Adereço Neoliberal, por Jean Pierre Chauvin

Adereço Neoliberal, por Jean Pierre Chauvin

*Receita para ampliar e seduzir a sua carteira de clientes:

1) Contrate, sem registro em carteira, jovens que sugiram diversidade;

2) Tinja o adereço (por exemplo, a pulseira de crédito) de laranja;

3) Atrele o sorriso dos figurantes ao fato de todos consumirem algo;

4) Ressalte o fato de que as personagens têm urgência em gastar;

5) Acrescente a música “That’s Good” do Devo.

[*confira as imagens da peça publicitária abaixo]

O que o comercial do Banco não mostra:

1) Os jovens que figuram na vinheta sequer teriam condições de consumir os produtos, graças ao reduzido cachê;

2) A pulseira laranja será um item kitsch, ideal para quem — além de consumir –, ostenta sua capacidade de endividamento a prazo;

3) O tempo de duração do sorriso, nos figurantes, será de alguns segundos (o que explica os contantes cortes do vídeo, na edição do comercial);

4) A possibilidade de consumir de imediato implica a anulação de toda forma de mediação ou ponderação;

5) A banda Devo notabilizou-se por compor músicas que questionavam a “evolução” (daí, De-Volution) e o comportamento dos cidadãos de seu país (EUA). A letra de “That’s good” sugere  tema bem diferente, sem qualquer relação com o consumo de produtos a serem escoados pela indústria, mediante o constante endividamento dos mesmos clientes.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Atualmente não há nada pior

    Atualmente não há nada pior que propaganda de banco. O Itaú se transformou em um grande campeão dos movimentos identitários. No Itaú Cultural rolou, tempos atrás, uma exposição do Abdias do Nascimento, chamada Ocupação Abdias do Nascimento. Isso tudo é uma grande mentira.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome