Conspiração faz brasileiro ter medo da vacina e não da morte, por Ricardo Mezavila

O governo apresentou Plano de imunização depois de ser intimado pelo Supremo Tribunal Federal, ou seja, foi preciso intervenção da justiça para que um Plano Nacional fosse apresentado.

Sergio Lima - Poder360

Conspiração faz brasileiro ter medo da vacina e não da morte

por Ricardo Mezavila

As teorias conspiratórias de que a vacina contra a Covid-19 estão contaminadas, que causam câncer e tem “HIV dentro”, como disse um pastor do Ministério Canaã em Fortaleza, estão sendo compartilhadas entre membros e não-membros dessas facções criminosas camufladas de religiosas.

O pastor disse que sua tese é baseada em um estudo de um cientista francês, que ele não sabe o nome e nem onde encontrar a nota científica, que afirma que a vacina irá atingir o DNA de quem tomar, causando efeitos irreversíveis. “Graças a Deus que tem um presidente doido aí que tá dizendo que no Brasil não vai ser obrigado a tomar“, afirmou o pastor.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária –ANVISA, tomada pelos militares e explorada politicamente pelo governo, anunciou em nota que: É preciso ainda considerar a potencial influência de questões relacionadas à geopolítica que podem permear as discussões nacionais e eventualmente decisões de autoridades estrangeiras relacionadas à vacina da Covid-19. Há o risco ainda de que países coloquem interesses nacionais em primeiro lugar na garantia de acesso a uma vacina para seus próprios cidadãos, criando potencial de corromper o rigor com que as vacinas candidatas a imunizar contra a Covid-19 são avaliadas para autorização de uso emergencial.”…

Quando a ANVISA se preocupou com questões geopolíticas? Sua finalidade é fiscalizar medicamentos, agrotóxicos, cosméticos, promover a proteção da saúde da população, o controle sanitário da produção e da comercialização de produtos e serviços submetidos à vigilância sanitária, porém o governo militarizado usa todo e qualquer instrumento governamental para politizar e se municiar contra adversários políticos visando as próximas eleições.

O governo apresentou Plano de imunização depois de ser intimado pelo Supremo Tribunal Federal, ou seja, foi preciso intervenção da justiça para que um Plano Nacional fosse apresentado. Porém o Plano não tem data de início e terá que passar por diversas etapas, que se fossem levadas a sério estariam adiantadas.

O governo inepto de Bolsonaro passou seis meses ignorando o processo de importação de seringas da China e o desabastecimento pode adiar uma possível vacinação. Pode acontecer também, como nesse governo nada é definitivo, de amanhã eles rasgarem o Plano justificando que o brasileiro não é cobaia.

O Butantan começou a fabricar a CoronaVac, vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o instituto, que será a primeira vacina contra a Covid-19 produzida no Brasil. O objetivo é produzir 40 das 46 milhões de doses encomendadas pelo governo de São Paulo para que possa dar início ao plano de imunização. As outras 6 milhões de doses serão importadas da China. Pesquisas comprovaram que a vacina é segura.

A real é que, reportagem da Folha de São Paulo diz que hospitais públicos e privados de São Paulo registraram em novembro um aumento de casos e internações por Covid-19 em crianças, em relação a outubro, acendendo um alerta para o impacto da infecção também no público infantil. Nos meses anteriores, não houve variações significantes.

Cega e na corda bamba, de conspiração em conspiração, a população vai enchendo a pança de fake news e não percebe que está fazendo a escolha errada. Não vacinar é se expor à morte, mas parece que a ignorância fez ninho no cérebro dessa gente.

Ricardo Mezavila, cientista político

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora