Bolsonaro mira o ‘Juízo Final’, por Ricardo Cappelli

Ele sabe que a demissão de Mandetta neste momento pode lhe trazer algum desgaste. Para evitar o ônus, vai desautorizando publicamente o ministro esperando sua demissão. 

Bolsonaro mira o ‘Juízo Final’

por Ricardo Cappelli

A “voltinha” do Capitão neste domingo por Brasília foi uma demonstração clara de que ele vai às últimas conseqüências com a sua estratégia.
É pouco provável que o presidente não tenha consciência dos riscos e de todas as variáveis. Parece estar se valendo da velha máxima: quem quer a paz deve se preparar para a guerra. Se ela não vier, melhor.
Ele sabe que a demissão de Mandetta neste momento pode lhe trazer algum desgaste. Para evitar o ônus, vai desautorizando publicamente o ministro esperando sua demissão.
Outra hipótese que deve ser considerada é a possibilidade de duas táticas. Mandetta tenta minorar os efeitos da pandemia enquanto o presidente pinta sua base para a batalha. Contraditório? Talvez não.
É improvável que Bolsonaro seja um gênio que vai acertar sozinho na loteria na contramão de todos os líderes mundiais.
Por que a cloroquina, testada supostamente com sucesso por médicos franceses, não foi usada na Itália? Por que nenhum país do mundo adotou a linha do isolamento vertical?
Seria então o Capitão uma besta quadrada? Pouco provável também. O tal remédio é o “sutiã” que ajuda a sustentar o falso discurso de defesa da economia.
Seu objetivo não é a saúde ou a economia. Ele busca o poder.
O presidente conseguiu sair do canto do ringue ao abraçar a bandeira de defensor dos empregos. Perdeu divisões pelo caminho, tudo indica que continua sangrando, mas não há dúvida que reagrupou e reorganizou seu exército para o momento decisivo.
Todos os estudiosos indicam que caminhamos para um desastre humanitário. Em Nova York, em apenas 48 horas morreram mais pessoas que em todos os homicídios ocorridos em 2019. O vírus fez o “indobrável” Trump ficar de joelhos para Lord Keynes.
As mortes na Itália estão mais concentradas no norte rico. Os distúrbios sociais causados pela carestia ocorrem principalmente no sul mais pobre.
O cenário mais provável, infelizmente, são cadáveres em profusão no sudeste e no sul e a elevação da tensão social nas regiões mais pobres do país. Caminhões do exército carregando corpos pela Avenida Paulista e saques nas periferias. Que tal?
O Capitão é produto do caos, a instabilidade permanente é seu habitat natural. Ele conta com boa parte da tropa nas forças armadas, exerce forte influência sobre as policias estaduais e possui um exército virtual invejável.  Tudo indica que sua atuação nas redes é coisa de profissionais, organizada e dirigida do exterior.
O Brasil não parece preparado para se despedir de seus familiares pelo celular. Se o pior acontecer, será inevitável a radicalização do ambiente político. Um desfecho, para um lado ou para o outro, acontecerá. Quem serão os culpados? Como reorganizar o país diante do caos? Os governadores sabotam a nação dividindo o país?
Bolsonaro já está preparando seu exército para esta disputa. Tem alguém na sala de operações do Comando Maior da Oposição Democrática? Existe este Comando?
Uma dica: na democracia, cadáveres costumam enterrar carreiras políticas. Só na democracia.
 Não se iluda, o Capitão está se pintando para a guerra do “Juízo Final”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Estado paralelo, por Jorge Alexandre Neves

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome