Joaquim Barbosa, a classe média, a eleição e seu personagem central: Lula, por Alexandre Tambelli

Joaquim Barbosa, a classe média, a eleição e seu personagem central: Lula

por Alexandre Tambelli

A questão Joaquim Barbosa é ampla. Tentando responder uma indagação sobre a “Candidatura” Joaquim Barbosa me veio este texto.

Penso comigo que a mídia carrasca de Lula acenar para Joaquim Barbosa o coloca na situação de estar do outro lado do Front de imediato.

Os candidatos pró-Lula vão cobrar posicionamento dos candidatos do centro do Golpe em relação a Lula.

Claro que o Golpe e seu comando midiático oligopolizado capitaneado pela Rede Globo & velha mídia tende a fazer debates e divulgar atos de campanha sem a esquerda alegando falta de votos dela via pesquisas manipuladas num primeiro momento, Lula retirado das pesquisas, vide Datafolha, com a desculpa de que está impugnada sua candidatura após a sentença confirmada do Triplex em 2ª instância, mas não até a Eleição, porque Lula candidato ou seu candidato vão ter votos para liderarem a corrida eleitoral em primeiro turno.

A tendência com este caos absoluto na economia e nos índices sociais é o jogo estar mais para Lula do que para a Globo em relação a quem comanda a narrativa do País, acredito eu, em uma proporção de 60% a 40% retomando os índices de votos válidos na disputa eleitoral com Lula candidato que chegou aos 62% dos votos válidos.

A Economia gritará mais forte que o ódio ao PT, Lula e Dilma e as esquerdas em geral, não significa que a população virou esquerda, mas é um recall da lembrança de tempos muito melhores com Lula, Dilma e o PT que dará a economia primazia, não totalidade, como disse, um pedaço maior do eleitorado se ligando nela, o voto pelo bolso sempre é maioria, o PT venceu 4 vezes seguidas dentro da lógica da melhoria das condições materiais da população.

Economia no lugar do moralismo da corrupção, forte em 2016 com a Lava-Jato e a perseguição ao PT em evidência, para a realização do Impeachment sem crime de responsabilidade. Não em 2018 com o fracasso do Golpe.

Joaquim Barbosa terá que se posicionar e ter apoios claros que não podem estar visualmente ligados ao Golpe e seus comandantes econômicos e nem se pautar apenas na lógica de uma Justiça que crê ser a redentora do Brasil na via de mão-única do combate à corrupção.

Será uma arquitetura complicada Joaquim Barbosa se fazer passar por “aliado” de Lula, Lula é quem vai dar essa lista de aliados, penso comigo, mesmo que Barbosa diga ter sido eleitor de Lula, mesmo que não se coloque em oposição a Lula.

Para o Golpe está complicado vencer Lula ou seu candidato, até com ele preso. A economia degringolando eleva novamente a influência de Lula na Eleição e diminui a da Globo e da Lava-Jato. Ninguém vai poder ser candidato anti Lula e falar mal dele e do PT na Eleição para vencer. Inverteu o discurso econômico, os tempos petistas do mundo real renascem na memória sobre os tempos do pré e pós-Golpe e sua narrativa virtual midiática que hipnotizou a muitos por um bom tempo.

Leia também:  Fórum Social Mundial começa neste sábado, com abertura do ex-presidente Lula

Lógico que estando Joaquim Barbosa no PSB gera a confusão, o híbrido de um candidato, se ele for candidato, do Mercado com grife de socialista, sendo que o PSB hoje me parece um tanto distante desta realidade “socialista – de esquerda” desde que Eduardo Campos acenou para a mídia em 2014 e que Marina, após sua morte, se tornou a candidata do partido. E a Globo, velha mídia e o centro do Golpe querem esta confusão se o apoiarem como o candidato do Sistema.

O candidato da Lava-Jato, Joaquim Barbosa?

Não sei se cola nem no antipetismo, se este mote terá fôlego até outubro, a crise econômica bateu fundo na classe média, também.

Aqui no meu bairro paulistano, Vila Mariana, onde mora a classe média e médio-alta tradicional, estão comuns as inadimplências, os condomínios sem pagamento, as pessoas que pagam aluguel (preferencialmente quando têm filhos) indo para outros bairros com aluguéis de apartamentos mais acessíveis do que os de 4 mil/ 5 mil ou mais com condomínio daqui e os desempregados. E há uma desilusão grande misturada com a ausência de referenciais do que é que está acontecendo na Economia e na Política (porque os referenciais são a Globo e a Veja, que em realidade patrocinam e camuflam o caos econômico-social em que vivemos, e, também afeta a classe média tradicional).

E vai além da corrupção o diálogo das pessoas por aqui, é o emprego, as contas a pagar, a grana que não permite até o básico, dentre este básico, o básico da moradia e da alimentação acostumada.

Lembrando que o Golpe não conseguiu cumprir a lógica de que estava do lado da classe média e da manutenção de seus privilégios, até dela ele está tirando.

O Golpe tenta se sustentar ainda pela busca da desinformação coletiva e do acirramento do petismo X antipetismo e da aceitação social da extrema-direita para a disseminação de um discurso de ódio, comprado sem reflexão por parte menor da população, mas barulhenta e até violenta com o diverso do pensamento dela.

E nesta batalha pela desinformação coletiva ter adeptos em quantidade a culpar o PT, Lula, Dilma e as esquerdas pelo caos ético, econômico e social atual e gente capaz de agir irracionalmente tomando decisões fora dos padrões de civilidade, de Justiça e da Democracia.

Hoje, à direita e à esquerda as candidaturas não poderão vencer se acreditarem que o moralismo contará em primeiro lugar, que só se vai olhar para candidato ficha limpa, os que a velha mídia diz serem, é óbvio.

Leia também:  Ministério Público: uma máquina desejante de democracia?, por Haroldo Caetano

Desta vez vai além, o Centro do Golpe vai tentar fincar nessa bandeira com seu candidato e um discurso light e de fachada de mudanças econômicas e sociais, mas me parece ultrapassado nas estatísticas, como disse, do eleitorado real para aceitar só este diapasão. Nem as esquerdas poderão brincar mais com a marquetagem em meio a desilusão social e com a descrença na Política brasileira.

Vão ser colocadas questões outras como a Reforma Trabalhista, da Previdência, o Pré-Sal, o SUS, a soberania nacional, os programas educacionais do Estado de bolsas, as bandeiras de inclusão e ascensão social, o retorno do emprego e de um salário digno, os investimentos em Ciência & Tecnologia que geram empregos mais qualificados, como o governante vai garantir de eu pagar em dia meu financiamento da casa própria, etc. no debate, queira o centro do Golpe ou não.

Não nos fiemos no discurso surrado do combate à corrupção, apenas.

Precisamos ponderar onde o ódio de classe mais radical se encontra hoje.

Parece-me mais comum nas pessoas com mais idade e tradicionalmente anti-petistas e que estão um tanto livres da crise, ainda. Elas acumularam Capital em outros tempos em funções de capatazes da burguesia, em funções liberais, em postos estatais de comando, em empreendimentos de médios comerciantes e de médios e pequenos industriais, eram parte dos 20% de incluídos da sociedade pré-Lula e têm mais de 1 propriedade e reservas financeiras e aposentadoria para mais um tempo.

A geração de seus filhos e netos, com o aprofundamento da crise econômica, não estão visualizando esta mesma realidade, apesar da Educação meritocrática e da lógica do trabalho voltado para o ganho salarial, o status e a manutenção de distinção social e nem sempre pela vocação em primeiro lugar se manterem intactos.

Lembrando que as manifestações do vem pra rua de março tinham um público majoritário de aposentados e pensionistas, são representantes dos 20% de incluídos dos tempos de FHC para trás, não colocados juntos na rua seus descendentes.

A empolgação das ruas pró Impeachment de Dilma de 2015 e 2016 terminou para seus descendentes? O Golpe bateu em boa parte dessa gente, certamente, e o vem pra rua & assemelhados não me parece ter a varinha mágica do convencimento de que tem a fórmula de retorno ao bem bom do boom econômico até 2014 e as férias by Miami e as baladas top.

A economia atual só para topo da pirâmide socioeconômica é vantajosa, não vai colar manter o discurso básico do combatente da corrupção, vão querer apelar para isto, mas como digo, não dá para colar nem entre a classe média tradicional com força muito menos entre o povo trabalhador e os pobres.

Leia também:  Vai-se a Ford, vai-se o fordismo, por Thiago Antônio de Oliveira Sá

O candidato da classe média tradicional pode não existir na cédula eleitoral, não são Lula ou seu candidato aparentemente nem me parece ser Joaquim Barbosa e a bandeira da Justiça misturada com o mercado nem o moralismo adocidado do Álvaro Dias e nem os ultra neoliberais que se apresentarem e a Globo & velha mídia apoiarem.

Talvez, Bolsonaro, mas para uma parcela mais bruta e nem um pouco racional da classe média tradicional, misturando estes eleitores com parte dos evangélicos mais radicais e pedaço do povão que assiste o Datena & assemelhados, mas me parece que bateu no topo os seus votos.

Nenhum candidato vai poder fugir pela tangente, vai se divorciar da discussão central que é a economia e o emprego e a oportunidade de consumo e qualidade, mesmo que diferente dependendo da classe social, de Vida. É o que o eleitor vai buscar nesta Eleição; a fuga dos problemas socioeconômicos não trará resultado eleitoral.

A pergunta é: o que vai tentar fazer o centro do Golpe na busca de vencer a Eleição sem comandar a narrativa da realidade para a maioria do eleitorado, que terá Lula com mais Poder de influenciar o voto que a Globo & velha mídia? Apelar para táticas moralistas religiosas que não deram resultado com Serra e Aécio? Não creio. Você adentraria no obscurantismo para vencer a Eleição e colocaria MBL, Frota, Malafaia, Feliciano, Magno Malta como protagonistas no período eleitoral. Não traz dividendos para a Globo hoje, e abre caminho para a Record. 

Certamente, Lula precisa se manter candidato e sem dar para o centro do Golpe o ouro, que é dizer que não é candidato e apresentar seu substituto hoje, porque vão querer tirar o substituto do páreo, prendê-lo até e ele vai virar um sparing da velha mídia capitaneada pela Globo.

Vice do Lula só em agosto, e só sendo o candidato, se Lula não puder ser candidato de jeito nenhum.

E retornando ao Joaquim Barbosa.

Ele se segura na compostura num debate eleitoral mais acalorado? Ele quer ser candidato ou querem empurrá-lo para a Eleição por falta de opção para o centro do Golpe?

O que nos deve preocupar é saber como teremos a Eleição, em que condições, regras e o que aprontarão a dobradinha Globo & velha mídia + Judiciário morista em prol da candidatura do Sistema. Em condições normais a candidatura Lula ou o candidato que Lula escolher tende a vencer.

E terminando posso dizer que a Eleição deverá acontecer, porque é démodé não realiza-la, seria a legitimação para toda a população que foi um Golpe.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Em política tudo pode

    Em política tudo pode acontecer.A conjuntura,às vezes,muda de uma hora para outra.

    Contudo,não vejo a mão invisível do golpe pensando em disputar a eleição,se pensam em disputar,com o mote do moralismo.

    Este parece estar esgotado ou esgotando-se. A mão invisível do golpe disputará,e com boas chances,contra o presidente Lula e contra o PT.

    O problema tem sido conseguir lançar um candidato que consiga aglutinar este bolo de manifestoches.

    Como sabemos,um dos meios utilizados pelos idealizadores do golpe tem sido a utilização sincronizada da mídia porca deste país com a emissora golpista à frente.

    Até a definição dos candidatos os golpistas poderão lançar vários balões de ensaio para ver quem tem mais condição de aglutinar seus eleitores potenciais e,ao mesmo tempo,continuar martelando contra o presidente Lula e seu partido para tentar,como sempre,tirar umas lasquinhas a mais dde votos.

    Contra eles,sem dúvida nehuma,bem abordado no post,conspira a política econômica,a precarização do trabalho e a crise continuada e nada aponta para uma mudança rápida desta situação.

    Assim,entendo que,hoje,a situação é de empate mas com ligeira vantagem para os golpistas devido ao seu concentrado poder de fogo na informação e manipulação.

  2. Joaquim Barbosa entende de economia e de administração

    Foi gasto 90 mil reais para reformar, com material de primeira qualidade, banheiros do apartamento funcional que Joaquim Barbosa passaria a ocupar ao presidir o $TF

    Como se isso não bastasse, ele era um empresário magistrado, dono da Assas JB Corporation, tendo comprado, por 10 dólares, um apartamento em Miami que valia um milhão de reais. E disse que quem não deve não teme.

    Acho que Jesus Cristo temia, pois teve tanto medo do martírio que chegou a suar sangue.

  3. STF irá soltar Lula em Maio.

    STF irá soltar Lula em Maio. A maioria dos ministros conhece bem o comportamento do Joaquim.

    E como por lá o orgulho e a vaidade individual falam mais alto, acho que os ministros do supremo

    não irão deixar o JB nadar de braçada. Vão soltar o Lula da jaula para que o JB possa

    ser comido pelo voto popular. Também há possibilidade de colocar um petista como vice do JB,

    imagina se isso acontece? 

  4. Quem não pagou?

    JB, Globo, outros sonegadores da zelotes, devedores de dividas trabalhistas, igrejas, grandes proprietários, milicianos. Alguém achava que Dilma teria condições de aumentar impostos como foi feito na gasolina, foram enganados pela campanha do “nóis não vamo” e acabaram “fondo”, ou temiam perder privilégios quando deveriam temer perder direitos, levaram Lula prisão por dívidas, por atrasar prestações mesmo em um empreendimento sem contrato, porque a justissa prefere acreditar na palavra do estelionatário rico a do pobre mau pagador.

  5. Imaginem um debate entre JB e Ciro

    Prezados leitores,

    Concordo com análise de Alexandre Tambelli e digo mais: Joaquim Barbosa não tem talho algum para a política. Ocupando posições de poder no sistema judiciário, ele demonstrou-se uma pessoa insegura, arrogante, truculenta e vingativa. Não considero Ciro Gomes um político confiável, muito menos que ele seja de esquerda ou centro-esquerda. Mas fico imaginando o que ele fará com esses trogoloditas tipo Bolsonaro e Jaoquim Barbosa, se algum destes se dispor a um debate franco com o ex-governador do Ceará. Ciro não tem a capacidade de agregar, mas sabe melhor doq eu qualquer um dos concorrentes como ‘bater’ e destruir. Por isso eu sempre disse que Ciro deve ser sempre uma linha auxiliar, nunca o candidato principal.

    Sozinho ou com o descaracterizado PDT pós-Brizola são remotas as chances de Ciro ir ao 2º turno. A vaidade e ambição desmedidas de Ciro são maiores que a experiência administrativa dele. Ciro mais uma vez se queimará como candidato; o máximo que poderá fazer é desmascarar fraudes como Boçalnaro e Joaquim Barbosa.

     

  6. reizinho

    Alexandre,

    JBarbosa não passa de mais um do time de huck, angélica, bolsonaro, aecio, etc…, time formado por nulidades, pessoas sem qualquer cacoete para comandar um país que era extremamente sofisticado como o brasilsil, 5ª economia do planeta que ficou ainda mais complicado depois do golpe moleque.

    JBarbosa não seguiu a carreira diplomática, ao ter sido reprovado por duas vezes no exame psicotécnico do Itamaraty por  um motivo qualquer, problema de ordem emocional ou mesmo racismo, uma vez que Itamaraty é Itamaraty, onde tudo fica sempre para ser falado daqui a 80 anos.

    JBarbosa pediu a JDirceu para interceder junto a Lula por sua indicação para o STF, e a primeira providència foi encarcerar JDirceu. Nnisto, cuspir no prato em que comeu, reconheço que o juiz aposentado está up to date.

    JB empregou, assim como RWeber, o filho na casa dos marinho durante o julgamento da AP-470, alguém já imaginou se isto acontecesse com algum filho de político do PT?

    JBarbosa recebeu os U$ para comprar o imóvel em Miami na época em que foi encerrado o julgamento da AP-470 e tudo bem, como sempre tudo bem, nenhum oba-oba sobre tal escândalo.

    JBarbosa entende sobre o país tanto quanto eu entendo da geografia do planeta Marte, ou seja, nada, aliás, tal e qual aecio e todos as nulidades que citei acima, seria um fantoche a decidir sobre o que desconhece durante, no mínimo, quatro e possivelmente oito anos, uma vez que seria o reizinho imbecilizado que representará o sonho dourado para o grupo que manda de fato.

  7. Vão tetar juntar Barbosa e Marina
    A Rede não tem quase espaço na TV, então Barbosa traria para Marina o tempo do PSB, que é um partido médio. Se essas movimentação já está acontecendo, não se sabe, mas seria o sonho de consumo da Globo.
    Marina é traidora da esquerda, apoiando Aécio em 2014, o golpe em 2016 e a prisão de Lula agora. Barbosa foi o grande pioneiro da Lava-Jato com seu julgamento torto no Mensalão. Se as elites vão conseguir juntar os dois lobos em pele de cordeiro não sei, mas a chapa resolveria vários problemas deles. Seriam dois negros que ascenderam do povo, com discurso moralista e sobre os quais não pesam acusações judiciais. Ocupariam a porção do pseudo-Centro que foi dizimada, mas tb levariam votos evangélicos e de incautos à direita e à esquerda. Infelizmente essa chapa certamente iria pro segundo turno, resta saber se contra o PT ou Bolsonaro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome