primeira guerra foi perdida pela Alemanha porque as tropas alemãs estavam prontas para seguir o caminho dos seus companheiros russos, ou seja, voltar suas armas contra seus comandantes e acabar com a guerra e implantar uma nova sociedade na Alemanha.

      Porém o cabo austríaco, pago pelas oligarquias germânicas adotou o antissemitismo como seu baluarte de luta e criando uma verdadeira teoria da conspiração, bem paga por uma parte do empresariado alemão. Alguns grandes capitalistas alemães com mais discernimento e visão de futuro, caíram fora porque viram que daria num desastre (estou dizendo que mesmo na direita há inteligência), os demais, pensando no lucro que poderiam ter com o rearmamento alemão e com a introdução de um regime de força em que os operários não poderiam reclamar, apoiaram e incentivaram esta grande teoria da conspiração, que foi o antissemitismo do Nazismo.

      Quem lê o Protocolo dos Sábios do Sião e a outra fantasia chamada A Minha Luta (Mein Kampf), e tem mais do que uma dezena de neurônios funcionando, vê claramente que tanto um como o outro texto é um produto de mentes distorcidas e que se tratam das piores fantasias mórbidas que a mente humana criou. Porém, para as pessoas normais, com baixa informação política, as palavras destes dois livros parecem fazer sentido. Ou seja, há um grupo de conspiradores, que tramam secretamente contra o mundo não judeu para dominá-lo. E o mais incrível que possa aparecer, de dois falsos textos, que imputam a um determinado povo todos os seus problemas, arma-se uma segunda teoria da conspiração, porém desta vez com financiamento.

      Veja, estou falando que o Nazismo, diferentemente do fascismo italiano, se criou a partir de uma TEORIA DA CONSPIRAÇÃO. O Nazismo não parte de uma reação de direita como feito pelo fascismo italiano que serviu para controlar os sindicatos e salários dos operários italianos dando mais dinheiro para os oligarcas italianos. O nazismo era uma soma entre a ideologia fascista italiana com uma TEORIA DA CONSPIRAÇÃO de que os judeus foram o cancro da raça ariana (outra fantasia incrível). Ou seja, o que faz o nazismo algo ainda algo pior do que o fascismo italiano foi um segundo nível de bestialidade do mesmo, pois além de servir ao grande capital alemão, até o momento que Hitler simplesmente destrói a Alemanha, decretando o que ele chamou a Guerra Total, era a implantação de uma ideologia racista advinda de uma teoria da conspiração.

      A dimensão da barbárie introduzida por Hitler não se esgota nas práticas de partido único, de submissão da população ao poder do Duce ou do Fuhrer, do elogia a guerra, da visão anti-intelectual e o desprezo a qualquer coisa que lembrasse a democracia. A barbárie que deixou marcas foi a visão da divisão dos humanos em duas categorias, os arianos e os não arianos, ou seja, em resumo a validação de uma estúpida teoria da conspiração, onde havia um povo escolhido, os arianos ou mesmo os nórdicos em geral contra os depravados do sul.

       

    • Aproveitando a citação dos templários

      Vale lembrar Umberto Eco em “O Pêndulo de Foucalt”, quando em uma fala o protagonista desiste de fugir dos que acreditaram em suas teorias: ” Eles são muito céticos para acreditar na verdade”

    • Tampouco sou adepto de
      Tampouco sou adepto de teorias conspiratórias, principalmente porque elas têm a pretensão de reduzir todos os acontecimentos a uma única causa explicativa. Mas o que complica mesmo o problema é que, como nos recorda um especialista no tema (o sociólogo francês Pierre-André Taguieff), se a maioria das teorias da conspiração são peças de falsificação alimentadas por paranoicos delirantes, as verdadeiras conspirações existem. O mais difícil é então distinguir umas das outras, o que nos remete ao tema filosofico fundamental da verdade, que inclui problemas como o da verdade histórica, da objetividade, do imaginário e das representações sociais, da ideologia… A discussão sobre as fake news e o poder da mídia também entram nesse âmbito. A propósito, há um dossier sobre o tema das conspirações no le monde diplomatique francês.
      Abraços

    • Nem tudo é ignorȃncia de histórica e de política

      Existe também o chamado imaginario coletivo, tema que interessa tanto à filosofia quanto à psquiatria: como raiz primária das faculdades expressivas e como alienação do mundo real. Quanto mais o desespero e a dor agravam o presente, mais aumenta a desejo por um mundo diferente.
      Sempre existem canalhas e espertalhões explorando a credulidade daqueles que vivem confinados no lager da ignorȃncia. Por exemplo, o batman de copacabana que um marketeiro recrutou para desfilar nas ruas contra a presidenta Dilma; os organizadores tinham bem presente o significado do “justiceiro” naquele contexto social. Como escrevera Zižek sobre o ultimo episódio «“Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge” é indicador da situação ideológica da nossa sociedade. Nesse último episódio a moralidade é relativizada, é uma guerra de classes aberta, tudo é permitido para defender o sistema quando estamos lidando não só com bandidos e corruptos, mas com uma revolta popular.»

      O colunista André Araujo (AA) escreveu:   I –  no mundo não faltam idiotas para dar crédito a bobagens como templários dominando o mundo, comissão trilateral, Fundação Ford, maçonarias, o clube Bildberg.   II –  o mundo é caos, conflitos são desencadeados pela estupidez, políticos fazem bobagens o tempo todo, são irracionais, perigosos, etc, etc.
      Ao ler que conflitos são desencadeados por mera estupidez, que políticos fazem bobagens o leitor é levado intuitivamente a concordar porque isso coincide com o que ele já sabe. Quando lê que Templários, Comissão Trilateral, Bilderberg, etc, são pura bobagem, o leitor pensa que é verdade (se os conflitos têm a ver com a estupidez e os políticos são uns merdas, esse papo de Trilateral deve ser escroto mesmo. Atenção amigo, o colunista quer distanciá-lo das lições da história e convencê-lo de viver, mecanicamente, no presente.

      Muitos não sabem mas a Ordem dos Templários existe e é muito influente, mudou de nome, de sede e se é adequada aos tempos. A Comissão Trilateral, o grupo Bilderberg, a Maçonaria, a Fundação Ford, existem e contam muito na governance do mundo. Eles não precisam conspirar. Quem conspira é o N Y Times, o Guardian, a BBC, a Fox News, o grupo GAFE (Globo, Abril, Folha, Estadão), etc..

      A ORDEM DOS TEMPLARIOS – No ano de 1305, os (em italiano) Cavalieri Ospitalieri ocuparam a ilha de Rodes com o nome Cavalieri dell’Ordine dell’Ospedale di San Giovanni di Gerusalemme, depois nominados Cavalieri di Rodi para terminar como Cavalieri di Malta. Eram guerreiros cruzados que da ilha interceptavam naves turcas, naves de peregrinos mulsumanos indo pra Meca, naves com cereais e especiarias, naves com tributos em ouro da rota Egito – Constantinopoli. Eram cristãos piratas, desumanos, bons de briga, que roubavam tudo, estupravam, escravizavam os marinheiros e passageiros sobreviventes que eles não tiveram tempo de afoga.
      O Sultão Soliman o Magnifico injuriado com esses cristãos que nada tinham a ver com Cristo, tomou uma decisão: organizo uma frota, vou lá, acabo de vez com a farra dessa quadrilha, tomo a ilha, e volto. Foi o ele fez. O pau comeu e foi em 1525;  O rei da Espanha para se livrar dos que sobraram, cedeu a ilha de Malta onde construiram a nova sede (Soliman até pensou em correr atras pra outra seção de porrada, mas deixou rolar). Estão lá até hoje.
      Pra encurtar essa história, atualmente a Ordem de Malta é um muito influente Estado sem território, representado em sedes diplomáticas nas zonas mais exclusivas de Roma com status de extraterritorialidade; a Ordem dos Cavaleiros de Malta sempre foi — e continua sendo — estreitamente, diretamente, exclusivamente ligada ao Papa.
      Nota para quem conheceu as cruzadas nos romances e no cinema: as expedições para libertar Jerusalém das mãos dos infiéis não passaram de longa e colossal campanha de saquejo cristã, que durou séculos, custeadas pelas potências emergentes (repúblicas maritimas de Genova, Veneza, Pisa, Amalfi e outras menos celebradas; a cruz era apenas a grife.)

      O GRUPO BILDERBERG – reune-se reservadamente uma vez por ano. Teve início em 1954. Foi fundado com o escopo de resolver o antiamericanismo europeu de pós guerra e incentivar maior colaboração tanto no campo político como no campo financeiro. Os convidados dessas reuniões fechadas são personagens influentes do mundo empresarial, financeiro, universitário, político e das comunicações.

      A COMISSÃO TRILATERAL é uma ong fundada em 1973 por David Rockefeller para coordenar os interesses entre ele, a Europa e o Japão e assim criar um sistema transnacional de poder, livre de condicionamento político e perda de tempo com essa merda de legitimidade democrática.

      Chomsky, na seção ”Plasmar a opinião pública” (Shape ideology, 13:00 min), do educativo documentário REQUIEM FOR THE AMERICAN DREAM, realizado em 2015   https://www.youtube.com/watch?v=eygAlutORMk l descreve a ofensiva do mundo econômico contra os impulsos igualitários dos anos 60, que teve início com o memorando do juiz Lewis F. Powell Jr, onde ele dá o alarme ao mundo econômico contra aquela onda DEMOCRATIZANTE. Disse ele: «Novas formas democráticas minaram os preexistentes sistemas de autoridade». A Comissão Trilateral imediatamente publica um relatório intitulado ” The Crisis of Democracy, Report on the governability of democracies to the Trilateral Commission”, formalizando as mesmas preocupações. A Comissão da época era composta por internacionalistas ”progressistas” como Jimmy Carter: « Our analysis suggests that applying that cure at the present time could well be adding fuel to the flames. Instead, some of the problems of governance in the United States today stem from an excess of democracy…»

      O pesquisador italiano Pietro Ratto revela no seu livro “L’Honda Anomala” os bastidores do trágico golpe de Estado com a execução dos policiais da segurança e o sequestro e assassinato do estadista italiano Aldo Moro, em 1978. Segundo o pesquisador Aldo Moro prognosticara acertadamente a perda de soberania e o degrado moral e político da Itália com as investidas da Trilateral e foi eliminado no ȃmbito do “excesso de democracia” dos italianos que muito preocupava Kissinger. Aldo Moro foi opositor inflexível daquele programa que excluía as sedes políticas das decisões de interesse do grande capital. O pior criminoso de guerra ainda vivo no mundo, Henry Kissinger, foi inimigo jurado de Aldo Moro pelo seu antagonismo aos ditames da Trilateral e do Grupo Bilderberg (um importante intelectual italiano considera o assassinio do grande estadista como o delito fundador de uma Itália que renega suas conquistas democráticas e populares).
      No relatório ”The Crisis of Democracy” também publicado na Itália em 1975 com o prefácio de Gianni Agnelli, o presidente da FIAT critica o princípio que o trabalho realiza socialmente e materialmente o homem. Agnelli explica também a sua estratégia de esvaziamento da política através de crises geradas por escândalos de corrupção de modo que o eleitor desiludido e nauseado abandone as eleições. Em 1975 ele não apenas antecipava o programa de Mani Pulite mas levantava a bola que seria parada pelo Berlusconi vinte anos depois quando, numa feira internacional, dirige-se ao mundo empresarial garantindo que o mercado de trabalho italiano era o mais flexível da Europa e as secretárias italianas eram as mais bonitas (Sic). O primeiro ministro Matteo Renzi durante a campanha referendária para reforma da Constituição usou ininterruptamente a frase ”excesso de democracia” como um das razões da ingovernabilidade italiana.  links   —     https://www.youtube.com/watch?v=aGUkJpEVBQ4          http://www.bibliotheka.it/LHonda_anomala_IT

      Uma pergunta para o leitor que bota fé no André Araujo: quando vc compra um sabonete pra lavar a sua bunda suja e escolhe Lever, o preferido das estrelas do cinema, e lê na embalgem UNILEVER, sabe que é um grupo anglo-holandes, proprietário dos produtos mais consumidos nos setores da alimentação, da bebida e da higiene? Que é ativo em todo o mundo desde 1885, hoje com cerca de 200 filiais em 90 paises? Que é o mais forte na área de produtos de largo consumo do planeta Terra?
      Desde os tempos da rainha Vitória e sobretudo do seu filho Eduardo VII (monarca de 1901 a 1910 e Grão Mestre da Loja Maçônica da Inglaterra), a UNILEVER é uma entidade estreitamente ligada à Casa Real, aos governos e ao stablishment da Grã-Bretanha desde o século XIX, no ȃmbito das guerras de expanção do Império. E nas décadas cresceu tanto que passou a fazer parte do exclusivissimo club político e comercial que foi gradualmente formando-se ao redor do trono inglês: um “circulo mágico” composto de bancos, empresas petroliferas e de mineração, companhias de Seguros, agências de informação, multinacionais. O nome deles falam por si: Bank of England, Anglo-American Corporation (Africa do Sul), De Beers (diamantes), Rothschild Bank, Barclays Bank, Lloyds Bank, National Westminster Bank, Hambros Bank, J.P. Morgan & Co, British Petroleum (Bp), Royal Dutch Shell, Assicurazioni Generali, General Electric, Hsbc (Hong Kong and Shangai Bank), Imperial Chemical Industries (Ici), Reuters Holdings, Vickers, Peninsular and Oriental Sream Navigation Co (P&O).

  3. Parabéns!
     

    Parabéns pela paciência, Rogério.

    Entrei ontem no doc. URSAL, a contragosto, já que o nome é extremamente sugestivo:urso, ursal, não pode ser coisa boa.

    Não me dei ao trabalho de acessar qualquer link porque o nível é de um primarismo comovente.

    Mas, caríssimo, vivemos tempos de fazer triunfar nulidades.

    A mola propulsora do homem é a vaidade.

    Se ele não é suficientemente sábio para ser admirado, ele se vangloria da sua ignorância mesmo, e nela se fortalece.

    Gosto do Olavo de Carvalho por isso. A sabedoria dele é como o eclodir de um pelo pubiano.

    Ele começa a crescer liso na raiz, quando vai passar pelo folículo piloso, se esse folículo for achatado o pelo tem que se esforçar pra sair, não recebe a lubrificação adequada , o pelo enrola e vira pixaim.

    O raciocínio do Olavo é a mesma coisa : começa legal, vai se desenvolvendo forte, bonito mas quando ele chega na conclusão, é um pelo encravado. A passagem do raciocínio se enrola na chatice de suas limitações.

    Tive a paciência de ler as suas “obras” entre as quais, “O jardim das Aflições”.

    Tava legal, foi desenvolvendo até o meio,  fazendo citações e referências adequadas,  mas quando ele foi chegando ao final,  as conclusões dele  foram inacreditavelmente discordantes do pensamento original.

    É deficiência de raciocínio congênita, parece (quiçá hereditária…?)

    Mas ele tem vaidade suficiente para cativar adeptos fervorosos e compartilhar sua deficiência com eles. São os novos pretendentes do reino das sombras.

     

      

    • Como também assisto loucos e safados já tinha visto a …….

      Como também assisto loucos e safados já tinha visto a técnica de Olavo de Carvalho, e diria que ela é mais insidiosa do que o pelo pubiano.

      Ele vai aos poucos distorcendo os fatos, mentindo até em datas, para formar uma espécie de lastro das besteiras maiores.

      Se alguém faz uma leitura (ou uma audição) cuidadosa dos trabalhos de Olavo de Carvalho verá que há um caminho longo e tortuoso em que ele vai distorcendo a realidade muito discretamente, e formando criando uma espécie de crédito para o horrores que ele sempre coloca no fim.

      Assisti um vídeo que ele fala sobre a idade média e que a igreja não é culpada de nada. Ele chega a mudar as datas em que ocorreram determinados eventos, modificar as conclusões de Concílios, trocar diversos fatos históricos no tempo e no espaço e protagonistas, para que no fim o seu ouvinte pouco atento acredite numa história totalmente revisada segundo Olavo.

      • Não sei se insidioso ou ignorante
         

        Como ele é coxinha e católico fervoroso, daqueles de espírito amedrontado, ele mata dois coelhos com uma só cajadada.

        Não faz inimizade com a igreja e arrebanha adeptos desavisados, como faz qualquer evangelizador.

        Só que ele se pretende culto.

        Culto que precisa de culto.

        O que ele gosta mesmo, é de ser reconhecido como “sumidade”

        Podia aproveitar e sumir com o seu séquito (sic)

        Não sei,  é possível que ele ganhe muito dinheiro para influenciar a juventude.

        Seus seguidores se creem tão esclarecidos que chegam a dar medo.

        São como os membros do TFP.

        Não sei se v. ja assistiu a alguma passeata dos jovens do TFP (tradição, família e propriedade), gente com a mentalidade e o comportamento  do Ives Gandra Martins Filho

        Tapados e  poderosos. Ímpios à toda prova ou, simplesmente fascistas.

         

    • Parabéns, uma ótima explicação sobre a URSAL, porém….

      Parabéns, uma ótima explicação sobre a URSAL, porém mesmo para terraplanistas tudo o que nega que a Terra plana, foi invenção da NASA. 

      Não adianta.

      • Há intenção deliberada no debate supérfluo e até do anedótico.

        Em 5:10 do vídeo → “O Brasil corre o risco de um apagão científico e a gente está aqui debatendo a URSAL”

        E em 6:27 → “Uma piada, uma distração, num período em que a gente deveria estar bem atento!!”

        Há interesses poderosos querendo que as coisas mudem para ficarem como estão. Então, o negócio é encher o “debate” com palhaçadas, com despolitização e candidaturas que a representam, estas últimas terminam pautando o processo eleitoral 

        O vídeo abaixo faz o alerta para o fenômeno.

        [video:https://youtu.be/2YXKBBri7Bc%5D

        • Concordo, e o Boulos faz o papel do Bobo da Corte.

          Primeiro vamos a definição de Bobo da Corte dada pela popular Wikipedia:

          “Bobo da corte, bufão, bufo é o nome pelo qual era chamado o “funcionário” da monarquia encarregado de entreter o rei e rainha e fazê-los rir. Muitas vezes eram as únicas pessoas que podiam criticar o rei sem correr riscos, uma vez que sua função era fazê-lo rir, assim como os palhaços fazem nos dias atuais.”

          Pois Boulos fez o papel do Bobo da Corte no debate. O papel do Bobo da Corte na idade média, principalmente era um papel importante, pois deixando claro o Bobo da Corte NÃO ERA UM IDIOTA, NEM ALGUÉM QUE DIZIA BESTEIRAS, era o único dentro das cortes a quem era permitido fazer críticas contra o rei e principalmente contra os nobres da corte, porém isto deveria ser feito com  graça e humor.

          Um Bobo da Corte, dizia que o rei era tirano, que os demais membros da corte eram parasitas e deveria fazer de tal forma que todos rissem.

          Em resumo, o Bobo da Corte era um crítico feroz do monarca e principalmente da corte, mas como ele fazia com graça e com piadas a ele era permitindo, mas o Bobo nunca teria a capacidade de derrubar o Rei ou a monarquia, pois como ele fazia parte dela a ele era vedado críticas a base de tudo, a intituição MONARQUIA.

          Boulos criticou os Bancos? Boulos criticou o Imperialismo norte-americano? Boulos criticou os grandes capitalistas que roubam a população brasileira? A resposta para isto tudo é não. Ou seja, ele critica os membros da corte, ou até o Rei, mas não critica a monarquia.

          O Bobo da Corte era sempre um Bobo, só tinha um problema, quando suas críticas eram muito ferozes e incomodavam a monarquia, cortavam a cabeça dele.

  4. Nos primórdios da internet

    Nos primórdios da internet brasileira circulou por e-mail a página de um suposto livro de geografia usado nos EUA. Na obra o mapa do Brasil era representado sem quatro Estados membros (Amazonas, Roraima, Rondônia e Acre). Toda aquela região seria uma imensa floresta internacional: a Amazonia.

    O mapa era uma evidente falsificação. Possivelmente feita e divulgada por militares que queriam amedrontar os cidadãos para exigir mais verbas orçamentárias. A ação deles provavelmente se devia ao fato de que as Forças Armadas foram deliberadamente sucateadas por FHC.

    Quase duas décadas depois a falsificação está se tornando realidade. Bolsonaro e seu vice (o general Mourão) tem dito que a Amazonia deve ser vendida.

    A tal da URSAL pode ser uma falsificação (uma versão moderna do Plano Cohen inventado e usado por militares getulistas), mas o propósito dela me parece evidente. Desviar a população das propostas da esquerda e preparar a repressão em caso de vitória da extrema direita. 

     

  5. Quando se trata das

    Quando se trata das imbecilidades esquerdotas, até mesmo as ironias revelam anseios velados. Em sua tirada irônica, a professora por pouco não acertou o alvo. Tivesse usado o termo UNASUL, em vez de URSAL, teria acertado em cheio.

    • Meu caro, achar que o artigo se trata de uma imbecilidade…….

      Meu caro, achar que o artigo se trata de uma imbecilidade esquerdopata, podes até achar, pois talvez se publicares algo em algum lugar, acharei uma imbecilidade direitopata, ficanco 1 x 1 o placar.

      Agora achar que há ironias veladas é uma falta de capacidade analítica, as ironias não são nada veladas, são explícitas como os filminhos de moteis (pode até utilizar a deixa e fazer analogias com o texto com o meu exemplo, deixei a bola quicando).

      Não há ironias implícitas, há ironias verdadeiras, mas como já sei quem está escrevendo pela estrutura e pela impossibilidade de revelar quais são estas ironias que representam anseios velados já imagino a volta retórica que tem o curto comentários.

  6. A falsificação

    O colunista do GGN, André Araujo liquida a questão da conspiração como “teoria” para otários em geral. Como ele classificaria esse artigo publicado no The Washington Times em agosto de 2002, com o titulo “Blocking a new axis of evil”? http://www.washingtontimes.com/news/2002/aug/7/20020807-035726-4625r/?page=all    O autor é Constantine C. Menges, membro do Hudson Institute e do National Security Council.

    Já nos primeiros meses de governo Lula o correspondente do NY Times, Larry Rother, escreveu um longo artigo difamatório com o título “Lula cachaça”: «Nos últimos meses, o governo esquerdista de Da Silva tem sido assaltado por uma crise depois da outra, de escândalos de corrupção ao fracasso de programas sociais cruciais. O presidente tem ficado longe do alcance público nesses casos e tem deixado seus assessores encarregarem-se da maior parte do levantamento de peso. Essa atitude tem levantado especulação sobre se o seu aparente desengajamento e passividade podem de alguma forma estar relacionados a seu apetite por álcool.»  Os artigos do NYT e do WT tinham a mesma fonte conspiratória: o governo dos EUA.

    A falsificação desses artigos ficara evidente para o grande público brasileiro de otários?

    Frei Beto, que na época era assessor especial da Presidência escreveu um artigo com o titulo “Caso New York Times”: «Algo no governo Lula incomoda o NYT. Claro, este governo obrigou os EUA a rever a agenda da Alca; a OMC, em  Cancún, a tratar com mais respeito os países emergentes; e, agora, pela primeira  vez, os EUA se vêem punidos pela OMC no modo como conduzem sua política  algodoeira. Lula nunca teve qualquer dependência de álcool. Jamais freqüentou bares, mesmo no tempo em que, metalúrgico, isso era comum no ABC. Se toma um trago é por razões sociais, como também faço. Mas jamais em excesso ou para atingir aquele nível de inconsciência que abre espaço, em nosso comportamento, à  irresponsabilidade.
    Mas Lula é viciado. Em política. Adora tomar porres homéricos de povão, com quem gosta de se misturar, abraçar e afagar. Ali, entre os pobres, sua adrenalina vai a mil. Por isso, fica de ressaca quando a conjuntura o obriga a aprovar um novo salário-mínimo aquém de seu sonho e das necessidades dos trabalhadores e dos aposentados.
    O NYT pretendeu minar a honra e a autoridade de nosso presidente, porque este obrigou a Casa Branca a conter a sua sanha na Venezuela e em Cuba. Nosso governo restaurou o Mercosul,  aproximou-o do Grupo Andino, e não apoiou a invasão do Iraque. O ministro Celso Amorim não fica descalço quando ingressa nos EUA, como o fazia o ministro das Relações Exteriores de FHC.»

    No artigo “Meu nome é Enéas’’, publicado no Cartamaior em 2014, o autor denunciava o ridículo na campanha eleitoral e a falsa gratuidade do espaço TV (R$ 840 milhões de insenção fiscal). Os candidatos eram da envergadura do cabo Daciolo, do capitão Bolsonaro e do general Mourão: Barak Obama, ET, Super Zefa, Tadeu Tô Contigo, Mortadela, Tiririca do Amazonas, Bin Laden, Me Ajuda Aí, Dengue, Cigano Igor, Jamelão da Poesia, entre outros.

    Como explicar entre nós a falta daqueles sentimentos que fazem tímido e incerto o sentimento de justiça nas sociedades modernas: idéia de semi-responsabilidade, idéia de falibilidade do juiz, a consciência que a sociedade é co-responsável dos malfeitos do indíviduo? A subcultura brasileira tem a ver com a sua elite medieval. Um autêntico representante dela é o Luciano Hulk aquele que liderou a massa cheirosa no “vai tomar no cú” na abertura da Copa, diante do mundo. O nome dele foi ventilado pela direita para Presidente da República!

    Em tempo: o link do documentario REQUIEM FOR THE AMERICAN DREAM legendado em portugues foi retirado.
    Em ingles: https://www.youtube.com/watch?v=bX3kEehmBpE

  7. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome