A violência do Estado nas veias abertas do Brasil, por João Marcos Buch

A Lei Anticrime, esse documento atécnico, despido de fundamento científico e ineficaz ao resultado que se propõe, concede à polícia uma verdadeira licença para matar

Arte: Daniel Caseiro

do Justificando

A violência do Estado nas veias abertas do Brasil

por João Marcos Buch

No Brasil e em boa parte do mundo, como resultado de anos de gotejamento lento de raiva e intolerância, por meio de mensagens subliminares ou explícitas em redes comandadas por algoritmos, o terreno se tornou fértil para o populismo e o medo se fez aumentar, favorecendo regras contrárias às garantias fundamentais.

Nesse terreno arenoso, as populações econômica e socialmente vulneráveis enfrentam confrontos entre as forças públicas de segurança, grupos paralelos que desenvolvem especialmente o comércio ilícito de drogas e milícias. Ninguém é poupado! E a principal vítima é a vida humana.

Já a classe média, cega perante o abismo social que impera no país, fecha-se em copas para em seguida demandar ilusória proteção de suas propriedades. Os mais abastados, esquecendo-se convenientemente de que seu ouro provém em boa parte da exploração histórica da mão de obra em uma nação escravocrata e de alarmante concentração de riqueza, fazem as malas e mudam-se para Miami.

Incapaz de compreender que esse fenômeno mais dia menos dia atingirá a todos de forma cada vez mais violenta, o estado brasileiro continua a seguir as políticas neoliberais dos EUA, agora com o atual Presidente batendo continência ao Tio Sam. Conforme bem lembra Luïc Wacquant (Prisões da Miséria), abandonam-se os valores culturais, esquecem-se dos expertos e criam-se medos e tragédias sociais. O objetivo como se sabe é fortalecer o estado policial para então reduzir os direitos humanos e os paradigmas constitucionais a meros obstáculos ao enfrentamento do crime.

Neste ano de 2019, projetos penais de emergência ganharam fôlego, alimentando um Código Penal vetusto e que em sua parte especial continua ideologicamente comprometido com o capital. Dizendo-se movido pela comoção popular e para isso deslegitimando instituições seculares, num terrível retrocesso que muito se aproxima da teoria de Carl Schmitt, jusfilósofo do nazismo, o governo federal centra suas atenções em políticas repressivas para lá de inconstitucionais.

Apenas para ficar num exemplo, depois de promover um decreto presidencial para a flexibilização da posse de armas de fogo em detrimento das forças policiais, o ex-juiz e hoje ocupante do cargo político de Ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro apresentou à nação um projeto intitulado de “anticrime”, que de anticrime nada tem e que não sobrevive a uma análise acadêmica do primeiro ano do curso de direito.

Leia também:  A aliança entre ambientalismo e alta finança: o encontro em Jackson Hole, por Paul Gallagher

Esse documento atécnico, despido de fundamento científico e ineficaz ao resultado que se propõe, entre inúmeras temeridades, concede uma verdadeira licença para matar, a partir da invenção de uma nova espécie de legitima defesa, a legítima defesa vidente, intuitiva, premonitória.

Nessa modalidade desejada por Moro, o policial que em risco iminente de conflito armado prevenir injusta e iminente agressão a direito seu ou de outrem, estará agindo sob o amparo da legítima defesa, agora na modalidade vidente, intuitiva, premonitória. A premonição está no “risco iminente” e no “prevenir” e é dessas expressões que a licença para matar virá.

Ou seja, a tinta do discurso que fundamenta o projeto “anticrime” é extraída das veias abertas da periferia. Quando o policial visualizar uma pessoa portando uma arma, especialmente numa favela, pois o foco do projeto é seletivamente a favela, independentemente do sujeito estar apontando a arma contra alguém ou tiver intenção de cometer algum ato violento, esse policial, esse sniper abaterá aquela pessoa e para tanto se utilizará da legítima defesa vidente, intuitiva, premonitória. E será um salve-se quem puder, ou melhor, já está sendo, considerando as notícias que chegam do Rio de Janeiro e de outras capitais e estados.

Nesse ciclo, os fundamentos racionais e científicos da civilidade e os valores éticos da sociedade estão sendo envenenados. Sobretudo dentro do sistema de justiça criminal, a ciência da criminologia, seja a tradicional ou a crítica, que por décadas e até séculos tem demonstrado que a função da pena não serve para o que oficialmente se propõe – a prevenção -, é invisibilizada.

Estamos vivendo sob a égide de um direito penal ideologicamente comprometido com a segregação e opressão das camadas mais pobres, destinado a sedimentar o poder de uma elite branca e a encarcerar massivamente jovens de 18 a 28 anos de idade, pretos e pardos.

Leia também:  ‘Legalidade’ traz história que pedia para ser contada, por Wagner de Alcântara Aragão

Atualmente, pelos números do Conselho Nacional de Justiça (geopresídios,) são mais de 700.000 (há quem diga mais de 800.000) presos no Brasil. Em números absolutos, possuímos a terceira maior população carcerária mundial, ficando atrás dos EUA e China. Há pouco mais de uma década essa população era a metade disso.

Assim, a seguir essa linha de direito penal máximo, ultrapassaremos num par de anos a marca de um milhão de presos. Mas não para por aí. O fato é que não há vagas para todo esse contingente. O estado não investiu e não investirá o suficiente em prisões, por uma questão puramente de custos, de economia.

Por todas as unidades prisionais, ressalvadas raras exceções, detentos vivem sem colchão para dormir, sem kit-higiene, sem trabalho, sem estudo, sem acesso à saúde, coisificados nesses navios negreiros do século 21.

Por outro lado, a ausência do estado dentro das prisões, além de por si só causar o horror, tem feito nascer e crescer nos corredores do sistema facções e organizações para-legais. Quando preso, é preciso sobreviver, para tanto é preciso se aliar, mesmo que para lutar contra o estado, de forma mais violenta.

Ou seja, o sistema penitenciário brasileiro está falido, as chibatadas do senhor feitor não cessam, os calabouços coletivos continuam lá a lembrar que neste país nem todos os seres humanos são tratados como seres humanos. E o governo brasileiro, capitaneado pelo ministro da justiça, no lugar de enfrentar essa tragédia, lança mão de projetos populistas, insuflando todo esse estado de coisas inconstitucional.

Há lugares onde o salto ético já foi dado, onde o modelo neoliberal não foi aplicado, ao menos não com tanto empenho como no Brasil – veja-se a Alemanha, Holanda, Noruega, Islândia, entre outros. Nesses países, a violência tem sido reduzida e as prisões têm sido fechadas. Por lá o encarceramento não é colocado como primeira e única resposta do estado aos que estão na margem. Por aqui precisamos olhar esses exemplos e tomar essas lições.

Leia também:  Cadê a autocrítica dos fariseus arrependidos?, por Francisco Celso Calmon

Ultrapassamos o limite da ilicitude tolerada, a linha do mínimo existencial foi rompida e já é mais do que tempo de superar a violência e enfrentar essa odiosa cultura do direito penal máximo e do superencarceramento.

Talvez um caminho viável esteja nas políticas das alternativas penais, desde que haja humildade e boa-fé do governo, algo que parece impossível nestes tempos sombrios, além do pressuposto básico de respeito à Constituição e da distribuição de renda com oferta de oportunidades iguais a todos.

Através de penas restritivas de direitos e medidas alternativas à prisão, estas fortalecidas pelas audiências de custódia, o superencarceramento tem chances de diminuir. E reduzindo o encarceramento, deixando o direito penal no seu devido lugar, como a última hipótese, o estado conseguirá cuidar conforme a Constituição e os direitos humanos daqueles que, superadas todas as alternativas, depois do devido processo legal, são condenados com trânsito em julgado pela prática de um delito e têm a privação da liberdade imposta.

O criminologista norueguês Nils Christie já afirmou que a tristeza é inevitável, mas não o inferno criado pelo homem (Limites a dor: O Papel da Punição na Política Criminal). Enquanto o estado brasileiro continuar a violar os direitos humanos, a ignorar a Constituição e especialmente o fundamento da dignidade da pessoa humana (art.1º, III, da CF), a dor das prisões permanecerá ferindo o tecido da nação.

É preciso, com a espinha ereta e a cabeça erguida, defender a Constituição, pois ela ainda é o pilar da nossa democracia. Juízes, promotores, autoridades públicas, o ministro da justiça e seu presidente, todos no futuro serão julgados. O flagelo da violência, do extermínio da juventude negra e o holocausto das prisões brasileiras pesarão em nossos ombros. Porque essa dor, essas violações, são sobre nós, sobre o que somos e sobre o que deixaremos para nossos filhos.

João Marcos Buch é juiz de direto da vara de execuções penais da Comarca de Joinville/SC e membro da AJD

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. O simples sentimento da população de que os criminosos não terão vida fácil já fez o índice de homicídios cair 10% em 2018.

    É muito fácil se falar que a policia brasileira é a que mais mata, sem se falar que os bandidos brasileiros também são os que mais matam.

    Infelizmente a guerra ao crime vai criar vítimas inocentes. Mas em números muitissimamente inferiores aos assassinatos cometidos pelos criminosos.

    A simples mudança de mentalidade e a certeza nos criminosos que a vida fácil estava em vias de acabar já fez a criminalidade cair em 10% no ano passado.

    Mais de 6 mil vidas foram poupadas somente no ano passado. Quantas mais serão poupadas nesse ano?

  2. ”Esse documento atécnico, despido de fundamento científico e ineficaz ao resultado que se propõe, entre inúmeras temeridades, concede uma verdadeira licença para matar, a partir da invenção de uma nova espécie de legitima defesa, a legítima defesa vidente, intuitiva, premonitória.”

    Reafirmo que meu pensamento avalia esse documento como uma forma de lavar crimes recentemente praticados e garantir a lavagem de futuras ilegalidades que, de alguma forma, possam comprometer os reais objetivos e intenções que tornaram necessário a criação deste documento/álibi que, cá pra nós, está mais para uma espécie de fake news, que para uma lei anticrime. Um dado bastante interessante e de difícil compreensão é a passividade geral da justiça e do público, com a grande contradição de campanha do governo eleito, em relação ao disfarçado delito do toma lá da cá e principalmente com a prática explicita entre as partes envolvidas, no desempenho e exercício do ato corruptor e corrompido. Afinal, não existe outra explicação que mais se aproxime desse indecoroso e criminoso acordo, que imagino estar embutido no outro acordo que tenta manter o Coaf no ministério da justiça. Então, em nome dessa criminosa troca votos, por pagamentos em forma de cargo, as partes envolvidas constroem essa farsa tão medonha, que exige a criação de dois ministérios para se conseguir um resultado de interesse seletivo, parcial e que só beneficia um pequeno grupo interessado em sua aprovação.

  3. Quero parabenizar o Juiz João Marcos Buch pelo excelente artigo.
    Oxalá a maior parte da magistratura brasileira tivesse a mesma sensibilidade e o sentido humanista que o texto revela.
    Assistimos estarrecidos a matança indiscriminada de pobres, pardos e pretos produzida por agentes do Estado brasileiro. Milicianos, policiais, governadores como o do Rio de Janeiro demonstram com suas ações que vivemos num Estado de barbárie. Como bem escreveu o Juiz Buch, os presídios são atuais navios negreiros, os “tumbeiros”, do passado. Ou talvez, novos tipos de campos de concentração nos quais a humanidade é vilipendiada dia a dia.
    Para grande parcela da população, sobretudo a classe média, esse é o caminho “certo”. Encarcerar, “abater”, reprimir os pobres a todo custo. Quanto tempo será necessário para mudarmos essa realidade?
    Nélson Viana dos Santos

  4. Penas alternativas são para delitos pouco graves. A grande maioria da população carcerária brasileira é culpada de crimes graves, para os quais nenhuma legislação prevê penas alternativas.

    E de resto, a mesma patacoada de que a justiça está a serviço do capitalismo para oprimir a população negra e parda das periferias. Como se não fossem eles que cometessem a maioria dos crimes. E como se não fossem também negros e pardos a maioria das vítimas dos criminosos negros e pardos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome