Enron: ecos dos fracassos passados

Skilling foi condenado por 18 acusações de fraude e conspiração e uma de informação privilegiada por seu papel central nos esquemas contábeis que mascaravam as dívidas da Enron e as finanças fracas dos acionistas e reguladores.

Enviado por Ronaldo Bicalho

Enron: ecos dos fracassos passados

Quando velhas propostas de liberalização dos mercados elétricos são desenterradas por autoridades incapazes de enfrentar os reais problemas do setor elétrico brasileiro, um fato ocorrido no último mês de Fevereiro traz incômodas recordações dos fracassos do passado.

Jeffrey K. Skilling, ex-presidente-executivo da Enron, cujas mentiras contribuíram para o colapso da empresa de energia em um dos casos mais notáveis de fraude corporativa dos Estados Unidos, foi libertado da custódia federal na quinta-feira, 21 de fevereiro, depois de cumprir mais de 12 anos de prisão.

Skilling, de 65 anos, foi libertado de uma casa de custódia no Texas, sua última parada no sistema prisional federal depois de ser mantido em um campo de prisioneiros no Alabama e em uma prisão no Colorado.

Skilling foi um dos vários líderes da Enron que guiaram a empresa através de uma ascensão espetacular nos anos 90, quando ela evoluiu de uma sonolenta operadora de dutos para uma das empresas de energia dominantes do mundo, redefinindo a forma como o gás natural e a eletricidade eram comprados e vendidos. Mais tarde, ele foi condenado por seu papel de líder em um complexo esquema de fraude e conspiração que levou à queda impressionante da empresa, que culminou em uma das maiores falências corporativas na história americana em 2 de dezembro de 2001.

Skilling se afastou abruptamente quatro meses antes, em agosto de 2001, depois de menos de um ano como diretor executivo. Sua renúncia surpreendeu os analistas de Wall Street e levantou suspeitas, apesar de suas garantias na época de que sua saída não tinha nada a ver com a situação da Enron.

Leia também:  Ciência política já apontara as contradições do Ministério Público criado em 1988, por Álvaro Miranda

Mas, em particular, os executivos da Enron sabiam que suas impropriedades contábeis, que eram usadas para esconder perdas financeiras, logo se desintegrariam para o mundo ver. Em outubro daquele ano, a Enron anunciou uma perda de US$ 600 milhões no último trimestre financeiro e uma redução de US$ 1,2 bilhão no patrimônio líquido, levando a Securities and Exchange Commission a abrir uma investigação sobre a empresa.

Era apenas uma questão de tempo até que a empresa fosse revelada como um castelo de cartas e o logotipo da Enron se tornasse um símbolo de vergonha corporativa.

A queda da Enron custou aos acionistas bilhões de dólares e aos seus funcionários a poupança para a aposentadoria. Seu fim levou a uma onda de processos que levantaram fraudes contábeis em outras empresas como WorldCom, HealthSouth e Adelphia Communications.

Juntamente com Kenneth L. Lay, fundador e presidente da Enron, Skilling foi condenado por fraude e conspiração em 2006, após um julgamento de 56 dias. Especificamente, Skilling foi condenado por 18 acusações de fraude e conspiração e uma de informação privilegiada por seu papel central nos esquemas contábeis que mascaravam as dívidas da Enron e as finanças fracas dos acionistas e reguladores.

Lay foi considerado culpado em seis acusações de fraude e conspiração e quatro acusações de fraude bancária. Ele morreu cerca de um mês após o julgamento.

Separadamente, Andrew S. Fastow, ex-diretor financeiro que ajudou a construir o esquema de fraudes da Enron, se declarou culpado em 2004 por fraude e roubo da empresa. Um juiz reduziu sua sentença inicial para seis anos a partir de 10 anos porque ajudou os promotores federais com as condenações de Skilling e Lay.

Leia também:  Como a máfia se consolidou na indústria do lixo, por Luis Nassif

Do grupo, Skilling recebeu a punição mais severa: ele foi inicialmente sentenciado a mais de 24 anos de prisão, mas esse termo foi posteriormente reduzido para 14 anos, em parte devido a um erro cometido por um juiz ao interpretar as diretrizes federais de condenação. Em troca da redução da sua sentença, Skilling desistiu de cerca de US$ 42 milhões, que deverão ser distribuídos às vítimas da fraude da Enron.

Fonte: New York Times

PS: O vídeo abaixo conta a história do escândalo da Enron.

Este texto foi publicado originalmente na página do site do Instituto Ilumina.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora