Justificativa da Reforma da Previdência: uma peça de ficção, por Calino Pacheco Filho

É uma falácia afirmar que com a Reforma da Previdência sobraria dinheiro para a Saúde, pois esta sofreu um congelamento em seus gastos por 20 anos.

Justificativa da Reforma da Previdência: uma peça de ficção

por Calino Pacheco Filho

Uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) é composta de duas peças: uma delas é o detalhamento dos artigos propostos para alterar a atual Constituição do Brasil. A outra, é a argumentação da proposta enviada ao Presidente da Republica para submeter a ele a apreciação dos pontos que a compõem.

 

  • O modelo atual das regras atuariais e de acesso a benefícios previdenciários se tornaram rígidos em sua alteração, mas estas políticas públicas não atenderam aos princípios constitucionais de igualdade e de distribuição de renda, já que conforme levantamento da OCDE o Brasil continua sendo um dos países mais desiguais do mundo. Metade da população tem acesso a 10% da renda familiar enquanto a outra metade tem acesso a 90%.

 

A brutal desigualdade e a concentração de renda existentes no país não são causadas pelo modelo atual das regras atuariais e do acesso a benefícios previdenciários. A s suas causas são mais profundas e tem a sua explicação na história deste país submetido à exploração de seu povo desde os primórdios da ocupação pelos portugueses, primeiro pelo massacre e escravidão da população indígena e depois com a implantação da escravidão dos negros trazidos a força de sua África natal, sendo que o Brasil foi um dos últimos países a abolir a escravatura para entrar na forma de exploração capitalista.

 

  • Construímos uma das maiores redes de proteção previdenciária do mundo, conquista que poucos países emergentes foram capazes. A Previdência alcança todos os municípios do território nacional e protege os trabalhadores brasileiros e suas famílias de diversos riscos. A seguridade Social virtualmente erradicou a pobreza entre idosos. Entretanto, o veloz processo de envelhecimento da população exige a revisão das regras previdenciárias que escolhemos no passado. A previdência já consome a metade do orçamento da União, sobrando pouco espaço para a saúde, a infraestrutura e provocando uma expansão insustentável de nossa dívida e de nossos juros.  

 

O processo de envelhecimento da população é um fato que requer um ajuste gradual na idade mínima de acordo com a variação demográfica e dentro de parâmetros atuariais, porém não justifica uma reforma da Previdência que retira direitos como o direito à multa de 40% do FGTS na demissão dos empregados que se aposentaram pelo INSS e continuam trabalhando; mudanças das regras no Benefício de Prestação Continuada  (BPC) para deficientes e idosos de baixa renda, desindexando do salário mínimo para diminuir valores, por exemplo: hoje um idoso de 65 anos tem direito ao BPC equivalente a um salário mínimo de R$ 998,00 pela nova regra passaria a ganhar apenas R$ 400,00 (40% do salário mínimo) e ganharia um salário mínimo somente quando completar 70 anos; limitação à acumulação de pensão por morte e aposentadoria e reduz o valor da pensão por morte: atualmente é 100 % do valor do benefício, pela nova regra passaria a 60%.

Aposentadoria especial para trabalhadores e trabalhadoras rurais exigirá a idade mínima de 60 anos e ampliará o tempo mínimo de serviço de 15 para 20 anos.

Para receber a média integral do tempo de contribuição o empregado urbano com carteira assinada terá de contribuir por 40 anos; quem se aposentar com 25 anos de contribuição  receberá um benefício com um redutor de 30%.  

Professores – para o RGPS a regra estabelece idade mínima (hoje não há essa exigência)  e aumenta o tempo mínimo de contribuição de 25 para 30 anos.

Mulheres – aumenta a idade mínima e o tempo de contribuição para a aposentadoria.

É uma falácia afirmar que com a Reforma da Previdência sobraria dinheiro para a Saúde, pois esta sofreu um congelamento em seus gastos por 20 anos.

A Reforma da Previdência proposta onera os empregados que já estão contribuindo e desonera os empregadores, compostos por uma elite rentista, predadora e lumpem.

 

  • A despesa do RGPS (INSS) cresceu de 4,6% do PIB, em 1995, para uma estimativa de  8,6% DO PIB em 2018, ou seja, uma alta média anual de 0,17 p.p. do PIB. Entre 1995 e 2018, a despesa do RGPS cresceu à média de 6,2% a.a. em termos reais (acima da inflação), o que implica em mais que dobrar a cada 12 anos.   
Leia também:  Lições argentinas, por Paulo Kliass

 

O RGPS abrange o sistema previdenciário contributivo dos trabalhadores urbanos, o sistema não contributivo dos trabalhadores rurais (distribuição de renda) e programas de assistência social como o BPC. Tendo em vista a amplitude de proteção social desse regime a Constituição de 1988 instituiu  o Sistema de Seguridade Social exatamente para financiar o RGPS e para isso criou tributos chamados de Contribuições Sociais (Contribuição sobre o Lucro Líquido, Contribuição para o financiamento da Seguridade Social, PIS-PASEP, Concurso de Prognósticos, loterias, todos carimbados para serem usados na Seguridade Social). Quando ocorre crescimento econômico muito baixo as contas do RGPS são deficitárias e aí entra o mecanismo constitucional que cobre o famoso “rombo”.  Na realidade, o que está em jogo são os recursos não desprezíveis oriundos das Contribuições Sociais que representam bilhões de reais que a elite quer locar para seus próprios interesses.

 

  • Desigualdade no sistema atual: ricos tendem a se aposentar com maiores valores.

 

Os trabalhadores “ricos” se aposentam  por tempo de contribuição com a idade média de 54,6 anos em 2018 e com valor médio de cerca de R$ 2.231,00 enquanto os “pobres” se aposentam por idade aos 63 anos, com valor médio de R$ 1.252,00.

A solução então encontrada na proposta da Reforma é acabar com a aposentadoria por tempo de contribuição. Assim, a desigualdade será superada no Brasil igualando o valor das aposentadorias por baixo e aumentando a idade como requisito para as aposentadorias.  

 

  • Esse projeto para uma nova previdência é estruturado em alguns pilares fundamentais: combate às fraudes e redução da judicialização; cobrança das dívidas tributárias previdenciárias; equidade, tratando os iguais de forma igual e os desiguais de forma desigual, com todos os brasileiros contribuindo o equilíbrio previdenciário na medida de sua capacidade; além de um novo regime previdenciário capitalizado e destinado às novas gerações.
Leia também:  O ditador, a sua 'obra', e o grande blefe do senhor Guedes, por José Luís Fiori

 

Para as novas gerações que entrarem como contribuinte na “nova” previdência embarcarão numa canoa furada onde terão uma contribuição de valor definido e um benefício de valor indefinido quando se aposentar, porque não existirá contribuição nem dos empregadores nem do Estado; tão somente contribuirão os empregado para um fundo individual administrado  pelo capital financeiro e o valor a ser recebido quando da aposentadoria vai depender dos humores do mercado financeiro. A proposta de criação do regime de capitalização seria por meio de lei complementar não necessitando assim dos 3/5 dos votos exigidos na votação de uma PEC.

O sistema de capitalização fracassou na maioria dos países que o adotaram. De 1981 a 2014, 30 países privatizaram total ou parcialmente seus sistemas previdenciários. 18 já voltaram atrás retornando total ou parcialmente ao sistema anterior.

Quem ousou entrar na previdência privatizada e capitalizada? 14 países da América Latina, sendo o Chile de Pinochet o pioneiro,  Outros 14 são do Leste Europeu e da antiga União Soviética e dois países da África (Nigéria e Gana). Nenhum país capitalista desenvolvido como os Estados Unidos e os países da Europa Ocidental  entraram na nau da capitalização.

Já desembarcaram: Bolívia, Hungria, Croácia, Macedônia, Federação da Rússia, Cazaquistão, República Tcheca e Romênia. O Chile continua com a previdência capitalizada com os aposentados ganhando menos de um salário mínimo e muitos apelando para o suicídio para saírem do estado de miséria em que se encontram.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT), órgão da ONU, publicou um trabalho com o título de “Reversão da Privatização da Previdência: questões chaves”, onde mostra  que “o regime de capitalização fracassou na maioria dos países que o adotam e que consequências provocou: as taxas de cobertura estagnaram ou diminuíram, as prestações previdenciárias se deterioram, a desigualdade de gênero e de renda aumentou; os altos custos de transição criaram pressões fiscais enormes; os custos administrativos tornaram-se  elevados; com governança frágil, houve captura de funções de regulação e supervisão; concentração no setor de seguros privados; deteriorou-se o diálogo social e os riscos demográficos e do mercado financeiro foram transferidos para os indivíduos”.

Resumo da ópera: o sistema de capitalização previdenciário é o paraíso para o capital financeiro e o inferno para os aposentados.  

Calino Pacheco Filho, economista e membro do FRONT – Instituto de Estudos Contemporâneos

1 comentário

  1. Economistas com vergonha na cara, responda a pergunta: para onde está o do o dinheiro que estão economizando com a PEC da.morte? Qual o.montante economizado até o momento?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome