A Terra é plana e a ditadura não matou ninguém, por Camilo Vannuchi

A naturalização da mentira e do fake-revisionismo praticado por Bolsonaro é irmão siamês da naturalização do mal.

da Carta Capital

A Terra é plana e a ditadura não matou ninguém

por Camilo Vannuchi

Ao negar que houve tortura, ofender familiares das vítimas e intervir na Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, Bolsonaro transforma o fake-revisionismo em marca de seu governo.

Levou apenas uma geração. Não mais que 30 anos entre a promulgação da Constituição Federal, em outubro de 1988, e a consagração nas urnas, em outubro de 2018, do mais abjeto revisionismo sobre as violações de direitos praticadas pelo Estado entre 1964 e 1985.

Hoje, esse revisionismo fake assume a forma de negação. Negação e chacota — com a assinatura oficial da Presidência da República.

Ninguém pode se dizer surpreso. O capitão-em-chefe jamais escondeu o que pensa. Enquanto ridiculariza os dados do INPE, defende o histórico de nepotismo dele e de seus filhos e faz campanha para emplacar o nome do zero-três para a embaixada do Brasil em Washington, Bolsonaro retoma com vigor renovado um de seus passatempos preferidos: homenagear torturadores e ofender suas vítimas.

A fixação de Bolsonaro com o tema é pública e notória. E antiga. Uma década atrás, o então deputado federal fixou na porta de seu gabinete um cartaz com a caricatura de um cão e a frase: “Desaparecidos do Araguaia: quem procura osso é cachorro”. Em 2015, ao ouvir que a jornalista Miriam Leitão havia sido torturada e presa numa cela junto com uma jiboia, afirmou ter ficado com pena da cobra. Em 2016, dedicou seu voto a favor do impeachment à memória do torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra, a quem chamou de “o pavor de Dilma Rousseff”. No mesmo ano, disse em entrevista a uma rádio que “o erro da ditadura foi torturar e não matar”.

Desde que assumiu a Presidência, sete meses atrás, Bolsonaro voltou a se pronunciar repetidas vezes de forma desrespeitosa em relação à memória das vítimas da ditadura. Sobretudo, pintou e bordou na tentativa de interditar o próprio conceito de ditadura. Às vésperas do aniversário do golpe, em março, instruiu as Forças Armadas a comemorar a data nos quartéis. Por meio do canal oficial da Presidência da República no WhatsApp, divulgou no dia 31 daquele mês um vídeo com a versão de que não houve golpe, mas uma resistência corajosa e patriótica à ameaça comunista, e que o Exército atendeu aos apelos da sociedade e “nos salvou”.

Leia também:  Xadrez do auto-impeachment de Bolsonaro, por Luis Nassif

Recentemente, Bolsonaro voltou a atacar Miriam Leitão, acusando-a de mentir quando diz que foi torturada. Em seguida, num dos episódios mais graves da sanha revisionista, usou a memória do desaparecido Fernando Santa Cruz para ofender seu filho, o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz.

“Se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto pra ele”, declarou o presidente.

Instado a se explicar, Bolsonaro afirmou que Santa Cruz, executado em 1974, teria sido morto por companheiros de sua organização, a Ação Popular, e não sob tortura como revelam documentos reunidos pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos e pela Comissão Nacional da Verdade. “Você acredita em Comissão da Verdade?”, indagou aos que confrontaram a declaração. “Isso aí é balela”.

Fake-revisionismo pela caneta

Junto com o fake-revisionismo declaratório, Bolsonaro exerce o fake-revisionismo pela caneta, com efeitos ainda mais devastadores. Nesta quinta-feira (1/8), exonerou quatro dos sete integrantes da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP), incluindo sua presidente, a procuradora da República Eugênia Augusta Gonzaga, nomeada em 2014. Um dia antes, Eugênia havia feito o óbvio: protestou contra a declaração de Bolsonaro sobre Fernando Santa Cruz e reiterou o que é reconhecido pelos órgãos oficiais: Fernando foi morto em 23 de fevereiro de 1974, aos 26 anos, após ter sido capturado por agentes da repressão. Seu filho tinha apenas 2 anos.

 

A CEMDP foi criada em 1995, então vinculada ao Ministério da Justiça, e, desde janeiro, responde ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Além de Eugênia, foram exonerados o coronel da reserva João Batista da Silva Fagundes, representante do Ministério da Defesa, a advogada Rosa Cardoso, ex-integrante da Comissão Nacional da Verdade e representante da sociedade civil, e o deputado federal Paulo Pimenta, representante da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. A mudança foi justificada por Bolsonaro como uma adequação à conjuntura atual. “Agora o presidente é de direita”, declarou. Um dos novos membros é o deputado federal Filipe Barros (PSL), de 24 anos, entusiasta da ditadura.

Leia também:  CORRUPÇÃO. Notas torpes sobre Lula, Moro, Deltan e um general, por Armando Coelho Neto

A intervenção presidencial na CEMDP era uma espécie de bola cantada nos bastidores da entidade. Não foi a primeira canetada de Bolsonaro com efeitos sobre a comissão. Em abril, ao publicar o Decreto 9.759, que extinguiu conselhos e órgãos colegiados ligados à administração federal, Bolsonaro atingiu duas equipes que atuavam na busca de desaparecidos e na identificação de vítimas da ditadura, o Grupo de Trabalho Perus e o Grupo de Trabalho Araguaia, ambos coordenados pela CEMDP.

Intervenções como essas podem ser entendidas como retaliação ou como reflexo da escalada conservadora. Essa interpretação, no entanto, está longe de formar consenso. No dia em que Bolsonaro evocou a execução de Fernando Santa Cruz para ofender Felipe Santa Cruz, duas das cinco hashtags mais reproduzidas no Twitter apoiavam a agressão: #BolsonaroTemRazao chegou ao topo da lista, seguida de perto por #OABdoPT. Sobre a exoneração de Eugênia, um articulista do Estadão usou seu blog para reclamar que Bolsonaro e Damares erraram: deveriam ter acabado de uma vez por todas com a Comissão — que, segundo ele, “só serviu para usar dinheiro do pagador de impostos para pagar grossas indenizações a quem lutou para substituir uma tirania por outra”.

Espírito do tempo

O som e o sentido dessas reações funcionam como termômetro do zeitgest, o espírito do tempo. Enquanto a investigação dos crimes da ditadura e a punição aos violadores de direitos avançam em países como a Argentina, há no Brasil uma claque sempre disposta a negar a tortura, elogiar a repressão, difamar os movimentos de resistência, transformar ditadura em “ditabranda” e, sinal dos tempos, ajudar a desmontar as instituições dedicadas a lutar por justiça e reparação.

Leia também:  Implosão do PSL protagonizada por Bolsonaro faz com que siglas expressivas se afastem

O que parece especialmente surpreendente — ou angustiante — é notar que essa claque, mais de meio século após o AI-5 e trinta anos depois da promulgação da Constituição Federal, tem sido amplamente endossada por intelectuais, formadores de opinião e influenciadores digitais — que não hesitam em fechar os olhos para a verdade factual e passar pano para agressões e atitudes criminosas disfarçadas de declarações polêmicas ou destemperadas. Documentos oficiais não apresentam uma “versão” da história, tampouco um boato reproduzido por Bolsonaro pode ser chamado de “versão”.

Quando um presidente da República mente, é fundamental afirmar que ele mentiu. Quando uma declaração é mentirosa ou criminosa, é importante não a noticiar como uma declaração “polêmica” ou “controversa”. O nome correto da mentira é… mentira.

A naturalização da mentira e do fake-revisionismo praticado por Bolsonaro é irmão siamês da naturalização do mal. Acostumar-se com ela é um atentado não apenas contra a democracia ou contra a história, mas contra a humanidade.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Precisas e de certa forma aterrorizadoras palavras, pelo rumo que se toma. Me parece na raiz dessa discussão está um princípio básico que devemos explicar e combater a exaustão: Relativismo Moral. A verdade, mesmo que as vezes seja dificil de atingir, ou mesmo inatingivel em relacao a alguns temas, deve sempre ser perseguida para alinharmos nossa percepção com a realidade, fatos, a verdade. Pois o que nos chega da realidade, precisa ou imprecisa, é o fundamento para o conhecimento que adquirimos, de onde formamos nosso entendimento, que fundamentam nossas ações, ações que no coletivo, co-criam nossa realidade com o ciclo de conhecimento-entendimento-ação por que passam as outras pessoas. A verdade importa, e muito. Iniciemos imediatamente a nos policiar por profanar o significado da palavra, tanto se escuta “a minha verdade e a sua verdade”. A definição da palavra verdade denota um “fato”, algo que ocorre no presente ou ocorreu no passado, sendo assim pode existir minha e sua percepção da verdade, mas a verdade existe de maneira objetiva alheia a nossa percepção. Em que exista a verdade como premissa, podemos observar também de maneira objetiva que certos comportamentos sociais geram mais liberdade e outros mais caos, necessidade de autoridade e perda de liberdade. A esses comportamentos que geram mais liberdade chamamos de “DIREITO”, o que é direito e moral fazer. O resto é Errado ou imoral. Errado é roubar, assaltar, estuprar, coagir, invadir a privacidade ou assassinar. Direito é tudo que não é errado. Destruir a idéia que uma verdade objetiva existe, ou seja, que ser terraplanista é tão “razoavel” quanto não se-lo, é ensinar que moralidade igualmente não pode existir. O relativismo moral está na raiz da nossa prisão e sofrimento auto-infligido. Quando como um coletivo entendemos só esse princípio básico, atemporal e universal, e combater o relativismo moral, veremos que por trás de ideias artificialmente complexas existem verdades simples.

  2. Quando o presidente da República mente sobre os acontecimentos tenebrosos da ditadura, ficamos com a certeza de que ele foi eleito para romper todas as barragens de contenção das atrocidades daquela época

    mas assustador mesmo é ver um rejeito militar se transformar em sua melhor peça de propaganda

  3. Que pena que não tenhamos meios e muitos de nós nem coragem para fazer isto, mas que o boçal e seus filhos precisariam passar por umas sessões de tortura pra valer, ah…se precisariam. Por exemplo, colocar um num freezzer trancado com correntes e cadeado e deixar morrer ali dentro, congelado vivo….outro, ser fatiado como mortadela, começando pela sola do pé, claro……..outro, ser cozido em tacho gigante, com pouco óleo……e outro, ser arrastado, pelado, amarrados os punhos numa corrente presa à traseira de caminhão a 40km por hora em estrada de asfalto ruim……enquanto o maldito conseguisse correr atras do caminhão, sorte dele mas quando caísse, que fosse arrastado até se esfarelar em milhares de pedaços raspando no asfalto…….É uma pena que não se consiga esse tipo de tortura para estrumes como esses e outros também que mereceriam o mesmo fim…….então, só nos resta o consolo de desejar que câncer ou daquelas doenças que vão matando lentamente e muuuuuuuiiiiito dolorosamentre os alcance e os mande conhecer o capeta mais cedo………pois é só isso que merecem esses monstros…..nenhum direito a eles, nenhuma piedade a eles…..quem sabe esse dia chegue……TEMOS SIM TODO O DIREITO DE ODIÁ-LOS E DESEJAR-LHES O PIOR FIM QUE QUALQUER VERME MEREÇA……E OS IMBECIS QUE VOTTARAM NESSA CORJA TAMBÉM MERECEM O MESMO FIM. MALDITOS.

  4. Há um grande engano de todos.
    Na realidade a terra não é redonda e nem plana, é um buraco.
    Um buraco sem fundo, e nós do Brasil estamos sentindo isso mais do que ninguém.
    Eu não reivindicarei a autoria do Buraquismo, mas é uma realidade.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome