Menos choro e mais Ação, por Sergio Xavier Ferolla

Em vez de propostas inovadoras, boa parte desses ineptos líderes com mentes psicóticas, se aprazem com lamentos em artigos, seminários e histórias já superadas pela modernidade, para a satisfação de reduzido grupo enraizado no passado.

Menos choro e mais Ação

por Sergio Xavier Ferolla

Para aqueles que se preocupam com o desenvolvimento do país, a cada dia se confirmam falta de objetivos concretos e o costumeiro ziguezague nas políticas governamentais. Enquanto nações, com visão de futuro, se estruturam sob projetos soberanos, dando ênfase ao aprimoramento da produção e ao bem-estar social, nossos líderes caipiras deixam passar oportunidades e perdem tempo debatendo questiúnculas domésticas. Com inúteis choramingos, atribuem os insucessos aos bloqueios e abusos do capital especulativo. Com tal comportamento, validam o pejorativo “complexo de vira-latas”, no passado usado pelo escritor Nelson Rodrigues em relação ao futebol do seu tempo.

Realmente não existem anjos nessa história mas, infelizmente, muitas vezes o “subdesenvolvimento” é estimulado por demônios trajando verde e amarelo. Nesse contexto de hipocrisias, se omitem e ou menosprezam os que, com dedicação e honestidade, levaram o país ao pódio dos vitoriosos. Uma EMBRAER, por exemplo, contrariando os que veneram o pessimismo, se posiciona entre as destacadas empresas na produção de modernos aviões.

Em vez de propostas inovadoras, boa parte desses ineptos líderes com mentes psicóticas, se aprazem com lamentos em artigos, seminários e histórias já superadas pela modernidade, para a satisfação de reduzido grupo enraizado no passado. Como arqueólogos explorando temas de edificantes períodos da nacionalidade, reiteram sonhos inalcançáveis, em vez de proporem novos caminhos para a reformulação nacional.

Dentre as muitas questões com potencial para realimentar o desenvolvimento, o petróleo representa um tema sempre presente nas análises de estudiosos da questão energética e técnicos do estratégico setor. No Brasil, a campanha do “petróleo é nosso” o transformou em símbolo da luta em defesa do patrimônio nacional e culminou com a criação da Petrobras. No entanto, as alternâncias políticas colocaram Fernando Henrique Cardoso no poder e com ele, o neoliberalismo formulado por interesses econômicos em 1989, no “Consenso de Washington”.

Tendo a privatização como bandeira, a Petrobras foi colocada, como atrativo, na Bolsa de Valores de Nova Iorque. Gananciosos investidores, ao adquirirem boa parcela das Ações, tornou-a incapaz de lutar pelos interesses brasileiros, pois as regras do mercado impunham satisfazer todos os controladores. Assim sendo, apesar de ostentar uma imagem estatal, como minoritário o governo ficou obrigado a acatar os interesses dos acionistas. Tal condição, não compreendida pelos apaixonados “petroleiros”, suscita pretensões que ultrapassam o alcance do hipotético Estado controlador como, por exemplo, definir preços para combustíveis.

Mais remota, ainda, seria a recompra das Ações transferidas aos estrangeiros, por exigir os vultosos recursos não disponíveis no tesouro nacional. Dessa forma, com visão em novos horizontes e buscando superar as limitações surgidas com a quebra do monopólio estatal, novos objetivos não mais deveriam se voltar à defesa da Petrobras que, mesmo cultuada como símbolo do nacionalismo, tornou-se um fóssil no contexto das políticas liberais.

Daí a necessidade de atitudes realistas e renovadoras, como fazer uso da legislação vigente para exercer melhor apropriação dos montantes produzidos e exportados pela Petrobras, por suas associadas e grupos agraciados nos contratos de Concessão.

Valioso espaço foi aberto com a criação da PPSA, (Pré-sal Petróleo SA), destinada a participar, em nome do governo, nos Conselhos das empresas e controlar as etapas de produção e exportação dos produtos, na região do pré-sal. Assim sendo, o esforço patriótico deveria se voltar para tão estratégico instrumento estatal, buscando aprimorar a legislação inserindo a supervisão dos Contratos e dos montantes de propriedade do governo federal.

Mais abrangente, ainda, seria estender sua ação na supervisão do refino e na distribuição dos produtos de óleo e gaz ao longo do território nacional.

Na concepção de um Projeto Nacional, acurada atenção deveria estar voltada para história, ao destacar países cujas origens e a capacitação de cidadãos esclarecidos, lograram demarcar bons caminhos para o posicionamento no concerto das nações. Por isso, nada poderá ser edificado pela imitação e, muito menos, pela assimilação das máculas e cicatrizes de outros povos. No entanto, atitudes benfazejas devem merecer análise, quando indicarem sucesso nas situações complexas, como a atual crise sanitária, econômica e social causada pela pandemia do “coronavírus”.

Um bom exemplo, no momento, vem dos Estados Unidos, desde as manifestações que destronaram o supremacista Trump. Eleito um novo governo, o Presidente não só determinou a reversão da antipolítica social de direita radical, como decidiu apostar no futuro, colocando bilhões de dólares na educação, saúde e ciência, para estimular postos de trabalho e conquistas tecnológicas.

Tais atitudes, nesse desafiante cenário enfrentado pela humanidade, deveriam motivar atores na periferia do sistema, tanto posicionados à esquerda como à direita, para que entendam que os interesses nacionais exigirão a união de todos os patriotas.

Também é importante considerar que, nas transformações que despontam, inclusive nas regiões mais prósperas, onde o capital encontra livre trânsito, sadio sentimento nacionalista e democrático ressurge como bandeira de união nacional.

Em nosso país, infelizmente, além desse sentimento pouco se manifestar, ainda copiamos mal feitos e psicoses externas, muito diversas da realidade doméstica. Tanto pelas raízes étnicas como pelos sadios laços familiares, as aleivosias que circulam nas redes sociais não podem merecer crédito para acirrar desconfianças e ódios na tradicional população brasileira. Mesmo assim, em defesa dos sadios costumes e da paz social, faz-se urgente mobilizar líderes e cidadãos de bem para, superando o complexo de subdesenvolvido, perniciosamente inserido no seio da sociedade, repudiar tão estapafúrdias proposições e fazer ressurgir saudável espírito restaurador.

Como lema da renovação, destacar o brado do Embaixador Araújo Castro que, no Plenário da ONU afirmou: “nenhum país escapa ao seu destino e, feliz ou infelizmente, o Brasil esta condenado à grandeza. A ela condenado por vários motivos, por sua extensão territorial, por sua massa demográfica, por sua composição étnica, pelo seu ordenamento socioeconômico e, por sua incontida vontade de progresso e desenvolvimento. Ou aceitamos nosso destino como país grande, livre e generoso, sem ressentimentos e sem preconceitos, ou corremos o risco de permanecer à margem da história, como povo e como nacionalidade”.

 Tenente Brigadeiro Sergio Xavier Ferolla – Ministro Ap do Superior Tribunal Militar

Este artigo não expressa necessariamente a opinião do Jornal GGN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. PUTZ. UM SUJEITO QUE DEVERIA DEFENDER A SOBERANIA NACIONAL SE RENDE.
    OS ASSASSINOS DA DITADURA PASSADA ACAMPARAM A LIGHT,ERAM ASSASSINOS E VERDUGOS DA DEMOCRACIA MAS AO MENOS PENSAVAM A SOBERANIA,POSSUÍAM CERTO ORGULHO,OS DE HOJE SÃO VERMES ENTREGUISTAS.

  2. Excelente lembrança a atuação do embaixador Araújo Castro na ONU e a menção da EMBRAER como um empreendimento exitoso ao lado da CSN, Petrobras,Eletrobras,CNPq e outros . a questão central é como andam essas conquistas do povo brasileiro.
    O exemplo de Biden é meritório para os EUA e de difícil assimilação pelas elites econômicas e políticas do país.

  3. Excelente menção ao esquecido embaixador Araújo Castro e a tantos outros precursores da EMBRAER, PETROBRAS ,CSN, CNPq, ELETROBRAS e que estão fazendo muita falta ao nosso país.

  4. “Senhor, é o paraíso?” indagou o futuro embaixador brasileiro no local onde mais tarde seria erguida a Basílica de São Pedro no Vaticano, numa visita secreta de inspeção e ajuste liderada pela Divindade que queria expandir seus investimentos imobiliários pelo universo. “Calor o ano inteiro”, reiterou o futuro diplomamata, “água salgada e doce abundantes, recursos naturais inesgotáveis, beleza paisagística exuberante, Pré-Sal, Embraer, Almirante Othon, Mãe Menininha, Irmã Dulce, Pelé, Adhemar Ferreira da Silva, Lula, Ariano Suassuna, Eva Vilma, Adele Fátima, Clementina de Jesus, Tom, Caymmi, o pai, Vinícius, tanta coisa, tanta gente, Dona Jandira de BH, Lia da Ilha, Dercy Gonçalves, porra! reitero, é o paraíso?” “Calma meu querido e amado e curioso e apressado interlocutor. Não precisa pecar com palavras de baixo calão na frente… Bem, vamos ao que interessa, você ainda não conhece a elite que estou preparando para colocar lá!” “Hosana nas alturas”, findou Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly (e Apporelly), futuro Barão de Itararé.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome