O discurso de Guedes está ficando anacrônico até mesmo para os capitalistas, por Rogério Maestri

Em resumo uma reunião com a Tríade, a Camorra, a Yakusa, a Cosa Nostra e a Máfia Russa, renderia mais recursos para o governo do que em Davos.

Walter Duerst - World Economic Forum

O discurso de Guedes está ficando anacrônico até mesmo para os capitalistas

por Rogério Maestri

Como todos sabemos, o que realmente interessa aos capitalistas é o lucro, o resto é papo furado. Porém, mesmo com este interesse explícito, a atual concentração de renda promovida pelo neoliberalismo começa a ficar desconfortável, se não perigosa, para o sistema. Logo, é importante disfarçar um pouco ou até achar “Bodes Expiatórios“.

Da mesma forma que a presença da União Soviética levou à criação da economia do bem-estar social, a ausência da mesma levou ao neoliberalismo, onde este estado de bem-estar social começa a ser demolido no mundo inteiro.

Porém, ao mesmo tempo que a acumulação de capital aumenta ano a ano, de tal forma que no último relatório da Oxfam, 2153 bilionários do mundo agora detém mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas (60% da população do mundo), coisa que na realidade não incomodaria por muitas noites os 2153 bilionários. Mas, por outro lado, o que preocupa os, diríamos, poucos milhões de super-ricos do planeta, são duas coisas completamente ligadas, o “The 2020 Edelman Trust Barometer” – uma organização criada para verificar a simpatia dos habitantes do planeta Terra -, pesquisando em todo o mundo chegou a um resultado em que 73% da população mundial tem um desejo urgente de mudança.

Por outro lado, todo este estudo mostra que há uma ruptura crescente entre a confiança no futuro daqueles que ele chama pessoas entre 35 a 64 anos bem informadas (pessoas da pequena burguesia) com o público em geral (proletariado e pobres em geral) que em 2012 diferenciavam-se das opiniões sobre a confiança nas empresas, meios de comunicação tradicional, governos e ONGs que em 4%, 3%, 3% e 8% passaram a 17%, 13%, 10% e 15%. O próprio Edelman Trust Barometer fica surpreso com a queda de credibilidade das ONGs, que aumentou para os mais ricos de 55% em 2012 para 66% em 2020. Por outro lado, na população pobre o aumento de credibilidade está quase dentro do limite de confiança da pesquisa, pois passou de 47% para 51%.

Leia também:  Teologia da Prosperidade contra Teologia da Libertação do Crédito, por Fernando Nogueira da Costa

Em todos os itens da pesquisa realizada está clara a noção de polarização entre a fração mais instruída (mais rica) da população e a fração mais pobre. É evidente, mesmo para as ONGs, que era uma espécie de sucedâneo que o capital que financiava estas instituições, pensava em substituir organizações como partidos políticos e sindicatos nas reivindicações dos interesses da massa trabalhadora.

Também é interessante destacar que, mesmo nos USA, onde a economia vai relativamente bem com o bolo crescendo, como diria o Delfim Neto, mas não sendo repartido, que 62% das elites estão esperançosas com o futuro e somente 48% da população em geral assim o está. Em outros países do G7 a desesperança da população em geral é ainda maior, quem confia no futuro (melhores resultados em cinco anos) são no Reino Unido 27%, na Alemanha 23%, na França 19% e puxando a fila dos desesperançados vem o Japão em que somente 15% da população acha que vai melhorar. No mundo inteiro a pesquisa revelou que os que estão bem de vida, 50% acham que as coisas irão melhorar, mas somente 41% da população em geral são otimistas.

Mas o pior não está nisto tudo, está no que o futuro poderá revelar, se por um acaso, algo que não é nada difícil de ocorrer, o mundo entrar numa nova crise, estes índices de descontentamento saltarão como pipocas, e pipocas em todo o mundo, levando a credibilidade do sistema capitalista para valores da ordem de uma dezena. E se começar algum movimento propondo uma nova sociedade, provavelmente o número de adeptos desta nova proposta ultrapassará em muito aos adeptos de continuar na mesma.

Leia também:  Heroísmo petroleiro, por Frei Sérgio Görgen

Mas voltando ao Paulo Guedes em Davos, esta criatura está tão desinformada que nem sabe as tentativas que os representantes do Imperialismo estão fazendo no tal de encontro de enricados. Pois bem, um dos fundadores do famigerado do Clube de Bilderberg, Klaus Schwab , fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial, coloca propostas para um chamado “Manifesto de Davos‘ para um melhor tipo de capitalismo”, em que a pirralha Greta terá muito maior importância e evidência de propostas imbecis de Guedes.

Para o Brasil, o cinismo do Imperialismo Internacional, pode ser extremamente deletério para o nosso país, pois no lugar de eleger Trump que já está em curva descendente, nada melhor do que um governo Nazifascista para eleger como “O escroto da Humanidade”, ou seja, no lugar dos investimentos que Guedes busca num lugar no momento impróprio, pois seria melhor que ele fosse buscar investimentos junto às máfias internacionais, pois conforme o documento The Global Risks Report 2020, a política de Bolsonaro está exatamente no sentido oposto dos documentos centrais de Davos.

Resumindo por pontos:

  1. O capitalismo está num impasse social, cultural e ambiental.
  2. A população mundial rapidamente, muito mais rápido do que os donos do mundo esperavam, se dando conta que toda a superestrutura sob o ponto de vista marxista está enganando-a, por consequência uma ideia de substituir a infraestrutura pode colar.
  3. Os capitalistas ,para não perderem seus lucros, procuram desesperadamente uma saída rápida para evitar o ponto (2).
  4. Que nada melhor para dar algum tempo para realizar o (3) achar um país grande e relativamente importante para elegê-lo o “judas” e dar uma satisfação temporária às massas.

Em resumo uma reunião com a Tríade, a Camorra, a Yakusa, a Cosa Nostra e a Máfia Russa, renderia mais recursos para o governo do que em Davos.

1 comentário

  1. No Brasil 247 saiu uma reportagem em que o presidente do banco Itaú Unibanco, Candido Bracher, declara que o Brasil virou o VILÃO AMBIENTAL. A reportagem é do dia 25 e este artigo foi escrito quatro dias antes. Este presidente do Itaú Unibanco parece que tem uma assessoria que deve ser um monte de ineptos como o Guedes, pois ele está escutando o totalmente previsível e se continuar com essa assessoria vai perder alguns bilhões.

Comments are closed.