Livro “Dark Star Rising”: como a Magia e o Oculto levaram Trump e Alt-right ao poder, por Wilson Ferreira

Hoje, dentro do cenário da ascensão da chamada “direita alternativa” (alt-right), surge uma nova convergência: a partir de nomes como Steve Bannon e Richard Spencer, a Magia do Caos (corrente esotérica moderna) encontra-se com Internet, redes sociais e a campanha vitoriosa de Donald Trump.

por Wilson Ferreira

Quando pensamos em magia e ocultismo logo associamos a coisas como feitiçaria, estranhos rituais, incensos, satanismo etc. Porém, a magia moderna está muito além disso.  Desde que, no século XX, o mundo da magia e do oculto, representado por figuras como Julius Evola e Aleister Crowley, se encontrou com a propaganda política e meios de comunicação de massa na conjuntura do nazi-fascismo. Hoje, dentro do cenário da ascensão da chamada “direita alternativa” (alt-right), surge uma nova convergência: a partir de nomes como Steve Bannon e Richard Spencer, a Magia do Caos (corrente esotérica moderna) encontra-se com Internet, redes sociais e a campanha vitoriosa de Donald Trump. Esse é o tema do livro “Dark Star Rising – Magick and Power in the Age of Trump”, de Gary Lachman – pesquisador que investiga as conexões entre Sincromisticismo e Política. Para o pesquisador, assim como crianças brincando com fósforos, a extrema-direita manipula elementos da Magia do Caos (o Caos como método pragmático: “sigilos”, “memes mágicos” etc.) numa rede digital global que substitui o Plano Astral. Com consequências imprevisíveis. A não ser, a conquista do Poder.

Em novembro de 2016, logo depois da vitória eleitoral de Donald Trump, Richard Spencer (líder do National Policy Institute – grupo de lobby de supremacistas brancos e da chamada “direita alternativa”, alt-right), declamou para uma entusiástica plateia que aplaudia: “Heil Trump! Heil nosso povo! Heil nossa vitória! Nós queríamos Donald Trump na Casa branca. Nós fizemos o sonho se tornar realidade!”.

Em 2014, num congresso no Vaticano sobre populismo e capitalismo, o guru ideológico e estrategista da campanha eleitoral de Trump, Steve Bannon, citou em seu discurso o filósofo esotérico italiano Julius Evola – associado profundamente ao nazismo e proponente do “Tradicionalismo”: visão de mundo popular nos círculos de extrema-direita e religiosos alternativos. Baseando-se na tradição ocultista e esotérica, Evola acreditava que progresso e igualdade eram noções perniciosas.

Idealizava a “Sinarquia” (oposto de anarquia): um governo total de uma elite supranacional, uma “Civilização Solar” europeia organizada em castas. Apesar de ter inspirado o fascismo de Mussolini, Evola preferia os nazistas alemães por considerar os italianos “excessivamente mansos”.

Leia também:  O alvará da manicure e outras irrelevâncias do plano econômico inexistente, por Andre Motta Araujo

Suas ideias chegam aos EUA e ao movimento alt-right através do site Breibert News, de Steve Bannon. Para Jason Horowitz, jornalista do New York Times, “o fato de Bannon conhecer Evola já é significativo”.

É a partir desses dois episódios que o pesquisador Gary Lachman inicia o seu livro “Dark Star Rising – Magick and Power in the Age of Trump” (Nova York, Tarcher Perigee, 2018) no qual descreve como círculos concêntricos formado por ocultistas e mágicos da mente em torno da figura de Trump o impulsionaram para a vitória.

Muito já foi escrito sobre como Trump chegou à Casa Branca através de roubo de dados do Facebook e manipulação de informações das redes sociais por meio da Cambridge Analytica e Renassaince Technologies de Robert Mercer.

Gary Lachman: de baixista da banda punk-new wave “Blondie” à pesquisa acadêmica

Magia do Caos

Para Gary Lachman essa é a superfície “racional” de um movimento mais profundo, sincromístico, envolvendo conexões entre Internet e a chamada “magia do caos” (“Chaos Magick”) e o movimento esotérico moderno que se convencionou chamar de “Novo Pensamento” – conjunto de crenças e filosofias na qual se acredita que “magia” nada tem a ver com cerimônias, rituais, feitiços ou encantamentos. Mas se trata de como a mente pode influenciar diretamente a realidade. Através de “esforços mentais” poderíamos fazer “coisas acontecerem”.

A exaltação de Richard Spencer ao afirmar que “fizemos o sonho virar realidade” e as conexões de Bannon com o pensamento de Julius Evola são as primeiras pistas das complexas ligações entre magia, ocultismo e propaganda política.

Antes de lermos esse livro, temos que considerar que não estamos diante de um pesquisador comum. Lachman é autor de muitos livros de como a tradição ocultista e esotérica Ocidental se imbrica com a Política e o Poder. Além de professor do California Institute of Integral Studies, seu perfil, por assim dizer, heterodoxo se completa com o fato de ter sido o baixista da banda punk-new wave “Blondie”, da vocalista Debbie Harry. Além de ter sido incluído no “Rock and Roll Hall of Fame”.

Desde os anos 1990, paralelo aos constantes revivals do Blondie, Lachman tornou-se pesquisador e escritor de uma série de livros em que descreve o lado sombrio do ocultismo Ocidental: o seu appeal pela conquista do Poder através da Magia.

Leia também:  Para agradar conservadores, Trump ataca mulheres de baixa renda sufocando clínicas de aborto

Magia e movimento Punk

O que torna a pesquisa de Gary Lachman interessante é que ele é um observador participante – é ao mesmo tempo um insider da indústria da cultura pop e um pesquisador de como essa indústria está conectada com muitos movimentos ocultistas que, ao final, acabaram inspirando ideologicamente da direita alternativa.

Austin Spare e a Magia do Caos

Por exemplo, “Dark Star Rising” descreve como a chamada “Magia do Caos” surge nos anos 1970 como movimento anárquico (baseado em Wicca e Thelema de Aleister Crowley) para desmistificar o “Oculto” no qual cada indivíduo pode criar seu próprio “sistema mágico”. A partir do legado do artista plástico inglês Austin Spare (1886-1956, criador de um sistema mágico pessoal baseado em técnicas como “Sigilo”, “Atavismos” e “Alfabetos do Desejo”), parte-se da ideia de que, a priori, “qualquer coisa é verdadeira e possível”.

Por exemplo, nos anos 1970 surge o “Stoke Newington Sorcerors” (SNS), grupo ocultista envolvido diretamente com o início do movimento Punk na Inglaterra, declarando-se um grupo libertário, dentro das correntes mágicas, chamado de “caoístas”.

O ocultismo de Julius Evola e Magia do Caos irão convergir com Steve Bannon, ainda potencializado com uma tradição filosófica norte-americana: o chamado “Novo Pensamento” com diversos nomes como “Ciência Mental” ou Ciência da Mente”, cujo grande devoto é Donald Trump. Principalmente através popularização feita pelo Reverendo Norman Vincent Peale no livro O Poder do pensamento Positivo de 1952 – a ideia de que a mente pode superar qualquer obstáculo.

Os princípios da Magia do Caos

“Não faço negócios de rotina” ou “Eu jogo muito solto” são afirmações de Trump que para Gary Lachman são crípticas.  Para Trump, tudo é uma questão da vitória da vontade. Esse é um princípio básico da magia do caos: o que importa é o resultado. O mago do caos não deve crer em nada. A crença só é necessária no momento da operação, da estratégia. É a vontade destituída de qualquer princípio ou valores. É o niilismo do “tudo é possível”. É no vácuo de valores ou princípios que toda a magia se realiza.

Leia também:  Base de Alcântara: análise constitucional do acordo entre Brasil e EUA, por Jorge Rubem Folena

Caos: o mesmo modus operandi

Outro princípio é o de descondicionamento,desconstrução: o praticante deve perceber a relatividade ou validade de qualquer conceito. Nada tem sentido intrínseco. Por isso, não há problema algum em se contradizer.

Outra tônica da magia do caos é a forte dose de humor e irreverêncianas práticas e declarações. Atento à relatividade de tudo, o mago do caos não deve levar qualquer coisa a sério – a gargalhada é uma das maiores formas de banimento para a magia.

Para Lachman todos essas características da magia do caos estão ligadas ao espírito dos berços cibernéticos da alt-right: o site Breibart.com e o fórum 4chan– locais onde foram exercitados a atitude niilista de brincar com a realidade, criando pós-verdades e realidades alternativas: teoria da terra plana e a conspirações dos “globalistas”; o escândalo do “pizzagate” envolvendo Hillary Clinton, satanismo e pedofilia; bases nazistas no lado oculto da Lua,  etc.

O crescimento e popularização da Internet tornou-se uma via importantíssima para o desenvolvimento da Magia do Caos. Mais do que um canal que facilitou de difusão das ideias ocultistas, a Rede parece que surgiu por encomenda para os caoístas – tornou-se o próprio substituto do Plano Astral dentro da hipótese do Sincromisticismo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Gary Lachman traz novamente à baila uma corrente de direita que já foi profundamente analisada e diagnosticada no clássico ” O Despertar dos Mágicos”, de Louis Palwels & Jacques Bergier, que, final da década de 60 lançavam um grito de alerta para os céticos sobre a realidade paralela que, oculta, comandava a realidade aparente.
    Outra leitura interessante e complementar é “Hitler e as religiões da Suástica”, de Jean Michel Angerant, embora seja mais difícil de se obter pois existe uma censura não oficial para essa publicação. Facilmente encontrada na Europa, aqui sofre uma censura não oficial por parte daqueles que tem interesse na burrice e em manter a ignorância do povo, facilitando a manipulação e ocultação da verdade…

  2. Quando escutamos uma conversa entre Freixo e Janaína Paschoal poderíamos interpretar como as forças do oculto, capitaneada pela representante do lado negro da força atraindo um legítimo representante do bem através de algo fantástico e imaginoso como a Magia do Caos, ou simplesmente podemos analisar com cuidado a trajetória confusa de Freixo e seus aliados no PSOL, como Luciana Genro, que durante anos a fio simplesmente apoiaram ações da Lava Jato, propuseram e votaram leis que promoveram o encarceramento em massa, tudo em nome de uma ética pequeno burguesa que deveria punir a todos, mas que na realidade só lotaram a cadeia de analfabetos e pobres.
    Poderia citar outras situações análogas, como apoio ao mensalão, petrolão e um monte de baboseiras que fascinaram toda uma geração de pequenos burgueses que no fundo viam os não brancos e mal posicionados como inimigos. Quando se foge de uma análise baseada em uma sociedade de classes pode-se cair em qualquer esparrela, ou os “deuses astronautas”, na época do realismo fantástico, ou até no ETE de Varginha.
    Pois bem, agora vem mais uma análise fantástica baseada num livro também fantástico, que interpreta fatos como o fascismo italiano ou o nazismo alemão como forças do ocultismo, e esquecem que os grandes empresários italianos e alemães para evitar uma revolução socialista em seus países, alimentaram políticos de extrema-direita para fazerem o seu trabalho sujo até o momento que eles se tornaram algozes dos seu próprio povo.
    Hillary Clinton não perdeu as eleições simplesmente porque ela foi envolvida por calúnias satanistas e pedófilas, ela perdeu porque ela não apresentou nenhum plano real para tirar grande parte do seu eleitorado da decadência da indústria norte-americana, da mesma forma que Bolsonaro ganhou as eleições devido a ações de bruxos modernos e ocultistas, simplesmente porque uma grande trama, levada pelos representantes da oligarquia na imprensa e judiciário com a retaguarda coberta pelas forças armadas retirou no último momento o candidato preferencial da população e substitui-o por outro desconhecido da maioria do eleitorado sem o mínimo tempo e sem a mínima empatia com o povo para fazer no mínimo 10% do que faria um verdadeiro líder popular como Lula.
    Ocultismo, Plano Astral, Magia do Caos, Sincromisticismo e mais outras palavras vazias que talvez animem pessoas que gostem de achar teorias conspiratórias fora da extrema-direita, poderão animar debates de grupos esotéricos que simplesmente negam que a sociedade é dividida em classes sociais e que na luta entre elas é que está a chave de tudo, mas como diz o princípio lógico e epistemológico da Navalha de Occam, as explicações mais simples e baseadas num número menor de premissas é considerado geralmente reducionista e não criam explicações fantásticas que ocupam o nosso cérebro com um número enorme de coincidências e explicações de algo que é simples.

    1
    2
  3. Quando escutamos uma conversa entre Freixo e Janaína Paschoal poderíamos interpretar como as forças do oculto, capitaneada pela representante do lado negro da força atraindo um legítimo representante do bem através de algo fantástico e imaginoso como a Magia do Caos, ou simplesmente podemos analisar com cuidado a trajetória confusa de Freixo e seus aliados no PSOL, como Luciana Genro, que durante anos a fio simplesmente apoiaram ações da Lava Jato, propuseram e votaram leis que promoveram o encarceramento em massa, tudo em nome de uma ética pequeno burguesa que deveria punir a todos, mas que na realidade só lotaram a cadeia de analfabetos e pobres.
    Poderia citar outras situações análogas, como apoio ao mensalão, petrolão e um monte de baboseiras que fascinaram toda uma geração de pequenos burgueses que no fundo viam os não brancos e mal posicionados como inimigos. Quando se foge de uma análise baseada em uma sociedade de classes pode-se cair em qualquer esparrela, ou os “deuses astronautas”, na época do realismo fantástico, ou até no ETE de Varginha.
    Pois bem, agora vem mais uma análise fantástica baseada num livro também fantástico, que interpreta fatos como o fascismo italiano ou o nazismo alemão como forças do ocultismo, e esquecem que os grandes empresários italianos e alemães para evitar uma revolução socialista em seus países, alimentaram políticos de extrema-direita para fazerem o seu trabalho sujo até o momento que eles se tornaram algozes dos seu próprio povo.
    Hillary Clinton não perdeu as eleições simplesmente porque ela foi envolvida por calúnias satanistas e pedófilas, ela perdeu porque ela não apresentou nenhum plano real para tirar grande parte do seu eleitorado da decadência da indústria norte-americana, da mesma forma que Bolsonaro ganhou as eleições devido a ações de bruxos modernos e ocultistas, simplesmente porque uma grande trama, levada pelos representantes da oligarquia na imprensa e judiciário com a retaguarda coberta pelas forças armadas retirou no último momento o candidato preferencial da população e substitui-o por outro desconhecido da maioria do eleitorado sem o mínimo tempo e sem a mínima empatia com o povo para fazer no mínimo 10% do que faria um verdadeiro líder popular como Lula.
    Ocultismo, Plano Astral, Magia do Caos, Sincromisticismo e mais outras palavras vazias que talvez animem pessoas que gostem de achar teorias conspiratórias fora da extrema-direita, poderão animar debates de grupos esotéricos que simplesmente negam que a sociedade é dividida em classes sociais e que na luta entre elas é que está a chave de tudo como diz o princípio lógico e epistemológico da Navalha de Occam, as explicações mais simples e baseadas num número menor de premissas explica melhor os fatos, porém como ele é considerado geralmente reducionista e não criam explicações fantásticas que ocupam o nosso cérebro com um número enorme de coincidências e explicações de algo que é simples, parte-se para um novo realismo fantástico.

Comments are closed.