Cultive gênios: aprenda com os fracassos!, por Eliana Rezende

Por Eliana Rezende

É muito pertinente pensarmos de que forma se “cultivam” genialidades. Ninguém as cria! Mas, uma vez existindo terreno fértil podem frutificar.

A humanidade produziu diversos, em diferentes períodos e espaços, mas o tripé: mistura de pessoas, educação e incentivo a tomada de riscos e fracassos, parece de fato contribuir para que haja saltos qualitativos.

Confesso que gosto muito, e incentivo a tomada de riscos e fracassos. Em geral, profissionais temem o fracasso, e se esquecem de que sobre ele podem edificar uma sólida construção. Não que o erro seja desejável, mas faz parte de um processo que, se bem conduzido, possibilita dividendos.

É importante pensarmos que a educação e a formação devem ter em seu horizonte os fracassos e deles criar novas possibilidades. Tal concepção favorece o cultivo das genialidades – não como algo extraordinário, mas como absolutamente possível e viável.

Talvez a coisa mais importante aqui não seja o sentido de gênio como DNA, mas sim o sentido de educação formal ou corporativa, como meio de cultivo das possibilidades individuais. Em vários casos haverá aqueles que são brilhantes, acima de qualquer média e que farão diferença em qualquer espaço em que estejam. Mas também concordo que haverá uma maioria que estarão nessa linha.

A “mágica” está em, precisamente, pinçar tais individualidades e as fazer render seu máximo. No geral, entram aí uma boa dose de capacidade inerente ao bom agricultor: paciência no cultivo, e ações concretas que façam frutificar aquilo em que se depositou sua confiança ainda como semente. 

Leia também:  Ciência fundamental, por Gustavo Gollo

Quase sempre, os meios educacionais e profissionais “queimam etapas”. Pulam o que há de mais precioso que é o estado de gestação que varia de pessoa para pessoa. As condições em que estas se encontram.

“Cultivar” potenciais… sendo gênios ou não, é uma tarefa fácil e requer habilidade que em muitos casos não combinam com o mercado e suas demandas. Mas com certeza possui resultados que também não tem nada a ver com escalas de linhas de produção em série.

O “genial” estará dado por tudo o que apresenta como sendo único.

Acertos são bem vindos, mas os fracassos também podem dar consistência a um pensamento ou ideia. Em vários casos, podem servir de “lapidação”. Vejo que em diferentes sistemas: quer educacionais quer corporativos, errar torna-se sinônimo de fracasso irremediável, quando de fato não é assim.

Todas as formas de educação precisam incorporar o outro…tanto quanto o diferente ou o erro. Fazendo isso com certeza vai-se mais longe.

________________

Posts relacionados:

Vamos parar de educar para a mediocrização! 

Criatividade e escola: caminhos incompatíveis?!

Chegamos ao fim da Educação

Geração Touchscreen

*

Publicado originalmente no Blog Pensados a Tinta

Curta/Acompanhe o Blog através de sua página no Facebook:

Conheça meu Portal: ER Consultoria | Gestão de Informação e Memória Institucional

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome