Além de palavras, por Craig Murray

Julian Assange está atualmente muito doente para preparar sua defesa

Enviado por Alfeu

Além de palavras, por Craig Murray

Ontem, Mark Sommers,  o segundo advogado, extremamente erudito e estudioso, de Julian Assange em sua audiência de extradição, tremeu de raiva no tribunal. A magistrada Vanessa Baraitser acabara de decidir que os nomes da companheira e dos filhos pequenos de Julian Assange poderiam ser publicados, no qual ela afirmou ser do interesse da “justiça aberta”. Sua companheira havia enviado uma carta em apoio ao seu pedido de fiança relacionado ao Covid-19 (que Baraitser já havia recusado sumariamente) para declarar que ele tinha uma família para morar em Londres. Baraitser disse que, portanto, é do interesse da “justiça aberta” que os nomes da família sejam divulgados, e disse que a defesa não havia demonstrado de forma convincente que isso causaria qualquer ameaça à sua segurança ou ao bem-estar. Foi nesse momento que Sommers mal conseguiu se controlar. Ele ficou de pé e interpôs um recurso à Alta Corte, pedindo uma suspensão de 14 dias. Baraitser concedeu quatro dias, até as 16h da sexta-feira.

Estou confinado em Edimburgo, mas recebi três relatórios separadamente de testemunhas oculares . Eles são unânimes em que mais uma vez Baraitser entrou no tribunal com sentenças pré-escritas antes de ouvir as alegações orais; julgamentos pré-escritos que ela não pareceu alterar.

Houve duas mortes de Covid-19 na prisão de Belmarsh até agora. Por razões óbvias, a doença se espalha pela prisão como um incêndio. O Departamento de Justiça está admitindo uma morte e se recusa a fornecer as estatísticas para o número de casos. Como até prisioneiros muito doentes não estão sendo testados, os números, de qualquer forma, provavelmente não significariam muito. Enquanto o tribunal examinava o pedido de fiança, mais de 150 funcionários da prisão de Belmarsh estão sem trabalho, se isolando e a prisão funcionando precariamente. É a definição mais completa de confinamento.

A Associação dos Diretores Prisionais (PGA) submeteu ao Comitê de Justiça da Câmara dos Comuns (que ontem de manhã considerou a libertação de prisioneiros em sessão fechada) que 15.000 prisioneiros não violentos precisam ser libertados para dar às prisões alguma oportunidade de gerenciar o COVID-19. O Departamento de Justiça sugeriu a liberação de 4.000 dos quais apenas 2.000 foram identificados. Há alguns dias, apenas cerca de 100 haviam sido libertados.

As prisões estão agora praticando “coorte” em todo o estado, embora as decisões sejam de responsabilidade de cada diretor. Prisioneiros que têm tosse – qualquer tosse – estão sendo reunidos em blocos segregados. As conseqüências disso são obviamente impensáveis. Julian tem uma tosse e uma condição pulmonar crônica para a qual ele é tratado há anos – um fato que não está em questão.

Ontem Baraitser novamente seguiu seu caminho habitual de recusar todos os movimentos de defesa, seguindo decisões pré-escritas (escritas ou meramente copiadas por ela mesma, não sei), mesmo quando a promotoria não se opôs. Você deve se lembrar que, na primeira semana de audiência de extradição, ela insistiu que Julian fosse mantido em uma gaiola de vidro, embora o advogado do governo dos EUA não fizesse objeção à sua presença na sessão do tribunal; e ela se recusou de intervir para impedir de  revistá-lo, algemá-lo e remover seus documentos judiciais, apesar do governo dos EUA ter se juntado à defesa ao questionar sua alegação de que ela não tinha poder para fazer isso (pelo qual foi mais tarde repreendida pela International Bar Association).

Ontem, o governo dos EUA não se opôs a uma moção de defesa para adiar a retomada da audiência de extradição. A defesa invoca quatro fundamentos:

1) Julian está atualmente muito doente para preparar sua defesa

2) Devido ao confinamento do Covid-19, o acesso a seus advogados é praticamente impossível

3) Testemunhas de defesa vitais, inclusive do exterior, não poderiam estar presentes para testemunhar

4) O tratamento para as condições de saúde mental de Julian foi interrompido devido à situação do Covid-19.

Baraitser negou provimento a todos esses motivos – apesar de James Lewis dizer que a acusação foi neutra no adiamento – e insistiu que a data de 18 de maio permaneça. Ela afirmou que ele poderia ser levado às celas no Tribunal de Magistrados de Westminster para consultas com seus advogados. (Em primeiro lugar, na prática esse não é o caso e, em segundo lugar, essas celas têm um número constante de presos, o que é obviamente muito indesejável com o Covid19).

Vale ressaltar que a promotoria afirmou que o próprio psiquiatra do governo dos EUA, nomeado para fazer uma avaliação de Julian, não pôde acessá-lo em Belmarsh devido às restrições do Covid 19.

Isso está indo além de mim, além de Mark Sommers e da equipe de defesa. Mesmo antes do Covid 19 se tornar uma ameaça, afirmei que havia sido forçado a concluir que o governo britânico está buscando a morte de Assange na prisão. A evidência para isso agora é esmagadora.

Aqui estão três medidas de hipocrisia.

Em primeiro lugar, o Reino Unido insiste em manter esse prisioneiro político – acusado de nada além de publicar – em uma prisão de segurança máxima infestada de Covid 19, enquanto o governo iraniano ridicularizado deixa Nazanin Zaghari-Ratcliffe sair e com esperança, a libertará.

Qual é o regime desumano?

Em segundo lugar, a “justiça aberta” justifica a liberação das identidades da companheira e dos filhos de Julian, enquanto o estado impõe o sigilo dos acusados ​​de Alex Salmond, mesmo que o tribunal tenha ouvido evidências de que eles conspiraram especificamente para destruí-lo usando, como uma ferramenta deliberada , o anonimato concedido às pessoas que fazem acusações sexuais.

Terceiro, ninguém cultiva seu próprio anonimato mais do que Vanessa Baraitser, que tem sua existência cuidadosamente removida da Internet quase inteiramente. No entanto, ela procura destruir a paz e as vidas da jovem família de Julian.

Continuem lutando pela vida de Julian e pela liberdade.

Pieter Evert me enviou esse cartum muito bom, pelo qual sou muito agradecido.

https://www.craigmurray.org.uk/archives/2020/04/beyond-words/

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora