O esvaziamento da Petrobras, por Jean Paul Prates

Para Prates, o que faz o governo é algo como vender a casa e passar a pagar aluguel para morar no mesmo imóvel.

Jornal GGN – O senador Jean Paul Prates, do PT-RN, vice-presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobras, alerta para o fato de que o governo está obrigando a empresa a manter suas refinarias operando a dois terços da carga. E de forma dissimulada. É uma intervenção direta na Petrobras com a alegação de tornar o mercado mais competitivo. Com isso negociam-se os ativos da estatal, deliberadamente esvaziando a empresa. O pior, na visão do senador, é que tudo é feito sem lógica, não há estratégia que justifique tal objetivo.

O artigo, publicado originalmente no jornal O Globo, aponta que, pior do que a insensibilidade do governo, é perceber que a indústria, a mineração, os exportadores e o agronegócio estão aceitando calados o desmonte do setor de gás. A venda de 90% da TAG, por exemplo, usada como engodo de que vai abaixar o preço do gás. Abaixar? Como acreditar que quem gastou US$ 8 bilhões para comprar uma rede de gasoduto não vá buscar recuperar o investimento feito aumentando tarifas?

Outro ponto abordado por Prates é o suposto acordo entre Petrobras e Cade, por meio da qual a estatal se obriga a vender oito refinarias de petróleo, além dos ativos relacionados a transporte de combustível. Como justificar?, pergunta o senador. O que se ganhou em troca foi o arquivamento de investigação de possível falta de concorrência no mercado de refino no Brasil. Mas a investigação não foi concluída e nem houve acusação formal contra a empresa. E o acordo foi firmado antes que houvesse uma sentença do Cade.

Leia também:  O conceito da história de W. Benjamin e o Brasil dos tempos de Bolsonaro, por Carlos Russo Jr.

Se a intenção do governo é captar dinheiro estrangeiro está com a estratégia errada. Para Prates, o que faz o governo é algo como vender a casa e passar a pagar aluguel para morar no mesmo imóvel, já que os bilhões de dólares recebidos agora serão devolvidos na forma de pagamentos dos serviços da TAG.

Prates aconselha que CNI e agronegócio comecem a discutir este tema, porque já estão sendo atingidos. E aponta que o aumento do frete não se deve à greve dos caminhoneiros, mas sim é causa da política de combustíveis do governo. “Vivemos em um país autossuficiente em petróleo que pratica preços em dólar, agora atualizados em tempo real”, diz ele.

“É intrigante que o governo obrigue a Petrobras a manter suas refinarias operando a dois terços da carga. Se o óleo produzido aqui fosse totalmente refinado, atenderia a todas as necessidades do país. Porém, de uns tempos para cá, nossas refinarias estão funcionando a 70% de sua capacidade. E olhem que o Brasil voltou a bater recorde de produção de petróleo, chegando à produção diária 3,473 milhões de barris de óleo em maio de 2019”, aponta no artigo.

“O “freio” no refino de petróleo até serve para justificar a política de reajuste de preços dos combustíveis do governo, mas é desfavorável à população. A decisão está pesando no bolso do brasileiro, na hora de abastecer o automóvel nas bombas dos postos de combustíveis, ou na compra do gás de cozinha”, finaliza.

Leia também:  Operação requentada da Lava Jato visa desviar atenção das manobras de Bolsonaro com Receita, por Luis Nassif

Para ler o artigo na íntegra clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. “…o que faz o governo é algo como vender a casa e passar a pagar aluguel para morar no mesmo imóvel…”
    “…aconselha que CNI e agronegócio comecem a discutir este tema, porque já estão sendo atingidos. E aponta que o aumento do frete não se deve à greve dos caminhoneiros, mas sim é causa da política de combustíveis do governo. “Vivemos em um país autossuficiente em petróleo que pratica preços em dólar, agora atualizados em tempo real”, diz ele…”

    • Depois de 9 décadas discutindo quantos lados tem um círculo, finalmente o Brasil descobriu a roda !!! Não precisa ir longe. Donos de ‘mais de uma Arábia Saudita’ em petróleo, quanto mais fácil, mais libertária, mais produtiva, que ‘revolução social’, de costumes, de lazer, de dinheiro sobrando no SEU BOLSO, se a gasolina custasse módicos 1 real ou 1,50 real? O Petróleo é Brasileiro. Os Custos de Produção são Brasileiros. Os Salários são Brasileiros. As Despesas são Brasileiras. Os Impostos são Brasileiros. Os Encargos Trabalhistas são Brasileiros. A Empresa é Brasileira. As Reservas são Brasileiras. O Oceano é Brasileiro. O Território é Brasileiro. O Governo é Brasileiro. Por que “cargas d’água” precisamos dar satisfações do PREÇO que colocamos nos Preços dos Combustíveis? Acionistas Minoritários no Exterior, na Bolsa de Valores de NY? Para que? Se não estão gostando, basta venderem suas Ações !!!! E o Álcool Combustível? Parte da geração dos BioCombustíveis das idéias de um Professor Brasileiro nos anos 60? BioDiesel, BioDigestores, Álcool,…Grande parte do Brasil ficou por anos sem Eletricidade ou Gás de Cozinha, mesmo tendo a possibilidade de produzir tudo isto mais o conforto e padrão de vida superior, a partir do lixo ou das fezes que produziam. Ou seus animais. A Petrobrás não produz Álcool. Só interfere no Mercado que monopoliza, para controlar e manter os PREÇOS em níveis altos, para não concorrer nem diminuir os preços da Gasolina e Diesel. Diferentemente do Preço do Petróleo, uma ‘Arábia Saudita’ que podemos produzir todos anos e sem preços fixados internacionalmente. ÁLCOOL no Brasil a mais de 1 real é ROUBO, É CRIME. Preços Inflados por Nosso próprio Governo. O Brasil e sua Surrealidade Inacreditável. Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

  2. Brasil, a mesma colônia de sempre, o mesmo complexo de vira-lata de nossas elites. País rico de gente pobre, sofrida, atomizada sem sindicatos com redes de comunicação poderosas e um terço analfabeta tangida como gado pelas promessas do Mercado alardeadas por falsos profetas em horário nobre.
    Triste sina da maioria pobre que sofre amando os inimigos e rejeita os que trazem um pouco de luz a nossas mazelas sociais.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome