O domínio evangélico na administração Trump: lições para Bolsonaro

 

Jornal GGN – Donald Trump se elegeu presidente dos EUA com apoio maciço dos cristãos evangélicos. Ainda hoje, ele cultiva 70% de aprovação nesse nicho, enquanto os demais eleitores brancos, em sua maioria, romperam com o governo nos dois primeiros anos. É para retribuir à sustentação dos evangélicos que Trump se amarra em propostas como a transferência da embaixada de Tel Aviv para Jerusalém. Passos, na América, copiados primeiro pela Guatemala e, agora, pelo Brasil sob Jair Bolsonaro.

O presidente brasileiro parece ter recuado da transferência de embaixada, mas ainda sustenta pautas evangélicas como a Escola Sem Partido e o combate, nas escolas, ao que chama de ideologia de gênero e marxismo cultural. O comprometimento do novo governo de extrema-direita com os eleitores evangélicos ficou sacramentado na escolha de uma pastora anti-religiões afros, anti-feminismo e contrária à diversidade sexual, Damares Alves, que costuma pregar a participação da Igreja na “restauração do Estado” e sua interferência em políticas públicas.

O artigo abaixo, do The Guardian, explica como a visão sionista desse segmento cristão interfere na política externa e doméstica dos EUA. Ao final, o articulista questiona se Trump ensaia libertar-se do casamento com os evangélicos – que pode lhe custar um recuo ou não em relação à guerra com o Irã – ou se continuará amarrado até o final do governo e usará o apoio dos fiéis na “guerra santa”, numa tentativa de desviar o foco de outros problemas de sua gestão.

Internamente, Trump já atendeu a demandas evangélicas revogando medidas tomadas por Barack Obama e patrocinando a batalha que se dará na Suprema Corte pela derrubada do caso Roe x Wade, que pode abrir caminho para a criminalização do aborto nos estados americanos. O GGN fez uma reportagem especial sobre o assunto, leia aqui.

Por Julian Borger 

No The Guardian

Ao definir a política do Oriente Médio da administração Trump, uma das primeiras coisas que Mike Pompeo deixou claro para sua audiência no Cairo é que ele havia chegado à região como “um cristão evangélico”.

Em seu discurso na Universidade Americana no Cairo, Pompeo disse que em seu escritório do departamento de Estado ele mantém “a Bíblia aberta na minha mesa para me lembrar de Deus e sua palavra, e a verdade.”

A principal mensagem do secretário de Estado no Cairo era que os EUA estavam prontos mais uma vez para abraçar os regimes conservadores do Oriente Médio, não importa o quão repressivos fossem, se eles tivessem uma causa comum contra o Irã.

Sua segunda mensagem foi religiosa. Em sua visita ao Egito, ele se comportou tanto como um pregador quanto como diplomata. Ele falou sobre a “bondade inata da América” e se maravilhou com uma catedral recém-construída como “um deslumbrante testamento da mão do Senhor”.

O desejo de apagar o legado de Barack Obama, o abraço instintivo de Donald Trump aos autocratas e os interesses privados da Organização Trump foram todos analisados ​​como forças motrizes por trás da política externa do governo.

A atração gravitacional dos evangélicos brancos tem sido menos visível. Mas poderia ter conseqüências políticas de longo alcance. O vice-presidente Mike Pence e Pompeo citam a teologia evangélica como uma poderosa força motivadora.

Assim como fez no Cairo, Pompeo convocou a congregação de uma mega-igreja do Kansan há três anos para participar de uma luta do bem contra o mal.

“Continuaremos a lutar essas batalhas”, disse o então congressista na igreja de Summit, em Wichita. “É uma luta sem fim… até o arrebatamento. Seja parte disso. Esteja na luta.”

Para o público de Pompeo, o arrebatamento invocou uma visão cristã apocalíptica do futuro, uma batalha final entre o bem e o mal e a segunda vinda de Jesus Cristo, quando os fiéis ascenderão ao céu e o resto irá para o inferno.

Para muitos cristãos evangélicos dos EUA, uma das principais condições para tal momento é a reunião dos judeus do mundo em um Israel maior, entre o Mediterrâneo e o rio Jordão. É uma crença, conhecida como dispensacionalismo pré-milenista ou sionismo cristão – e tem consequências potenciais muito reais para a política externa dos EUA.

Exibe diretamente as visões sobre o conflito israelo-palestino e, indiretamente, as atitudes em relação ao Irã, a geopolítica mais ampla no Oriente Médio e a primazia de proteger as minorias cristãs. Em sua visita ao Cairo, Pompeo elogiou Abdel Fattah al-Sisi, por construir a nova catedral, mas não fez referência aos 60 mil presos políticos que o regime estaria mantendo, ou ao seu uso rotineiro de tortura.

Pompeo é um presbiteriano evangélico, que diz ter sido “levado a Jesus” por outros cadetes da academia militar de West Point nos anos 80.

“Ele sabe melhor como sua fé interage com suas crenças políticas e os deveres que assume como secretário de Estado”, disse Stan van den Berg, pastor sênior da igreja de Pompeo, em Wichita, por e-mail. “É suficiente dizer que ele é um homem fiel, tem integridade, tem um coração compassivo, uma disposição humilde e uma mente para a sabedoria.”

Como Donald Trump se vê cada vez mais dependente deles para sua sobrevivência política, a influência de Pence, Pompeo e os evangélicos brancos ultraconservadores que estão por trás deles provavelmente crescerá.

“Muitos deles apreciam a segunda vinda porque para eles significa a vida eterna no céu”, disse Andrew Chesnut, professor de estudos religiosos da Virginia Commonwealth University. “Há um perigo palpável de que as pessoas em posição elevada que subscreverem essas crenças estarão mais preparadas para nos levar a um conflito que traga o Armagedom”.

Chesnut argumenta que o sionismo cristão se tornou a “teologia majoritária” entre os brancos evangélicos dos EUA, que representam cerca de um quarto da população adulta. Em uma pesquisa de 2015, 73% dos cristãos evangélicos disseram que os eventos em Israel são profetizados no livro do Apocalipse. Os entrevistados não foram perguntados especificamente se seus desenvolvimentos em Israel acreditavam que realmente traria o apocalipse.

A relação entre os evangélicos e o próprio presidente é complicada.

O próprio Trump personifica o oposto de um ideal cristão piedoso. Trump não é frequentador da igreja. Ele é profano, duas vezes divorciado, que se vangloria de abusar sexualmente de mulheres. Mas os evangélicos brancos o abraçaram.

Oitenta por cento dos evangélicos brancos votaram nele em 2016, e sua popularidade entre eles permanece nos 70%. Enquanto outros eleitores brancos se desfizeram nos primeiros dois anos de sua presidência, os evangélicos brancos tornaram-se seu último bastião sólido.

Alguns líderes evangélicos vêem Trump como um rei Cyrus, o imperador persa do sexto século a.C. que libertou os judeus do cativeiro babilônico.

A comparação é feita explicitamente em The Trump Prophecy, um filme religioso exibido em 1.200 cinemas em todo o país em outubro, representando um bombeiro aposentado que afirma ter ouvido a voz de Deus, dizendo: “Eu escolhi este homem, Donald Trump, para um tempo como este.”

Lance Wallnau , um autoproclamado profeta que aparece no filme, chamou Trump de “Candidato do Caos de Deus” e “Cyrus moderno”.

“Cyrus é a referência para um descrente designado por Deus como um vaso para os propósitos dos fiéis”, disse Katherine Stewart, que escreve extensivamente sobre a direita cristã.

Ela acrescentou que eles saúdam sua disposição em romper as normas democráticas para combater as ameaças percebidas em seus valores e estilo de vida.

“O movimento nacionalista cristão é caracterizado por sentimentos de perseguição e, até certo ponto, paranoia – um exemplo claro é a ideia de que há de alguma forma uma ‘guerra ao Natal'”, disse Stewart. “As pessoas nessas posições freqüentemente vão para líderes autoritários que farão o que for necessário para lutar por sua causa.”

Trump foi criado como um presbiteriano, mas inclinou-se cada vez mais para os pregadores evangélicos, quando ele começou a contemplar uma corrida para a presidência.

A escolha de Pence como companheiro de chapa foi um gesto de seu compromisso, e quatro dos seis pregadores em sua posse foram evangélicos, incluindo White e Franklin Graham, o filho mais velho do pregador Billy Graham, que defendeu Trump através de seus muitos escândalos sexuais, apontando: “Somos todos pecadores”.

Tendo perdido o controle da Câmara dos Deputados em novembro, e sob um exame mais minucioso das ligações de sua campanha ao Kremlin, o instinto de Trump tem sido o de se aproximar cada vez mais de seus partidários mais leais.

Quase sozinho entre os principais grupos demográficos, os evangélicos brancos são majoritariamente a favor do muro fronteiriço de Trump, que alguns pregadores identificam com fortificações na Bíblia.

Os elos evangélicos também ajudaram a moldar as alianças dos EUA na presidência de Trump. Como secretário de Estado, Pompeo tem sido fundamental na formação de elos com outros líderes evangélicos do hemisfério, incluindo o guatemalteco Jimmy Morales e o novo presidente brasileiro, Jair Bolsonaro . Ambos se comprometeram a seguir a liderança dos EUA em mudar suas embaixadas em Israel para Jerusalém.

A ordem de Trump de transferir a embaixada dos EUA de Tel Aviv – apesar das objeções de sua política externa e da equipe de segurança nacional – é um exemplo impressionante de força evangélica.

O movimento também foi impulsionado pelo bilionário de Las Vegas e pelo doador republicano, Sheldon Adelson, mas a orquestração da cerimônia de abertura da embaixada, em maio passado, refletiu a audiência que Trump estava tentando arduamente apaziguar.

Os dois pastores que receberam os principais lugares para falar eram ambos fervorosos cristãos sionistas: Robert Jeffress, um pastor de Dallas gravado dizendo que judeus, como muçulmanos e mórmons, estão destinados ao inferno; e John Hagee, um televangelista e fundador dos Cristãos Unidos por Israel, que uma vez disse que Hitler e o Holocausto faziam parte do plano de Deus para levar os judeus de volta a Israel, para pavimentar o caminho para o arrebatamento.

Para muitos evangélicos, o movimento cimentou o status de Trump como o novo Cyrus, que supervisionou os judeus retornando a Jerusalém e reconstruindo o Templo.

O cerco evangélico na administração também se refletiu em uma crescente hostilidade à ONU, muitas vezes retratada como uma organização sinistra e ímpia.

Desde que a embaixadora dos EUA, Nikki Haley, anunciou sua saída em outubro e Pompeo assumiu um controle mais direto, a missão dos EUA tornou-se cada vez mais combativa, bloqueando referências a gênero e saúde reprodutiva em documentos da ONU.

Alguns teólogos também vêem um tom cada vez mais evangélico nas políticas mais amplas do governo do Oriente Médio, em particular sua feroz adoção do governo de Binyamin Netanyahu, a falta de equilíbrio de simpatia pelos palestinos – e a insistente demonização do governo iraniano.

Os evangélicos, disse Chesnut, “agora vêem os Estados Unidos presos em uma guerra santa contra as forças do mal que eles vêem como corporificadas pelo Irã”.

Em um discurso no final de uma turnê regional na quinta-feira, Pompeo repetiu o tema, descrevendo o Irã como uma “influência cancerosa”.

Esse zelo por uma luta decisiva até agora encontrou uma causa comum com falcões mais seculares como o conselheiro de segurança nacional John Bolton e a própria iniciativa de Trump para eliminar o legado de Barack Obama, cuja assinatura foi o acordo nuclear de 2015 com Teerã, que Trump revogou em maio passado.

Em conversas com líderes europeus como Emmanuel Macron e Theresa May, Trump teria insistido que ele não tem intenção de entrar em guerra com o Irã. Seu desejo de libertar as tropas norte-americanas da Síria marca uma ruptura com os falcões, religiosos e seculares, que querem conter a influência iraniana no país.

Mas a lógica de sua política de pressão cada vez maior, aliada ao apoio irrestrito a Israel e à Arábia Saudita, torna cada vez mais provável o confronto com o Irã.

Uma das mais importantes questões de política externa de 2019 é se Trump pode se desviar do curso de colisão que ele ajudou a mobilizar – talvez evocando um acordo de última hora, como aconteceu com a Coréia do Norte – ou preferir o conflito como uma distração seus problemas domésticos, e vendê-lo aos fiéis como uma cruzada.

7 comentários

  1. Fala sério
    Os números e a análise está parcialmente correta. O ponto negativo é que apesar da maioria da comunidade evangélica incluir Israel nas profecias apocalípticas, a interpretação conhecida como dispensacionalista pré tribulacionists é antiga e nunca foi levada a sério no meio evangélico. Essa corrente futurista já fez sucesso literário nos anos da guerra fria, mas hoje não enche templo. Ficar rico para os neo pentecostais é mais importante do que ficar pensando no fim do mundo.

  2. Milenaristas reaças

    Os milenaristas neopentecostais reaças, sacerdotes e fanáticos religiosos de um modo geral, odeiam tanto a humanidade na qual vivem, e a qual não conseguem fazer retroagir para que se sintam seguros, em meio aos seus recalques, medos e ressentimentos que não pensam duas vezes ao militarem pelo fim do mundo, de modo a que possam desfrutar suas medíocres vidas eternamente no além túmulo.

    [video:https://youtu.be/EThQI9Hv5D4%5D

  3. A comunidade evangélica

    A comunidade evangélica americana já produz um show de horrores com boa renda e educação.

    Aqui, é uma cúpula de malandros que aprendeu a dominar uma massa de pobres usando aqueles programas da TV, aproveitando de fragilidade emocional e financeira, criando redes de networking aos moldes da maçonaria. Nada além de dinheiro e poder.

    Não tem como sair algo produtivo desse caldo. É preciso combater os evangélicos, que deixaram de ser religião para se tornar força política e das piores. Quando voltarem a ser apenas religião, voltam a ter a proteção ao direito de crença e paramos de criticar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome