Foreign Policy: O Brasil está sofrendo. Bolsonaro, não, por Omar G. Encarnación

O presidente brasileiro está provando que o populismo de direita tem maneiras de superar desastres autoinfligidos

do Foreign Policy

O Brasil está sofrendo. Bolsonaro, não

por Omar G. Encarnación

A sabedoria convencional sobre a política da pandemia de coronavírus parece ter se consolidado em torno da ideia de que enfraqueceu, se não terminou, o populismo de direita, revivendo o desejo pelas mesmas coisas que os líderes populistas de direita são propensos a difamar ou questionar: conhecimento científico, colaboração global e instituições burocráticas (o muito criticado “estado profundo”). Essa linha de análise geralmente se concentra no presidente dos EUA, Donald Trump; como um Político colocou sucintamente: “A pandemia é o fim do trumpismo”.

Mas o exemplo do presidente brasileiro Jair Bolsonaro, muitas vezes chamado de “Trump dos trópicos”, oferece uma imagem mais complexa. Isso mostra que os populistas têm ferramentas à sua disposição para sobreviver e que a pandemia global oferece oportunidades políticas para os populistas explorarem. Menos aparente é como o ambiente doméstico também pode funcionar para a vantagem dos populistas. No caso de Bolsonaro, ele está usando mitos locais sobre o regime militar para explicar por que ele é a pessoa certa para levar o Brasil à pandemia e além.

Como Trump, Bolsonaro subestimou a seriedade do coronavírus: é “um resfriadinho”, disse ele, acrescentando que não há motivo para se preocupar, já que “todos nós vamos morrer um dia”. Ele também brincou sobre como a força física dos brasileiros lhes permitiria atravessar a pandemia: “Eles podem pular no esgoto e nada acontece”. Em 24 de março, em discurso à nação, Bolsonaro culpou a mídia pela pandemia. “A maioria da mídia tem sido enganadora. É cenário perfeito a ser usado pela mídia para espalhar a histeria”, afirmou .

Em 1º de abril, o ‘New York Times’ informou que Bolsonaro era “o último destaque notável entre os principais líderes mundiais em negar a gravidade do coronavírus”. Semanas depois, Bolsonaro demitiu o ministro da Saúde do país, Luiz Henrique Mandetta. Entre os pecados de Mandetta, estavam ser mais popular que Bolsonaro, recusando-se a relaxar o distanciamento social e objetando o uso da hidroxicloroquina como tratamento padrão para o COVID-19, a doença causada pelo coronavírus. Mais revelador, Bolsonaro ostentou sua desconsideração pelo protocolo que as autoridades de saúde pública adotaram como a melhor defesa contra o coronavírus na ausência de uma vacina e de tratamentos terapêuticos eficazes. Em março, ele se juntou a seus apoiadores em Brasília para uma manifestação contra o Congresso e a Suprema Corte do Brasil. Nesse evento, posou para fotos com crianças arrancadas da multidão, demonstrando um flagrante desrespeito aos conselhos das autoridades de saúde pública. Ele criticou os governadores e prefeitos que implementaram bloqueios em todo o Brasil, dizendo que o que estão fazendo “é um crime; eles estão destruindo o Brasil. ”

Hoje, o Brasil é um dos principais epicentros mundiais na disseminação do coronavírus. De acordo com o mapa de coronavírus da Universidade Johns Hopkins, em 27 de maio, o Brasil tinha quase 400.000 casos confirmados de coronavírus, de longe a contagem mais alta da América Latina. O número de mortes registradas relacionadas ao coronavírus no Brasil é menor, em 25.000, do que em outros países com menos casos confirmados, mas há motivos para suspeitar que esse número de mortes esteja subestimado. Por outro lado, a vizinha Argentina (reconhecidamente, um país muito menor) registrou 13.000 casos de coronavírus e menos de 500 mortes. O número de casos de coronavírus no Brasil também excede os da Itália, Espanha, França e Reino Unido, algumas das nações mais atingidas do mundo, e fica atrás apenas dos Estados Unidos e da Rússia.

Leia também:  Bolsonaro pautou a mídia e enganou toda a esquerda, por Djefferson Amadeus

A reação do público brasileiro ao tratamento da pandemia por Bolsonaro foi dura, o que sugere um potencial risco político à frente. “Fora Bolsonaro” é um canto familiar de brasileiros em quarentena, especialmente em grandes cidades como Rio de Janeiro e São Paulo. O canto é geralmente ouvido à noite, vindo de arranha-céus, e é acompanhado pelo som de panelas e frigideiras. É o que os brasileiros chamam de panelaços, uma forma de protesto de longa data na América Latina. Eles ajudaram a derrubar a presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores, que foi acusada em 2016. Curiosamente, relatos da mídia sugerem que os recentes panelaços se espalharam pelos ricos enclaves do Rio de Janeiro, onde Bolsonaro recebeu considerável apoio eleitoral nas eleições de 2018.

Assim como Trump, as dificuldades de Bolsonaro precedem sua resposta frustrada à pandemia. De fato, não demorou muito para Bolsonaro se tornar totalmente impopular. Seu tempo no cargo foi definido por suas declarações controversas sobre homossexualidade, educação e aborto; desordem dentro de seu gabinete; e escândalos de corrupção. Tudo isso, de acordo com uma pesquisa do Datafolha, em abril de 2019 havia concedido a Bolsonaro a menor popularidade de qualquer presidente de primeiro mandato desde que a democracia foi restaurada em meados da década de 1980, com 30% dos brasileiros considerando sua presidência como ruim ou terrível. Desde que a pandemia entrou em erupção, as pesquisas para Bolsonaro pioraram. Uma pesquisa de opinião recente do XP mostrou um índice de desaprovação de 42%, com 49% dizendo que eles esperavam que o lembrete de seu governo fosse “ruim ou terrível”.

Os problemas de negar o coronavírus de Bolsonaro se aprofundaram desde a renúncia no mês passado do ministro da Justiça do Brasil, Sérgio Moro, estabelecendo um perigoso desafio político para Bolsonaro quando ele pode menos pagar para ver. Moro é um nome familiar no Brasil e uma espécie de figura mítica para muitos brasileiros. Ele também é conhecido por ter ambições políticas. Moro ganhou fama como o promotor principal da Operação Lava Jato, o enorme arrastão anticorrupção que envolveu vários políticos brasileiros, tanto da direita quanto da esquerda. E ele virou paixão dos conservadores brasileiros, encarcerando o ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva antes das eleições presidenciais de 2018, um dos principais fatores por trás da ascensão de Bolsonaro à Presidência. O que motivou a demissão de Moro foi a demissão por Bolsonaro de Maurício Valeixo, o chefe da polícia federal do Brasil, que estava investigando denúncias de corrupção dos filhos do presidente. Reagindo ao tiroteio, Moro afirmou que: “Tenho que proteger minha biografia e, acima de tudo, o compromisso que assumi de que permaneceríamos firmes contra a corrupção, o crime organizado e o crime violento”.

Leia também:  Pressão de Bolsonaro e Salles comprometeu fiscalização ambiental

Mas seria um erro anular Bolsonaro, ou outros populistas de direita cujas fraquezas foram expostas pela pandemia. Bolsonaro tem uma base feroz de apoiadores e principais aliados políticos (especialmente militares, direitistas religiosos e oligarcas econômicos), que são impermeáveis ​​ao seu comportamento antidemocrático. A conexão de Bolsonaro com seus apoiadores não se baseia em ideologia ou política, mas em um desgosto comum pela chamada elite política liberal. Bolsonaro também fez incursões na classe trabalhadora brasileira, tradicionalmente a ligados ao Partido dos Trabalhadores, representando-se como um homem comum. No ambiente político muito fragmentado do Brasil atual – existem dezenas de partidos políticos representados no Congresso Nacional – ter uma base política leal pode significar muito. De fato, os 30% do eleitorado que professam lealdade a Bolsonaro provavelmente são suficientes para levá-lo ao segundo turno nas próximas eleições. No mínimo, a base protegerá Bolsonaro de sofrer um impeachment. Cerca de 30 pedidos de impeachment já chegaram à mesa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Além de uma base leal, existe a capacidade dos populistas de reinvenção política. Uma das marcas registradas do populismo – ao lado do culto à personalidade, uma propensão à demagogia e um desrespeito às normas e instituições políticas – é a falta de adesão a qualquer doutrina política ou econômica. Muito pelo contrário, os populistas sempre foram muito hábeis em abandonar velhas idéias e abraçar novas para se adequar ao momento político e garantir sua sobrevivência política. Também é o caso de que, para todas as fraquezas que a pandemia de coronavírus expôs sobre o populismo de direita, a crise não ocorreu sem muitas oportunidades políticas para líderes populistas. Em todo o mundo, os líderes populistas de direita estão explorando a pandemia por seus próprios benefícios políticos. Partidos populistas de extrema direita na Espanha, Alemanha, Itália…

No caso de Bolsonaro, a pandemia está proporcionando a ele uma oportunidade de ouro para lembrar ao público uma das coisas que o elegeram em primeiro lugar: seu histórico de lei e ordem (ele era paraquedista no Exército Brasileiro) e afeto dos militares. Desde que a crise eclodiu, Bolsonaro incentivou descaradamente a militarização do governo, entre outras coisas, expandindo os poderes dos generais em seu governo além dos limites dos assuntos das Forças Armadas e ampliando os apelos para uma intervenção militar onde comícios onde esteve. “Queremos as forças armadas no poder”, dizia uma faixa em uma manifestação pró-Bolsonaro em Brasília no mês passado. Dirigindo-se à multidão no mesmo comício, Bolsonaro disse: “Não vamos tolerar interferências – nossa paciência terminou. Temos o povo do nosso lado e as forças armadas do lado do povo. ”

Leia também:  Entidades denunciam Bolsonaro por crimes contra a saúde pública

Nenhum observador político sério acha que o Brasil está perto de se tornar uma ditadura militar, até porque os próprios militares vão ficar no caminho. Após o comício de Brasília, os militares ficaram abalados com o que ouviram dos manifestantes e Bolsonaro. O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, foi obrigado a emitir uma declaração que dizia: “As forças armadas estarão sempre do lado da lei, ordem, democracia e liberdade.” Mas o flerte de Bolsonaro com o governo militar não se baseia na realidade. Em vez disso, explora a mitificação pela direita da ditadura militar que o país abandonou em 1985. O centro desse mito é a imagem do Brasil sob domínio militar como organizado, economicamente próspero e livre de corrupção política – tudo o que o país é não desde que abraçou a democracia em 1988, promulgando uma nova constituição democrática.

Como todos os mitos, há um núcleo de verdade na imagem romantizada do Brasil pré-democrático. Os militares tinham muito menos sede de sangue no Brasil do que na Argentina, Chile e Uruguai. Sob o regime militar, o Brasil também experimentou o chamado milagre brasileiro, uma dramática expansão da economia. Mas o Brasil não tem sido tão zeloso quanto seus vizinhos sul-americanos em expor a verdade sobre sua experiência com o governo militar. Foi somente em 2014 que uma comissão oficial verdade narrou os abusos dos direitos humanos durante o período de 1946-1988, e especialmente o regime militar que governou de 1º de abril de 1964 a 15 de Março de 1985. Foram encontrados os militares responsáveis ​​pela tortura sistêmica e por cerca de 400 assassinatos e desaparecimentos. Essas descobertas ocorreram cerca de 30 anos depois que a Argentina convocou sua própria comissão da verdade e julgou os militares pelos abusos dos direitos humanos da Guerra Suja.

Os antecedentes legais e a ordem de Bolsonaro e a invocação da história do Brasil com o governo militar também ressoam mo público. Há muitos anos, os brasileiros consideram o crime um problema urgente. E por boas razões – em 2017, o número de assassinatos no estado do Rio de Janeiro atingiu 40 por 100.000. Isso é 14 vezes a taxa no estado de Nova York. Ex-congressista de sete mandatos do Rio de Janeiro, Bolsonaro tranquiliza as pessoas de que ele está falando sério quando diz que só ele pode trazer paz e ordem ao país.

Ainda não se sabe se isso manterá Bolsonaro no cargo. Mas, por enquanto, ele está mais do que feliz em evocar a versão mítica do Brasil sob o regime militar – e muitos brasileiros estão mais do que dispostos a acompanhá-lo. É uma distração útil da realidade sombria da pandemia e de uma economia ferida – e prova de que o populismo é mais resiliente do que se poderia pensar.

Brazil Is Suffering. Bolsonaro Isn’t.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Foreign Policy? The Guardian? Financial Time? The Telegraph? Somente esta semana !!!! Mas os próprios Jornalistas Brasileiros não afirmam que a América Latina, e em especial o Brasil, não são nem lembrados nas altas rodas do poder de Europa e EUA? Então porque tanto interesse e contrariedade? O Governo Brasileiro começa a contrariar tanto assim Interesses Internacionais e Elites Politicas Parasitárias que defendem tais interesses de lesa-pátria? Está parecendo os anos de Geisel, quando usou brilhantemente da Política e Diplomacia para colocar o Brasil e seus interesses acima de rapinagens estrangeiras. Incomodou da mesma forma. Elites Parasitárias da NecroPolítica também se revoltaram, naquela época. Mas temos entre tantas evoluções tecnológicas, toda a Cadeia Produtiva e Tecnológica do Enriquecimento do Urânio graças aos Governos que foram contra a habitual NecroPolitica das Elites do Estado Absolutista Tupiniquim. Novamente começa a incomodar. Será esta causa de tantas matérias estrangeiras?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome