De quem é o 7 de setembro?, por Francisco Calmon

O 7 de setembro de Bolsonaro e seguidores é o da arruaça, da balburdia, do conflito, enfim, da hostilidade à democracia; o 7 de setembro dos movimentos sociais é o da resistência e defesa da democracia e da pátria

Foto: Alan Santos/PR

Por Francisco Celso Calmon

É tradição das forças democráticas saudarem o 7 de setembro com o grito dos excluídos e suas bandeiras conjunturais e históricas há mais de duas dezenas de anos, precisamente há 27 anos.

A parada de sete de setembro sempre foi cívico-militar, embora a independência não fora obra nem de povo e nem de militares, uma articulação vitoriosa das elites locais e uma dívida de dois milhões de libras esterlinas. Para pagar o Brasil recorreu a um empréstimo da Inglaterra e aí começou a nossa dependência econômica

O que deseja Bolsonaro e seus seguidores fomentando confronto no dia da independência do Brasil?

Um presidente da República provocando divisão e conflito entre seu povo, cujo dever seria o de manter a paz social, é mais do que chocante, é deprimente. E mais ainda: é criminoso!

Além da desarmonia entre os poderes que provoca há longo tempo, a nova fase é incentivar conflitos físicos entre brasileiros.

:: ASSINE O JORNAL GGN DE UM JEITO MAIS FÁCIL. CLIQUE AQUI ::

Bolsonaro e seus seguidores representam o que podemos chamar de lupem-representantes da burguesia. Não fazem parte da elite, são escória, descartáveis. Para Bolsonaro é tudo ou nada, mas para a burguesia não existe o nada.

O clima que o bolsonarismo quer criar para amedrontar os movimentos democráticos que estarão nos gritos dos excluídos (oprimidos, explorados, desempregados, desalojados), tem o objetivo de imobilizar a população de se indignar com a situação crítica que o país vive há dois anos com esse desgoverno.

Se a militância social temer, imobilizarão amanhã quem? O povo é a última cidadela de defesa da democracia. Se acovardar-se, as instituições democráticas ficarão fragilizadas, como até há pouco tempo estavam.

O timing é este. Instituições reagindo e o povo militante nas ruas. O resultado será a direita encontrar algum candidato competitivo, e isso será bom para as eleições democráticas.

No combate à ditadura militar, se os militantes não tivessem resistido com as armas da crítica, enquanto deu, e com a crítica das armas, quando inevitável, a ditadura teria navegado em mar de almirante.

A geração-68, de estudantes e operários, foi ao sacrifício consciente de seu papel histórico, no Brasil e no mundo. No presente as gerações atuais devem se armar de coragem e conscientes de seu dever nesta conjuntura histórica mostrar que o filho seu não foge à luta.

Quanto ao golpe ou aventura bolsonarista cabe perguntar: quais as forças do Bolsonaro? Quais instituições, quais entidades, quais segmentos sociais?

O 7 de setembro de Bolsonaro e seguidores é o da arruaça, da balburdia, do conflito, enfim, da hostilidade à democracia; o 7 de setembro dos movimentos sociais é o da resistência e defesa da democracia e da pátria. 

Será que as FAs colocarão ainda mais a sua reputação e dever constitucional numa aventura golpista? Quais os meios de comunicação estão com o terrorista presidente? Até onde e quando o Centrão estará apoiando o Bolsonaro à medida que a sua reeleição vai fazendo água?

Bolsonaro está se isolando. É o timing certo para a oposição avançar: CPI, STF, STE, Congresso, mídia, entidades empresariais, centrais sindicais dos trabalhadores, e, sobretudo, os movimentos de juventude e trabalhadores em geral ocupando as ruas.

O que mais o genocida do planalto precisa fazer para o presidente da Câmara aceitar um dos muitos pedidos de impeachment? Agredir a mais quem, a qual instituição precisa ameaçar de novo, difamar a quem e a quê novamente?

Os que na atualidade ainda o apoiam, acalentam qual esperança diante de um Brasil decadente?

Bolsonaro continuará com o seu sonho totalitário, se este 7 de setembro do conflito, do caos, não se confirmar, outras tentativas ocorrerão, até ser parado.

O dia da pátria não pode ser dos vendilhões do patrimônio nacional, dos entreguistas de nossas riquezas e nem dos subalternos à bandeira dos Estados Unidos.

Francisco Celso Calmon, ex-coordenador da RBMVJ, membro da coordenação do canal pororoca.

Este texto não expressa necessariamente a opinião do Jornal GGN

0 Comentário

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador