A tal “crise” como justificativa para a incompetência e a incapacidade

Por Alessandre de Argolo

Tem muita gente buscando justificar a sua incompetência, a sua incapacidade de se estabelecer no mercado valendo-se da tal “crise” que dizem que “assola” o país. O comerciante não consegue vender? Fácil: basta culpar a tal “crise”. Todas as outras hipóteses (atendimento ruim, serviço ou produto ruim ou inferior ao da concorrência, preço mais caro, relação custo-benefício desvantajosa, péssima localização do negócio, falta de publicidade etc), nada disso tem mais importância. Basta culpar a tal “crise” e todos se tornam competentes e capazes de se estabelecer no mercado, como num passe de mágica. Yeah, right.

Alguma dificuldade pode estar existindo, em alguns ramos. Em outros, não. O que é normal na economia. A crise faz parte normalmente do cenário do capitalismo. Mas o que eu falei foi de outra coisa. Tem gente se aproveitando da tal “crise” para justificar a própria incompetência, a própria incapacidade de se estabelecer no mercado. Empresas quebram, mesmo quando ninguém fala em “crise”.

Para analisar o efeito da sempre mencionada “crise”, nós teríamos que analisar o faturamento das empresas ao longo do tempo. Inclusive teríamos que analisar quais os métodos de administração que elas vêm empregando desde então, a evolução da concorrência no mercado, o que elas fizeram para manter fiel a clientela etc. Não é tão simples assim. Se houve uma queda nas vendas, alguma explicação pode existir para além da tal “crise”. Essa justificativa é muito limitante da realidade. Pode ter existido uma mudança no perfil do consumidor, no perfil do mercado e a empresa não acompanhou. Nem todo mundo está vivenciando uma verdadeira crise: vários segmentos do mercado vão de vento em popa, crescendo e ganhando muito dinheiro, essa é que é a verdade.

Muitos usam o setor da construção civil e a queda nas vendas no mercado imobiliário como uma forte evidência da crise. Há muito tempo que eu leio sobre os preços absurdos do mercado imobiliário, os que mais cresceram muito acima da inflação. Qual a justificativa? Nenhuma, apenas busca por lucro exorbitante. Aí, quando os preços atingem um nível que ninguém consegue pagar, a culpa na queda das vendas é da “crise”? Não, é dos preços absurdos e totalmente fora da realidade!!

Para cada notícia que aponta para uma piora nos indicadores econômicos, existem muitas outras que fazem o contraponto. A questão é saber analisar o que existe de verdadeiro nessas notícias. A crise, como bem disse o crítico de cinema Pablo Villaça, em recente post em sua página no Facebook que viralizou nas redes sociais (ver clicando aqui), não é tão grave como essas notícias falam. O Brasil não quebrou de uma hora para outra. Isso é pura invenção. Isso é no que a imprensa quer que as pessoas acreditem. Tem muita gente ganhando dinheiro sim. Muita. O país que vinha bem não pode simplesmente paralisar em pouco tempo. Isso não tem o menor fundamento. O país é grande economicamente, tem um mercado consumidor auto-sustentável etc. Muitas notícias que saem na grande imprensa falam de uma realidade como se o Brasil fosse um “deserto econômico”, sem saída ou não existisse mais nada, não produzisse mais nada. Esse é o clima de “terror” que a grande imprensa e a parte a ela alinhada querem fazer vingar na cabeça das pessoas. Isso é falso, esse clima pessimista todo. O Brasil está em “crise”, vamos todos nos afundar na miséria e blá blá blá. Balela.

O mais certo é: alguns setores passam por uma crise. A “crise” não é conjuntural e muito menos significa que este governo não irá encontrar respostas para ela. A questão é o que fazer para o problema não se agravar. Antes, os que hoje querem voltar ao poder estagnaram economicamente o Brasil, entregaram praticamente boa parte do patrimônio do país, fizeram privatizações predatórias e lesa-pátria, massacraram a classe trabalhadora etc. Isso sim era uma verdadeira crise.

12 comentários

  1. Meu marido conheceu uma

    Meu marido conheceu uma pessoa na semana passada que estava reclamando da crise e do governo. Em meados de 2009 a pessoa resolveu montar um serviço de logística para concurseiros (tipo organizar estadias, traslados, etc). A “crise” dele é porque o governo Dilma diminuiu a quantidade de concursos. 

  2. O que me remete à Dilma,

    O que me remete à Dilma, justificando sua incompetência e incapacidade à crise internacional, à Lava-Jato etc…

  3. No Brasil tem muito ladrão de
    No Brasil tem muito ladrão de mascara. Mascara de empresário, mascara de politico, mascara de religioso. …. Como todo ladrão só sabe roubar, quando não há espaço pras suas cambalhotas afanativas, a mascara cai. Ai o esperto começa a ficar nervoso e protestar como se fosse um cidadão honesto. Pau neles, seu Saraiva!

  4. Texto meio espírita. Tenta

    Texto meio espírita. Tenta reinventar o capitalismo, fonte de todo tipo de crise, lucro, prejuízo, incompetência, criatividade, competência, inteligência e burrice. Mas, certamente esqueceu de citar uma coisa que surpassa qualquer regime político e econômico: Custo Brasil. Esse, sim, agrava qualquer estágio de doença empresarial. Muita das vezes é o que estabelece a doença. O dia em que, seja lá que regime, partido, ou governo for, se criar uma coisa racional nesse campos ajudará sem dúvidas ao reclamante ou exultante a ser testado somente na essência de sua capacidade, competência, inteligência e/ou burrice. E talvez, talvez, se esqueceu de citar que as regras para todas as atividades econômicas, qualquer uma, mudam, as vezes, de um dia para o outro e quem com o umbigo agarrado no balcão só vem a saber, quando muito, na véspera. Em resumo: Falar é fácil, fazer é que são elas.

    • Desse tal Custo Brasil quanto

      Desse tal Custo Brasil quanto será que há de influência do velho jogo de mercado, oferta e demanda? Que empresário vai vender por menos se puder vender por mais? O que justifica um sanduíche que é vendido numa barraquinha nos bairros pobres a R$ 2,00 ser vendido num food truck a R$ 20,00? A mesma lógica talvez possa ser aplicada quando se pensa em automóveis, por exemplo, e até em imóveis. Muitas são as reportagens em mídia especializada que apontam, ainda que delicadamente, para o fato de que o carro nacional só é tão caro porque há quem pague.

      http://quatrorodas.abril.com.br/reportagens/carro-tao-caro-brasil-394648.shtml

      http://noticias.r7.com/carros/noticias/por-que-o-carro-no-brasil-e-tao-caro-saiba-que-a-culpa-tambem-e-sua-20110218.html

       

      Se fôssemos uma sociedade mais consciente, unida, com espírito de corpo e patriotismo, bastaria boicotar preços abusivos. No entanto, sempre haverá, na nossa sociedade quem fure boicote e diga “Dane-se, eu posso pagar, eu compro.” E o pior, sempre haverá quem aplauda e até inveje o “furão”: “Nooossa, tá podendo, hein?”

      E o mesmo ocorre com imóveis, principalmente nos chamados “de luxo”… como a gente gosta de um luxo, né? E paga e ao pagar inflaciona o mercado.

      Não que a carga tributária + taxas + emolumentos não pesem no custo Brasil. Mas como se vê nas apurações de reportagens, nossas taxas não são tão maiores do que as cobrasdas em outros países, principalmente se colocadas em proporção.  Ou seja, pelo mesmo bem – e até inferior – pagamos o dobro das taxas que pagaríamos em outros países, mas o bem nos sai pelo triplo.

      Talvez fosse interessante, para a construção de um país melhor para nós e para quem nos sucederá – filhos, netos… – que repensássemos nosso desejo de ser VIPs, que tal?

    • E o Lucro Brasil como fica Carioca?

      Carioca, e o Lucro Brasil? Já ouviu falar dele? As montadoras de veículos são as mais exemplares!!! Existe explicação para um Corolla custar mais de oitenta mil reais e ainda existir fila de espera para adquirir um? Realmente a tal crise é gigante!!!

      • Parceiro,

        Posso, claro, estar errado mas as montadoras alegam também que tem que vender a esse preço (o que você citou) porque o custo brasil, leia-se carga tributária, é grande. Coisa de 35%. E de mais a mais, com ou sem crise, só paga isso que citastes se tem caixa. Quem não tem, não paga. Aliás, quem não concorda que não compre. Há, muito remotas, possibilidades de as montadoras baixarem os preços o dia em que ninguem pagar o que pedem. Reforço meu pensamento lembrando que somente quando da isenção de IPI refletiu em recordes de vendas de unidades nunca antes vista na história. Não sou o autor mas a isso se chama capitalismo.

  5. Excelente Alessandre!

    Vou relatar um fato recente.

    Moro na Vila Mariana em São Paulo próximo do Ibirapuera. O bairro é de classe média alta. 

    Aqui um sobrado de 3 quartos cobra por volta de 5 mil reais de aluguel. 

    No ano passado surgiu a moda de lojas de bolo caseiro por aqui e surgiram três ao mesmo tempo em uma distância  uma da outra de não mais que 300 metros. 

    Duas já fecharam. Sobrou uma. 

    Imaginemos vender apenas bolos. Contratar duas funcionárias registradas. Pagar contas de água, luz (imagina o gasto com o forno elétrico), telefone e IPTU. Além de todos aqueles impostos ligados ao comércio, sindicato disto, contribuição daquilo.

    Como sustentar um negócio destes num local que se divide a concorrência em três e que só de aluguel já se sai pagando 5 mil? E ver ainda que em um deles o dono não ia no local, colocava duas moças para trabalhar se sonhando um mega empresário?

    É bem assim. O que tem de gente sem noção é uma coisa incrível.

    E o processo é bem interessante.

    O bolo começa no preço de 12 reais. Dois meses depois se descobre que dá prejuízo neste preço e sobe para 15 reais. Mais dois meses e sobe para 18. Mais dois meses chega nos 20. E um tempo depois fecha. 

    Ai o sujeito que perdeu o dinheiro, que não tinha feito nenhum planejamento de mercado, nenhum estudo de viabilidade do comércio que abriu culpa o “Governo”, a “Economia” e a “crise”. 

  6. outra da “crise”

    Estes dias esteve com amigos que costumam viajar, especialmente pela Europa. O mes passado estiveram na Itália, Grécia e Turquia; voltaram surpresos pelo tanto de brasileiros que encontraram por lá.

  7. Crise?Meu vizinho tem uma

    Crise?Meu vizinho tem uma grande loja de calçados e material esportivo,ta sempre lotado,nao importa a epoca;

    Perto daqui,uma padaria de grande porte e que trabalha com ítens populares e tbem caros,nada tem a reclamar(o proprietario é meu amigo);

    No final do mes duas grandes lojas de departamentos vieram se instalar na cidade(crise?)pagando alugueis que ultrapassam R$ 15.ooo,oo mensais cada;

    Supermercados,botecos,restaurantes e praças de alimentação dos shoppings da região sempre lotados…

    Tenho amigos ligados a construção civil,(eletrecistas,encanadores,fabricantes de moveis sob medida,que estão fazendo horas extras pra dar conta do serviço) .

    Um deles é corretor, trabalha com imobiliarias,disse que, realmente vendiam 9 unidades por mes,e agora passou pra 6 ,apartamentos que custam em media 400 paus….é essa crise ta acabando com os nervos das pessoas.

  8. Crise

    Crise?Meu vizinho tem uma grande loja de calçados e material esportivo,ta sempre lotado,nao importa a epoca;

    Perto daqui,uma padaria de grande porte e que trabalha com ítens populares e tbem caros,nada tem a reclamar(o proprietario é meu amigo);

    No final do mes duas grandes lojas de departamentos vieram se instalar na cidade(crise?)pagando alugueis que ultrapassam R$ 15.ooo,oo mensais cada;

    Supermercados,botecos,restaurantes e praças de alimentação dos shoppings da região sempre lotados…

    Tenho amigos ligados a construção civil,(eletrecistas,encanadores,fabricantes de moveis sob medida,que estão fazendo horas extras pra dar conta do serviço) .

    Um deles é corretor, trabalha com imobiliarias,disse que, realmente vendiam 9 unidades por mes,e agora passou pra 6 ,apartamentos que custam em media 400 paus….é essa crise ta acabando com os nervos das pessoas.

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome