Pensamento Sistêmico sobre Complexidade, por Fernando Nogueira da Costa

Professor da Unicamp aplica o conceito de Complexidade, sistema emergente de interações de seus componentes, dentro de um Pensamento Sistêmico ou Holista

Fernando Nogueira da Costa, professor do Instituto de Economia da Unicamp. Foto: Reprodução
Pensamento Sistêmico sobre Complexidade: Baixe o Livro
Fernando Nogueira da Costa[1]

 

Neste livro, COSTA, Fernando Nogueira da. Pensamento Sistêmico sobre Complexidade. Campinas. Blog Cultura e Cidadania. 2020, eu uso o conceito de Complexidade, sistema emergente de interações de seus componentes, dentro de um Pensamento Sistêmico ou Holista.

O holismo é uma abordagem metodológica em busca entender os fenômenos de uma maneira integral, por oposição à análise analítica de seus constituintes em separado. Entende os fenômenos (biológicos, psicológicos, comportamentais, institucionais, evolucionários) na sua totalidade indivisível. Eles resultam em qualidade além da mera soma de seus componentes, não podendo ser explicados separadamente.

O Princípio do Holismo Metodológico postula os conjuntos sociais terem objetivos ou funções não possíveis de ser reduzidos às crenças, atitudes e ações dos indivíduos tomadores de decisões. Contrapõe-se, portanto, ao Princípio do Individualismo Metodológico. Este estabelece as explanações sobre os fenômenos sociais, políticos ou econômicos somente deverem ser consideradas adequadas se forem colocadas em termos de crenças, atitudes e decisões de um indivíduo representativo.

Este livro se compõe de duas partes. A primeira é composta por contribuições de outros autores e a segunda por meus escritos.

A primeira se refere aos três primeiros capítulos. São compilações de meus estudos sobre Teoria Geral dos Sistemas (capítulo 1) e Complexidade (capítulo 2). Compilar significa condensar documentos e textos em uma única obra. Compilei também palestras vistas e artigos lidos quando eu buscava aprender a respeito de Complexidade (capítulo 3).

Apenas agreguei, na primeira parte desta coletânea, excertos de outros textos resumidos por mim, sem nenhuma pretensão de originalidade. O propósito é compartilhar com quem aprouver um atalho para seguir esse estudo introdutório de um tema atualmente na fronteira do conhecimento da Ciência Econômica, assim como das demais Ciências Afins. Busco, então, tornar aprazível esse caminho encurtado para eventual leitor.

Na segunda parte, apresento minhas contribuições em aplicações de uma visão sistêmica sobre assuntos no atual debate público.

O capítulo 4 é o artigo elaborado coletivamente na disciplina “Economia Interdisciplinar” em 2015. Foi o primeiro a ser publicado no número 1 da Revista de Empreendedorismo, Negócios e Inovação da UFABC, no primeiro semestre de 2016. Fui coautor com meus alunos no Doutorado do IE-UNICAMP: Daniel Pereira da Silva, Samir Luna de Almeida e Taciana Santos. Dado o sucesso dessa empreitada, repeti a experiência mais duas vezes com os alunos das turmas dos anos seguintes.

O Capítulo 5 se compõe de meus artigos, escritos quase diariamente, desde o início da quarentena social, onde faço aplicações do pensamento sistêmico para entendimento do alcance da chamada “coronacrise”.

Mostro a dinâmica do sistema econômico-financeiro, considerando os efeitos e os defeitos dos encadeamentos produtivos, comerciais e financeiros. Para isso, apresento aos leigos uma análise qualitativa da matriz de insumo-produto e os decorrentes fluxos de pagamentos. Enfrento a (falsa) polêmica de ser necessária uma opção entre a bolsa (economia) ou a vida (saúde pública).

Comento a ironia da adoção por ultraliberais na equipe econômica governamental de medidas “heterodoxas” com intervenção estatal para enfrentar os efeitos do “crash de março” – e consequente efeito pobreza.

Na realidade, nós, cidadãos da Comunidade, ficamos no pior dos mundos com O Estado mínimo e O Mercado travado. Contraponho a utopia esperançosa para o futuro à distopia presente no Brasil. Um intelectual público se obriga a abandonar sua confortável “torre de marfim” e enfrentar a selva composta por rede de ódio da extrema-direita.

O discurso extremista de esquerda, tipo “nós” contra “eles”, não ajuda nada no enfrentamento desta crise sistêmica. Mas a esperança é esta crise representar um ponto de virada para o retorno à desafiante construção de um Estado de bem-estar social no País. Para tanto, entender a economia como um componente de um sistema complexo é uma contribuição analítica necessária para elaborar uma estratégia social eficaz.

Finalmente, no sexto e último capítulo, a meta didática é transformar complexidade em simplicidade. Pretendo estar simplificando a complexidade do sistema monetário ao traduzir o jargão profissional (ou “financês”), usado (e abusado) por economistas de O Mercado no debate público da atual conjuntura de crise sistêmica.

Escolhi, para tradução desse “financês” empregado em suas análises, cinco subsistemas componentes do sistema financeiro nacional: o sistema de crédito privado, o sistema de pagamentos brasileiro, o sistema de instituições de pagamentos eletrônicos, o sistema cambial e o sistema de controle de liquidez.

No debate das medidas necessárias para superar a atual crise, os profissionais midiáticos do mercado financeiro usam (e abusam) de uma linguagem cifrada para leigos. Cabe aos professores de Economia se tornarem tradutores do “financês”, assim como estão acostumados a traduzir o “economês” para seus alunos.

 

Download gratuito: COSTA, Fernando Nogueira da. Pensamento Sistêmico sobre Complexidade. Campinas. Blog Cultura e Cidadania. 2020

 

[1] Professor Titular do IE-UNICAMP. Autor de “Capital e Dívida: Dinâmica do Sistema” (2020; download gratuito em http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/). E-mail: [email protected].

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome