Além da família tradicional, por Peter Singer e Agata Sagan

Se realmente nos preocupamos com a "fraternidade humana", então devemos colocar mais ênfase na construção de relacionamentos ao redor do mundo

Foto Google News

no Project Syndicate

Além da família tradicional

por Peter Singer e Agata Sagan

Tradução de Caiubi Miranda

MELBOURNE / VARSÓVIA – No mês passado, o Papa Francisco viajou para Abu Dhabi, onde se encontrou com Ahmed el-Tayeb, o grande Islam de Al-Azhar. A Universidade de Al-Azhar é a principal instituição sunita para o estudo do direito Islâmico. Os dois líderes religiosos assinaram um “documento sobre a fraternidade humana para a paz mundial e convivência comum” e instou os signatários e líderes mundiais a espalhar a tolerância, a paz e um fim à “decadência moral e que o mundo está vivendo atualmente”.

Um aspecto deste alegado declínio moral e cultural tem a ver com a família: “Atacar a instituição familiar, desprezando ou duvidando da importância do seu papel”, declarou o Papa e o grande Islã “é um dos males mais perigosos nosso tempo”. O documento assegura que a família é o “núcleo fundamental da sociedade e da humanidade” e “é essencial gerar filhos, criá-los, educá-los e oferecer-lhes uma sólida proteção moral e familiar”.

Sua ansiedade é compreensível: em muitos países hoje em dia, a família tradicional que consiste em um casal heterossexual com filhos está se tornando menos dominante. Agora, isso é realmente ruim?

As Nações Unidas preveem que a população mundial superará 11 bilhões de pessoas até o final do século. O crescimento mais rápido ocorrerá em alguns dos países mais pobres do mundo. Nestas circunstâncias, se algumas pessoas escolherem não trazer crianças ao mundo, elas não devem ser menosprezadas.

A proporção de pessoas legalmente casadas está caindo em algumas regiões, por diversos motivos. Enquanto o estigma outrora ligado a “viver em pecado” desaparece, muitos casais veem poucos motivos para se casarem, tenham filhos ou não. Em alguns países, as dificuldades legais e os custos associados ao divórcio são um impedimento para o casamento.

Esses casais, é claro, podem formar famílias tão fortes quanto aquelas formadas por casais que passaram por uma cerimônia de casamento legal. Da mesma forma, famílias “reunidas” ou “reconstituídas” que reúnem crianças de relacionamentos anteriores podem oferecer tudo que uma família tradicional oferece. Em muitos países, os casais do mesmo sexo podem agora se casar e formar famílias, embora tanto Francisco quanto el-Tayeb se oponham a essas famílias e, presumivelmente, não consideram que elas oferecem a seus filhos “sólida formação moral”. A tendência entre as mulheres solteiras a ter filhos, muitas vezes usando inseminação artificial ou fertilização in vitro, sem dúvida também perturba os adeptos da família tradicional.

No entanto, talvez a mudança mais importante seja o crescente número de pessoas que escolhem não se casar. Nos Estados Unidos, 45% dos adultos são divorciados, viúvos ou nunca casados. Em alguns lugares, como em Nova York, a maioria das pessoas é solteira.

Ao contrário do estereótipo de que as pessoas solteiras são solitárias e infelizes, pesquisas mostram que pessoas solteiras, na verdade, têm uma rede mais ampla de amigos e conhecidos do que pessoas casadas. Os solteiros fazem mais pela comunidade e pelos outros, e são mais propensos a ajudar seus pais, irmãos ou vizinhos do que os casados.

Isso não deveria ser surpreendente, na verdade. Casais casados provavelmente colocam seu cônjuge em primeiro lugar, pelo menos até que tenham filhos, e então as crianças geralmente se tornam a prioridade. A tendência para lidar com si um círculo maior da família é, digamos, eticamente preferível, especialmente nas sociedades ricas, onde outros membros da família são, provavelmente, muito melhor do que a maioria distante conhecido em países de baixa renda. Tanto a Bíblia quanto o Alcorão reconhecem essa visão mais universal como eticamente superior.

Não estamos negando que há grande valor em dividir a sociedade em pequenas unidades nas quais os adultos têm uma responsabilidade específica pelas crianças que moram com eles. Isso está em harmonia com nossos sentimentos instintivos evoluídos, que também podemos observar em outros mamíferos sociais. Acordos alternativos, como a criação coletiva de crianças em um kibutz israelense, não tiveram sucesso, embora experimentos informais de co-paternalismo, nos quais grupos de adultos criam os filhos de alguns deles juntos, pareçam se espalhar.

Uma família que funciona bem oferece um ambiente mais afetuoso e estável para as crianças do que qualquer outro modelo projetado até agora, mas isso não significa que deva ser baseado em um casamento tradicional. De fato, apesar do aparente acordo do papa e do grande Islã sobre a importância da família, as tradições cristã e muçulmana têm diferentes concepções do que é uma família – os muçulmanos permitem que os homens tenham mais de uma esposa. Se, apesar dessas diferenças, Francisco e el-Tayeb estão dispostos a aceitar o apoio mútuo da “família”, eles também devem ser capazes de aceitar outros modelos, desde que não haja provas sólidas de que sejam prejudiciais para os envolvidos, crianças

É curioso que um “Documento sobre a fraternidade humana para a paz mundial e a convivência comum” assegure que duvidar da importância da família é um dos males mais perigosos do nosso tempo. De uma perspectiva global, é inútil nos limitarmos a essas pequenas unidades. O turismo e a Internet estão possibilitando novas amizades além do lar e além das fronteiras de nossos países. Se realmente nos preocupamos com a “fraternidade humana”, então devemos colocar mais ênfase na construção de relacionamentos ao redor do mundo, ao invés de condenar aqueles que veem a família tradicional como excessivamente restritiva.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora