Do Anticomunismo Midiático ao Negacionismo da Covid-19, por Alexandre Camargo de Santana

Classificar tais indivíduos como lunáticos terraplanistas é simplificar demais o problema. Esses manifestantes são gente normal – gente como a gente – mas encaram a vida e seus dilemas a partir de um ponto de vista totalmente diverso do nosso.

Do Anticomunismo Midiático ao Negacionismo da Covid-19

por Alexandre Camargo de Santana

Brasil, Estados Unidos e Israel possuem mais em comum do que apenas governantes conservadores e de gosto duvidoso: nos três países, grupos negacionistas promovem manifestações contra o isolamento – necessário para diminuir o ritmo de infecção da Covid-19 e evitar o colapso do Sistema de Saúde. Fundamentando suas ações em Fake News, praticamente acreditam que o vírus é uma mentira criada pela China comunista com a intenção de destruir a economia da Civilização Ocidental Judaico-Cristã e implantar o Globalismo ateu e homossexual. Mas precisamos nos questionar: Quem são estas pessoas? Seriam psicopatas que odeiam a humanidade?

Sinceramente, classificar tais indivíduos como lunáticos terraplanistas é simplificar demais o problema. Esses manifestantes são gente normal – gente como a gente – mas encaram a vida e seus dilemas a partir de um ponto de vista totalmente diverso do nosso. Sim, normalmente são religiosos (seguem uma religião e seus dogmas) e conservadores (acreditam que o mundo deles está ruindo e por isso precisam defender seus ideais), entretanto isso não explica o uso de Fake News para renegarem todo o acúmulo de conhecimento científico da Humanidade. Talvez a pergunta que deveríamos fazer seja a seguinte: Como essas pessoas boas e normais desacreditaram da ciência e abraçaram as mais absurdas teorias da conspiração?

Podemos simplificar a resposta e afirmar ser culpa do governo petista, que não conseguiu implantar uma educação de qualidade e desenvolver o senso crítico na sociedade. Que não tornou o ensino superior em algo ao alcance de todos, favoreceu empresários do Ensino Superior privado através do ProUNi e disseminou a falsa ideia de que a fabricação de diplomas via Educação a Distância era um avanço para o país, afastando a população da academia e da ciência. Entretanto isso não dá conta do problema. Afinal, uma grande parte destes negacionistas já estava fora da idade escolar durante o governo do PT e entre os mais jovens muitos possuem ensino superior. Sendo assim, a Educação não pode ser responsabilizada pelo avanço deste fanatismo de direita. 

Em minha opinião, a maior culpada é a mídia corporativista e anti-esquerdista, que durante anos fez uso das mentiras mais ardilosas em defesa do sistema capitalista e formou um piso sobre o qual a casa bolsonarista acabou construída. Mas ela não agiu sozinha e contou com uma boa ajuda das Instituições Democráticas e da extrema maioria política, ambas conectadas aos ideais neoliberais e muitas vezes utilizando as mesmas mentiras para defenderem suas posições. Ano após ano esta mídia defensora do capitalismo e a oposição política de Direita usaram mentiras para atacar qualquer projeto de esquerda no país, criando um solo fértil ao crescimento das teorias de conspiração baseadas em Fake News anticomunistas. Por outro lado, aqueles que deveriam proteger a Constituição fizeram vista grossa e deixaram esta narrativa mentirosa se desenvolver e se fortalecer no interior do senso comum, validando a paranoia anticomunista. 

Esta ideologia anti-esquerdista dos negacionistas da Covid-19 – baseada em teorias da conspiração nas quais os comunistas são o diabo tentando destruir as pessoas de bem – existe há muitas e muitas décadas, mas aqui no Brasil voltou a ganhar força após a chegada do PT ao Executivo Federal. Precisamos lembrar que lá em 2003 não existiam as mídias digitais que hoje são as maiores responsáveis pela disseminação das Fake News e teorias da conspiração seguidas pela base dura do bolsonarismo. Nem mesmo o Orkut (criado em 2004) chegou aos pés do poder de manipulação encontrado atualmente nas correntes de WhatsApp. Deste modo, as mídias de acesso popular naquela época resumiam-se a revistas, jornais, rádios e televisão, praticamente todas carregadas de um anti-esquerdismo trapaceiro para defender o modelo econômico capitalista: valorizavam o Mercado e o “maravilhoso” Setor Privado enquanto atacavam o Estado e os “horríveis” direitos trabalhistas e sociais; negavam qualquer projeto de regulamentação da economia e acusavam os sindicatos de atrapalharem a economia; grevistas não passavam de vagabundos e o futuro da Nação dependeria apenas da liberdade TOTAL aos empresários. Ainda segundo a mídia corporativista e desonesta, o país sob o governo petista (mesmo o PT não sendo comunista) viraria uma nova Cuba – uma ditadura do proletariado – e isso seria a nossa ruína.

Não é segredo para ninguém este anti-esquerdismo da mídia corporativista nacional. Isto já existia antes mesmo do governo petista, quando Lula ainda era tratado apenas como uma ameaça comunista. Após ele tornar-se Presidente – apesar do seu projeto de conciliação de classes – os ataques aumentaram ainda mais e a questão do perigo comunista sempre vinha à tona, com afirmações mentirosas e sensacionalistas sobre o Brasil estar virando uma Cuba ou uma Venezuela. Para defender o mercado e o Capital valia tudo, desde ligar Lula a terroristas islâmicos como acusar o PT de Comunista por dar abrigo a Cesare Battisti. Alguns jornalistas que hoje atacam Bolsonaro, o fascismo do governo e o fanatismo dos negacionistas, não pensavam duas vezes antes de soltarem todo o tipo de mentiras sobre o Partido dos Trabalhadores, Lula, Dilma e companhia, mesmo sem nenhuma prova e baseados apenas em fofocas. Não faltavam matérias sobre como o PT dominou a Universidade e a Educação e de como isso fortalecia a ideologia comunista que estava transformando o Brasil em uma Venezuela chavista.

Este terreno arado e fertilizado pela mídia corporativista a partir de mentiras e Fake News para defender o Mercado, o Capital e o Estado Mínimo – retirando direitos – favoreceu o crescimento das teorias de conspiração ao melhor estilo olavista. Porém, muito antes do guru alcançar a força que possui atualmente, diversos jornalistas já soltavam todas estas besteiras anti-esquerdistas em seus ataques ao governo petista (que nem dava pra chamar de um governo verdadeiramente esquerdista – muito menos comunista). Por consequência, as mentiras midiáticas acabaram atingindo a Esquerda em geral, afinal, nas reportagens e artigos mentirosos desta mídia corporativista, o PT, os comunistas, o PSOL, Cesare Battisti, Che Guevara, sindicatos, grevistas, eram todos iguais e faziam parte do mesmo projeto de implantação do Comunismo. Por isso deveriam sumir do mapa.

Voltando à questão deste pessoal negando a existência do vírus, devemos entender que esta base dura do bolsonarismo sempre nadou de braçada nas Fake News e mentiras anti-esquerdistas da mídia corporativista. Acreditar nas besteiras dos youtubers olavistas foi um pulinho! Apesar da diversidade das correntes dos negacionistas (conservadores, evangélicos, católicos, direitistas, militaristas, empresários, etc), existe uma proximidade gigantesca entre os formadores de opinião que esse pessoal segue e acredita – inclusive o principal deles: o astrólogo guru. Há anos eles bebem da mesma fonte anti-esquerdista e mentirosa da mídia corporativista defensora do Capital. Eles desenvolveram sua paranoia anticomunista lendo e assistindo esta mesma mídia que hoje (ironicamente) é acusada de ser de esquerda.

Paralelamente, também aconteceu um enorme crescimento das mídias religiosas – evangélicas e católicas – primeiro nas rádios, em seguida na Televisão e depois também nos canais digitais, fortalecendo o discurso conservador e muitas vezes replicando as mentiras da mídia corporativista contra a esquerda. Não era raro atrelarem os esquerdistas ao ateísmo, à homossexualidade, ao uso de drogas e ao fim da Família tradicional. Além disso, serviram de base eleitoral para o aumento dos políticos religiosos e da bancada da Bíblia, sempre resistindo ao avanço dos direitos das minorias e às liberdades individuais – tudo coisa de comunista.

Então nós tínhamos esta mistura explosiva: 1) A mídia corporativista criando uma narrativa mentirosa sobre um PT comunista que inventou a corrupção e estaria transformando o Brasil em uma Cuba/Venezuela. Por isso era preciso diminuir o Estado e aumentar o poder do Mercado, retirando direitos sociais e trabalhistas e apoiando políticos de Direita; 2) A mídia religiosa potencializando esta narrativa mentirosa anti-esquerdista ao adicionar a questão moral da defesa de Deus e da Família, vinculando o PT ao comunismo, o comunismo à esquerda em geral, a esquerda ao ateísmo, homossexualismo e uso de drogas. Por conta disso também apoiavam políticos conservadores de Direita. Com a popularização da mídia digital e a possibilidade de cada um criar seu próprio canal de comunicação, o crescimento das teorias de conspiração fundamentadas nestes dois fatores foi apenas uma questão de tempo. O discurso obscurantista – anticiência, racista, terraplanista, anticomunista, machista, homofóbico, preconceituoso, anti-esquerda, etc – se espalhou como uma praga através do YouTube (criado em 2005) e do WhatsApp (criado em 2009). Mas só cresceu assim tão rápido porque sempre aproveitou desta base ideológica forjada por anos e anos de mentiras midiáticas contra a Esquerda.

Quando a juventude tomou as ruas em 2013, vimos isto tudo vir à tona naquele discurso antipolítico, no qual o Estado corrupto era o grande culpado pela pobreza porque o PT transformou o governo na maior máquina de corrupção do planeta, além de dominar a educação de nossos filhos com o esquerdismo marxista, ateu e gay. Tudo parte de um plano dos Globalistas Comunistas (ou Illuminati, dependendo da fonte). A mídia corporativista poderia ter tentado combater esse monstro que mostrava sua cara nas manifestações de 2013, mas seu patrão – o Mercado – via com bons olhos o aumento daquele conservadorismo anti-PT e antipolítico favorecendo o discurso neoliberal de Estado Mínimo e fortalecendo a Direita. Com a chegada da Lava-Jato (2014) a mídia radicalizou mais ainda, deixando de lado até mesmo qualquer acordo com a Democracia, apostando em um discurso fascista característico do Novo Neoliberalismo, avesso a todos os direitos sociais e trabalhistas e adepto da repressão policial extrema contra qualquer um que tentar reclamar.

Mas as nossas Instituições Democráticas também possuem uma culpa enorme, afinal, assistiram caladas ao crescimento destes ataques à Democracia, fazendo vista grossa ao fascismo judiciário da Lava-Jato, ao abuso das acusações e ofensas contra a Dilma e aos discursos de ódio de muitos políticos e formadores de opinião (inclusive dentro do jornalismo e do humor televisivo). Ficou normal atacar o politicamente correto e dizer que defender os diretos das minorias e das mulheres era um “mimimi” vitimista. Não havia problema em elogiar a Ditadura Militar, comemorar o Golpe de 64 e glorificar torturadores e estupradores dos dissidentes. Mesmo ataques diretos às Instituições Democráticas eram tratados como algo banal, sem importância, apenas Liberdade de Expressão.

Até setores da Esquerda demoraram a entender o que acontecia. Pensando que ganhariam espaço político e social com o enfraquecimento do PT e do Lula . Algumas vezes surfando no antipetismo e no antilulismo, chegando até a apoiar a Lava-Jato e o Impeachment da Dilma, muitos esquerdistas relativizaram a falta de Democracia nestes processos. 

O próprio PT não compreendeu o que aconteceu em 2013 e durante o processo de Impeachment da Dilma. Se entendesse, apoiaria outra chapa em 2018 e entraria como vice (igual Cristina Kirchner na Argentina em 2019). Certamente a história seria bem diferente. 

Enfim, retornando à questão das manifestações contra o isolamento, organizadas por pessoas conservadoras e religiosas (que preferem rezar a acreditar na ciência, afirmando que o vírus não existe e que tudo isso faz parte de um plano global dos comunistas para destruírem a Civilização Judaico-Cristã e implantarem um Ateísmo Gay), defendo que tudo começou lá atrás, com as mentiras anti-esquerdistas da mídia corporativista, antes mesmo da chegada do PT ao poder, mas que isso cresceu porque contou com o apoio das mídias religiosas com a vista grossa de quem deveria privar pela Democracia. Estes manifestantes não são todos do mesmo grupo (tem religiosos, tem conservador, tem direitista, terraplanista, neoliberal, militarista, entre outros), mas o antagonismo das eleições – bastante fortalecido pela mídia corporativista e anti-esquerdista – agrupou esse pessoal como adversários da Esquerda e do PT. Como eu disse lá no começo: os manifestantes contra o isolamento não são pessoas ruins. Trata-se de um agrupamento de indivíduos que há décadas estão sendo condicionados pelo discurso único e neoliberal da mídia corporativista para acreditarem em uma narrativa mentirosa de avanço do comunismo e de como isso acabaria com suas liberdades. Mas agora, além de fortalecidos pelo agrupamento ordenado por interesses político-econômicos de poderosas elites nacionais e internacionais, este pessoal tem um Presidente só para eles. Confiante e cheia de si, a base dura do bolsonarismo radicalizou totalmente e acredita em qualquer teoria da conspiração espalhada por seus líderes. Além disso, trata como comunistas todos aqueles que não concordarem – até mesmo a mídia corporativista criadora do anticomunismo.

Presos nesta antiga crença fortemente enraizada, os negacionistas só poderiam voltar à realidade através de um choque terrível. Se a pandemia ocorrer aqui como está acontecendo em outros locais do mundo, com duas mil, quatro mil pessoas morrendo por dia, com corpos empilhados nos necrotérios ou largados nas calçadas, enterros em vala-comum e caixões de papelão, além de outros eventos horríveis, talvez eles percebam a irracionalidade destas teorias conspiratórias. Mas talvez não. Talvez não percebam nada. E a culpa nem é deles! 

Pode ser que o fascismo se fortaleça ainda mais e que a nossa privacidade seja eliminada para sempre. Talvez o Capital domine totalmente as relações e acabe definitivamente como nossos direitos sociais e trabalhistas. Afinal, dependemos de Instituições Democráticas fracas, desacreditadas e lotadas de indivíduos adeptos ao neoliberalismo, que fizeram vista grossa quando o fascismo crescia e continuam fazendo. Estamos nas mãos de uma mídia anti-esquerdista que cavou a própria cova e permanece trabalhando em defesa do Capital a partir das mesmas mentiras de sempre. Somos governados por políticos conservadores e de Direita, cada vez mais subservientes ao Mercado e que não pensam duas vezes antes de usarem as velhas mentiras anticomunistas. Por mais que eles critiquem o fascismo de Bolsonaro, nunca criticam o autoritarismo de Moro e da Lava-Jato, pois dependem disso para enfraquecer a Esquerda. Podem denunciar os ataques do presidente à ciência e à razão, mas jamais denunciarão o modelo econômico irracional do Guedes, porque isso fortaleceria o discurso esquerdista. Mesmo ao criticarem os manifestantes e os grupos de empresários contrários ao isolamento, nunca o fazem com a mesma energia usada contra os sindicatos e os trabalhadores grevistas: aqueles são pessoas preocupadas com a economia e estes são um bando de vagabundos comunistas atrapalhando o país. Dentro desta crítica limitada pela defesa da economia capitalista, eles nunca realizarão uma única análise justa e verdadeira do fanatismo reinante nas carreatas contra o isolamento, pois precisam manter a mentirosa narrativa anti-esquerdista, que é justamente a origem histórica para este fanatismo. Necessitam desta mentira – base do bolsonarismo – sobre a perigosa ameaça comunista transformando o Brasil em Cuba caso a Esquerda assuma o governo novamente. Morrerão repetindo isso! 

Assim, presos a um discurso ideológico que só funciona por estar cheios de buracos, aqueles que poderiam (deveriam?) criticar este fanatismo anticomunista, limitam suas críticas e tratam este pensamento anticiência como resultado de uma simples mentalidade atrasada da população. Nunca farão a necessária relação entre esse obscurantismo e as mentiras anticomunistas que há décadas são inseridas na cabeça dos brasileiros. Para continuar defendendo o Mercado e não fortalecer o discurso esquerdista, a crítica sempre é incompleta e superficial. Jamais atinge o núcleo anticomunista do arcabouço ideológico do pensamento obscurantista destes manifestantes contrários ao isolamento. Afinal, se fizessem isso, viriam à tona todas as mentiras e manipulações necessárias para permanecer defendendo o sistema capitalista e utilizadas há muitos anos no condicionamento mental da população. O discurso neoliberal – totalmente fundamentado nestas mentiras anti-esquerdistas da mídia corporativista – simplesmente ruiria. É por não poder atacar o Capital que a crítica verdadeira nunca virá da mídia corporativista, nem das Instituições Democráticas e nem dos políticos de Direita. Enquanto isso, o negacionismo não para de aumentar e de colocar em risco as nossas vidas e as vidas daqueles que amamos.  

Alexandre Camargo de Santana – Historiador

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora