Luis Fernando Veríssimo e o projeto de país do Chile, por Victor Saavedra

Sebastián Piñera decide reforçar as forças repressivas do país e convocar Conselho de Segurança Nacional 

Luis Fernando Veríssimo e o projeto de país do Chile, por Victor Saavedra

No conto Segurança, Veríssimo fala de um condomínio e seus moradores, que exigiam mais e mais proteção. A cada investida para deixá-los seguros em suas casas, a frustração, pois os assaltos continuavam. “Construíram uma terceira cerca. As famílias de mais posses, com mais coisas para serem roubadas, mudaram-se para uma chamada área de segurança máxima. E foi tomada uma medida extrema. Ninguém pode entrar no condomínio. Ninguém. Visitas, só num local predeterminado pela guarda, sob sua severa vigilância e por curtos períodos. E ninguém pode sair” *¹.

Como se seguisse a receita do escritor brasileiro, Sebastián Piñera apresentou uma série de projetos que aumentam as ferramentas das forças de segurança e a punição para aqueles que participem das manifestações. Entre as propostas está a punição para quem cubra o rosto durante os protestos, mesmo que rodeado por uma névoa de gás lacrimogêneo.

O Chile de Piñera, se é que ainda possui algum capital político, terá uma equipe de advogados do Ministério do Interior para colaborar com a perseguição dos responsáveis desse tipo de delitos. Também será montado um time especial do Promotoria, Carabineros e a Polícia de Investigações, para melhorar o trabalho de inteligência preventiva, leia-se escutas, hackeio e perseguição de dirigentes. Isso sem falar do uso de drones e das câmeras de segurança espalhadas pela capital chilena.

Já previa Veríssimo, em seu conto, “agora, a segurança é completa. Não tem havido mais assaltos. Ninguém precisa temer pelo seu patrimônio. Os ladrões que passam pela calçada só conseguem espiar através do grande portão de ferro e talvez avistar um ou outro condômino agarrado às grades da sua casa, olhando melancolicamente para a rua. Mas surgiu outro problema. As tentativas de fuga. E há motins constantes de condôminos que tentam de qualquer maneira atingir a liberdade. A guarda tem sido obrigada a agir com energia”.

Esta quinta-feira, às 19:00, o presidente convocou o Conselho de Segurança Nacional, formado pelo presidente da República, pelos presidentes da Câmara de Deputados, do Senado, e o da Corte Suprema, o Procurador da Geral República, os comandantes das Forças Armadas e o General Diretor de Carabineros.

*¹ Segurança – Comédias para se ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008