O fim da OTAN?, por Carl Bildt

no Project Syndicate

O fim da OTAN?

por Carl Bildt

Tradução de Caiubi Miranda

ESTOCOLMO – O que é a OTAN e a ordem transatlântica depois da semana tumultuada em que o presidente norte-americano Donald Trump, em Bruxelas, o Reino Unido e Helsínquia,  defendeu o presidente russo, Vladimir Putin, contra as acusações de guerra cibernética de agências de inteligência dos Estados Unidos?

Se observarmos como os eventos se desenrolam com lentes rosadas, poderíamos pensar que a aliança estratégica mais importante do Ocidente está mais ou menos bem, ou até mesmo que está se tornando mais forte. Na verdade, a OTAN está em perigo, e seu destino hoje é depositado nas mãos desdenhosas de Trump.

Antes e durante a cúpula da OTAN, houve muito debate sobre os gastos militares dos Estados membros como porcentagem do PIB. Espera-se que cada membro aumente seus gastos para 2% do PIB até 2024, mas Trump aparentemente acha que isso já deveria ter sido feito. E na cúpula da semana passada, de repente, exigiu uma nova meta de 4% do PIB – que é ainda mais do que os Estados Unidos gastam.

Sem dúvida, nas últimas décadas, o foco principal da OTAN foram as operações de paz em lugares distantes, em vez de sua função central de defesa territorial. Para a maioria dos estados membros europeus, o dividendo da paz das operações da aliança justificou os cortes nos gastos militares domésticos.

Mas essa atitude mudou em 2014, quando a Rússia anexou a Crimeia e lançou incursões militares secretas no leste da Ucrânia. Desde então, os orçamentos de defesa dos países-membros da OTAN aumentaram aproximadamente 4% ao ano em média, o que fez com que o objetivo de 2024 se tornasse decididamente realizável.

Leia também:  A Rede de Inclusão e do Direito à Cidade, uma proposta de saída para a crise brasileira

Ainda mais importante, a queixa de Trump de que os Estados Unidos estão assumindo uma parte injusta do fardo para a defesa coletiva da OTAN é discutível. Enquanto o orçamento militar dos EUA equivale a aproximadamente 72% dos gastos combinados de defesa de todos os estados membros da OTAN, cerca de três quartos dos gastos militares dos EUA são destinados a regiões fora da Europa. Quase metade do orçamento de defesa dos EUA é gasto mantendo uma presença no Pacífico, e outro quarto é gasto em operações no Oriente Médio, comando e controle nuclear estratégico e outras áreas.

Além disso, enquanto os Estados Unidos aumentaram substancialmente seus gastos com defesa na Europa nos últimos anos, vale lembrar que a maioria das forças e instalações dos EUA de fato se dedicam ao arco geoestratégico da Índia para a África do Sul. Com instalações como Ramstein, Fairford, Rota, Vicenza e Sigonella, os Estados Unidos há muito tempo usam a Europa como um estágio de operações para implantar forças em outros lugares. E as instalações de alerta e vigilância precoces que os Estados Unidos mantêm no Reino Unido e na Noruega estão lá para defender os Estados Unidos continentais, não a Europa.

O fato é que o total de gastos com defesa na Europa é cerca do dobro do que os Estados Unidos gastam em segurança europeia, e também cerca do dobro do que a Rússia gasta em defesa, segundo estimativas produzidas pela Universidade Nacional de Defesa dos Estados Unidos.

Leia também:  É a economia, estúpido!, por Jorge Alexandre Neves

A importância essencial das forças de comando, controle e inteligência dos EUA na Europa não deve ser minimizada, mas pelo menos deve ser posta em perspectiva. Embora o Exército dos EUA tenha recentemente rotacionado brigadas pesadas em toda a Europa para exercícios militares, suas tropas permanentes estão equipadas apenas para intervenções limitadas.

É por esta razão que a OTAN deve continuar a melhorar a sua capacidade de defesa na Europa. No mínimo, a Europa precisa de mais forças militares, e essas forças precisam ser equipadas para uma rápida implantação em áreas críticas. O novo comando de mobilidade que está sendo estabelecido na Alemanha é um primeiro passo encorajador.

No entanto, as vantagens da Rússia em relação à OTAN têm menos a ver com recursos do que com comando e controle. Individualmente, as forças militares da Rússia estão mais integradas e podem ser implantadas mais rapidamente em conformidade com as diretrizes estratégicas do Kremlin. Essa agilidade foi amplamente demonstrada na Crimeia em 2014 e na Síria no ano seguinte.

Por seu turno, a OTAN não possui uma estrutura de comando profundamente integrada para as forças designadas. Mas isso pouco importa se as decisões políticas de desdobrar forças ou lançar operações não forem feitas a tempo. Em qualquer confronto militar, a unidade de vontades e a velocidade na tomada de decisões em alto nível determinam o resultado.

O problema é que, enquanto a capacidade militar da OTAN está de fato melhorando, sua capacidade de decisão política está se deteriorando. Imagine o que aconteceria se um Estado-membro da OTAN desse o alarme sobre o lançamento pela Rússia de uma operação militar secreta no estilo da Criméia dentro de suas fronteiras. Então, imagine que as agências de inteligência dos EUA confirmaram que, na verdade, um ato de agressão está sendo realizado, apesar das negativas de Putin.

Leia também:  Como evitar a iminente crise da dívida soberana, por Joseph E. Stiglitz e Hamid Rashid

Finalmente, imagine como Trump poderia responder. Você chamaria Putin para perguntar o que está acontecendo? E Putin faria outra “oferta incrível” para ajudar os investigadores norte-americanos a chegar ao fundo da questão? Mais especificamente: Trump rapidamente invocaria o princípio da defesa coletiva de acordo com o Artigo 5 do tratado da OTAN? Ou duvidaria, questionaria a inteligência, menosprezaria os aliados americanos e validaria as negações de Putin?

Essas são questões realmente inquietantes para se perguntar sobre um presidente americano. Agora eles vão pairar sobre a cabeça da Europa para sempre.

 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Tadinha da Europa. Depois de

    Tadinha da Europa. Depois de colonizar e saquear meio mundo, está preocupada com sua capacidade de defesa. O objetivo de Trump é cristalino: desfazer os blocos ou dividir para governar.

  2. Comentario fraco, mal
    Comentario fraco, mal delineado, tendencioso, não sei o que está fazendo aqui no ggn, com centenas de ensaístas bem mais qualificados para escrever sobre a Otan.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome