Cólera-morbo, coronavírus e governo mórbido, por Lúcio Verçoza

Conforme argutamente apontou Luiz Sávio de Almeida, toda a impressionante força desorganizadora do cólera, nem de longe, conseguiu arranhar a conformação do mando da época.

Cólera-morbo, coronavírus e governo mórbido

por Lúcio Verçoza[1]

O vibrião era andejo. Corria a notícia de que o cólera já havia se espalhado pela Europa. Para impedir a entrada do mal que vagava pelo mundo, os países do outro lado do Atlântico reforçavam o controle dos portos. Mas o vibrião não tinha rosto, ele poderia entrar escondido no corpo de qualquer passageiro de navio ou até mesmo camuflado em um vaso de flores. O livro sobre As flores do mal ainda não existia, só seria publicado dois anos depois e logo em seguida estaria na lista de censurados. No entanto, ninguém precisava ler a poesia moderna de Baudelaire para desconfiar das flores ou do vento. Naquele tempo, tão distante e tão próximo, o medo falava por si. O miasma do cólera podia estar em qualquer lugar.

Foi pelo porto do Pará que o cólera entrou. A embarcação, que partiu de Portugal com 322 passageiros, aportou no Brasil com 36 mortos. Rapidamente o vibrião errante desceu do navio e se espalhou pela cidade de Belém. As mortes começaram em questão de poucos dias. De Belém, o vibrião embarcou no vapor Imperatriz e desceu no cais do porto da Bahia. Na Bahia, a marcha do cólera-morbo foi de cidade em cidade até cruzar a fronteira de Sergipe. Os jornais noticiavam os passos fúnebres da doença em direção ao rio São Francisco. Diariamente era publicado o número de mortes que crescia de povoado em povoado, de légua em légua. Na outra margem do rio, os viventes das Alagoas o aguardavam. O cólera era o senhor do tempo, e as pessoas se amortalhavam antes mesmo da sua chegada.

Antecipando-se ao maligno vibrião do cólera-morbo, o poder público da província agiu rapidamente. Dentre as primeiras providências tomadas pelas autoridades, estava a de abrir covas e ampliar os cemitérios. A população observava o “local das covas sendo abertos, numa espera do que se viveria”[2]. O primeiro caso confirmado em Alagoas foi o de um operário da indústria vegetal na cidade de Penedo, situada na margem do São Francisco. Os prefeitos das cidades vizinhas se apressaram ainda mais na conclusão da ampliação dos cemitérios. Após a confirmação do primeiro caso, o governo da província tentou isolar o cólera pelos lados do rio São Francisco. Foi traçada uma linha imaginária que proibia a circulação de pessoas em determinada altura da região de Coruripe. Todavia, o cólera não respeitava limites imaginários e, rapidamente, a epidemia se espalhou pelo restante de Alagoas.

Somente em Penedo, que tinha uma população de aproximadamente 15.000 pessoas, estima-se que ocorreram cerca de 1.300 mortes. Os sinos pararam de dobrar, pois eram muitas mortes para poucos sinos. E mesmo assim, se insistissem em dobrar, o som quase ininterrupto dos badalos não deixaria a cidade dormir. Os velórios foram interrompidos, porque o vibrião continuava vivo nos corpos dos mortos. As covas tinham que ser profundas, de oito a nove palmos, para o cólera ser enterrado em local distante. O ritual das covas fundas consistia em enterrar o mal de um modo que ele nunca mais voltasse. Soldados eram requisitados para o transporte dos corpos em quantidade. A morte, antes vista como algo individual, assumia uma dimensão coletiva. Fermina Daza ainda não existia. Gabriel García Márquez ainda não havia nascido. Essa travessia do cólera pelas águas do rio São Francisco se deu nos fins de 1855.

Leia também:  Covid-19: A Atenção Básica pode fazer muito, mas tem que jogar no ataque, por Ion de Andrade

O ano seguinte começaria com a morte se espalhando de modo exponencial. A população escrava e de trabalhadores livres era a mais exposta ao cólera, no entanto, ao contrário do que imaginavam alguns senhores, o vibrião não era seletivo. Logo correram as notícias da morte de senhores de engenho, sinhás e crianças da casa-grande. Seus corpos, sem vida, ficavam tão murchos quanto os dos escravos que morriam desidratados no chão das senzalas. A marcha do vibrião não se orientava por cor de pele, posses ou sobrenome.

Na época, Alagoas contava com 22 médicos, 14 acadêmicos, 3 cirurgiões e 4 farmacêuticos. Eles também não estavam imunes ao cólera. Combatiam um inimigo desconhecido munidos de receitas de gotas de cânfora dissolvidas em colheres de sopa com água. Naquele momento a medicina ainda não conhecia a causa do cólera. Somente anos depois seria descoberto que o vibrião estava na água.

O historiador Luiz Sávio de Almeida, em seu magistral estudo sobre Alagoas nos tempos do Cólera[3], afirma que a lembrança do cólera foi sendo apagada em seus contornos, a experiência vivida ao longo do tempo foi perdendo nitidez. Porém, em contrapartida, essa memória foi ficando mais firme na medida em que foi incorporada à cultura. É que, no fundo, “quanto mais a doença interfere no viver coletivo mais estará associada na memória, na recordação, e mais densamente estará na cultura que lhe é pertinente”[4]. É por isso que em Alagoas um rol de doenças ainda fazem parte do vocabulário cotidiano, como “peste bubônica”, “bexiga-lixa”, “gota serena”, “febre do rato” e tantas outras. A expressão “casa da peste” sobrevive como sinônimo de maldição, de lugar em que ninguém quer morar ou visitar. Trata-se de uma forma insólita de permanência do passado, de um passado tão horrendo e traumático que não pode ser completamente apagado.

Leia também:  Coronavírus pode levar 60 milhões à extrema pobreza, diz Banco Mundial

Após o cólera vieram ainda outras epidemias. Graciliano Ramos nasceria décadas depois, no ano de 1892. Em 1915 ele perdeu três irmãos e um sobrinho, vitimados por um surto de peste bubônica. Hoje, é muito provável que alguns de seus descendentes usem “boba da peste” como interjeição e não saibam o porquê.

Para muitos povos indígenas o tempo é circular, como são os ciclos da natureza. Como bem nos lembram as avós e avôs de Julieta Paredes e de Adriana Guzmán: o passado está a nossa frente e o futuro está atrás de nós[5]. Nessa outra perspectiva de temporalidade, a epidemia do cólera de 1855 se entrelaça à pandemia do coronavírus de 2020. A história se repete, dessa vez, ao mesmo tempo como tragédia e como farsa.

Conforme argutamente apontou Luiz Sávio de Almeida, toda a impressionante força desorganizadora do cólera, nem de longe, conseguiu arranhar a conformação do mando da época. Os senhores de escravos e de terras continuaram governando mesmo após a passagem devastadora do cólera-morbo. No entanto, em 2020, existe um novo elemento: não é possível combater os horrores da pandemia sem se contrapor a farsa do neoliberalismo e do estado mínimo. Não é possível lutar contra o avanço do coronavírus sem enfrentar o governo mórbido de Bolsonaro. Até seus ministros já perceberam isso e lhe desobedecem. Como dizem os povos Aymara e Quechua, o passado está a nossa frente. E, ainda que de modo tardio, chegou a hora de vencermos a tragédia e de nos libertarmos da farsa. Não fazer isso é ser aliado da morte.

Leia também:  Governo federal anuncia socorro de R$ 60 bi aos estados, mas pede apoio para congelar salário de servidores

 

[1] Sociólogo e autor do livro Os homens-cangurus dos canaviais alagoanos: um estudo sobre trabalho e saúde (Edufal-Fapesp, 2018).

[2]ALMEIDA, Luiz Sávio de. Alagoas nos tempos do Cólera. 3. Ed. Arapiraca, Eduneal, 2019 (citação da página 34).

[3]ALMEIDA, Luiz Sávio de. Alagoas nos tempos do Cólera. 3. Ed. Arapiraca, Eduneal, 2019.

[4]ALMEIDA, Luiz Sávio de. Alagoas nos tempos do Cólera. 3. Ed. Arapiraca, Eduneal, 2019 (citação da página 87).

[5]PAREDES, Julieta C.; GUZMÁN, Adriana A.. El tejido de la rebeldia. Qué es el feminismo comunitário? Ed. Comunidad Mujeres Creando Comunidad. Moreno Artes Gráficas, La Paz, 2014.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome