Por que a desigualdade aumenta, por Aldo Fornazieri

Os capitalistas e seus representantes políticos, hoje, não têm a quem temer. Instrumentalizaram as democracias para atender os seus interesses.

Foto Observatório do Terceiro Setor

Por que a desigualdade aumenta

por Aldo Fornazieri

Estudos de pesquisadores e dados de instituições multilaterais a exemplo do Banco Mundial são unânimes em apontar o aumento da desigualdade no mundo. Com ela aumenta também a fome. Algumas projeções indicam que esta tendência se projeta para as próximas décadas configurando uma possível situação crítica por volta de 2050 se a tendência não for revertida. O alastramento dos desastres ambientais é um fator que potencializa o advento de crises e conflitos sociais e políticos por conta da falta de recursos necessários a uma vida digna. A revolução tecnológica em curso, com impactos no mundo do trabalho, também é um fator que concentra riquezas. Hoje, por exemplo, as cinco maiores empresas do mundo são empresas de tecnologia.

O Brasil ocupa uma posição indigna no ranking da desigualdade. Somos um dos países mais desiguais do mundo. A situação vem se mostrando cada vez mais crítica. Dados divulgados recentemente pelo IBGE mostram que a renda dos mais ricos cresce e a dos mais pobres cai. Nada menos do que a metade da população brasileira vive com até R$ 413,00 por mês. Trata-se de um dado assustador e inaceitável. Mais do que isto: levantamento de Pedro Fernando Nery mostra que o Brasil tem uma Uganda dentro dele. A Uganda é um dos países mais pobres da África e do mundo. De acordo com o levantamento, os 42 milhões de brasileiros mais pobres têm uma renda média igual à população da Uganda. Calcula-se que a Uganda tenha cerca de 44 milhões de pessoas, a maioria esmagadora de miseráveis.

Certamente existem vários fatores que contribuem para a concentração de riquezas e aumento das desigualdades no mundo, dentre eles a lógica concentradora do capitalismo e os efeitos concentradores das revoluções tecnológicas. Mas ocorre que os conflitos distributivos sempre são decididos, em última instância, na esfera política, pela via do conflito político. A questão de fundo é a questão do poder. Este problema é deliberadamente escamoteado pelos pesquisadores e técnicos aliados ao sistema do capitalismo. E ele é ignorado pelas esquerdas e pelos movimentos sociais.

O fato é que hoje existe um claro desequilíbrio político em favor do capital. Este desequilíbrio tem várias razões. O fim da luta sistêmica é uma das razões principais. Isto quer dizer: hoje existe um sistema único. O capitalismo não tem mais um inimigo sistêmico como era o sistema comunista ou soviético. A luta sistêmica era um fator que favorecia um equilíbrio político e distributivo maior entre o capital e o trabalho no interior do capitalismo.

Os capitalistas e seus representantes políticos, hoje, não têm a quem temer. Instrumentalizaram as democracias para atender os seus interesses. As forças de centro-esquerda e esquerda sequer lhes opõem uma luta pelo socialismo. Essas forças fazem parte do sistema. Os partidos de centro-esquerda e esquerda também são partidos da ordem. As soluções que propõem para os problemas se situam no marco do capitalismo predatório.

As revoluções tecnológicas proporcionaram também uma transformação radical no mundo da produção, mudando as relações entre o capital e o trabalho. Na era da sociedade industrial os sindicatos fabris fortes, interligados a partidos trabalhistas e socialistas fortes, eram capazes de estabelecer certas condições de equilíbrio nas negociações com o capital, seja na esfera sindical, seja na esfera dos parlamentos e dos acordos que implicavam a participação do governo. Assim, direitos trabalhistas e sociais eram conquistados e assegurados, até porque havia um certo consenso entre a centro-direita e a centro-esquerda no sentido de garantir determinados padrões de Estado de bem estar social. O neoliberalismo e a extrema-direita romperam esse consenso.

As revoluções tecnológicas, além de reduzirem drasticamente o número de trabalhadores fabris, deram mobilidade ao capital físico, facilitando o seu deslocamento dentro de um mesmo país, de um país para outro país e até mesmo deslocamento intercontinental. Isso conferiu enorme poder de barganha ao capital, tanto frente aos sindicatos, quanto frente ao poder público. Os sindicatos perderam força e as greves perderam relevância. O poder público se esmera em conceder benefícios e isenções fiscais ao capital. Nem os sindicatos e nem os partidos de esquerda foram capazes de elaborar estratégias que os  retirassem da defensiva história e os recolocassem no jogo de um contrapoder em relação ao capital e aos termos do conflito distributivo por ele ditados. Hoje, a rigor, o capital e suas representações políticas não precisam mais exercer a hegemonia nos termos de concessões aos debaixo para conseguir dirigir, nos termos colocados por Gramsci. O capital exerce um hegemonismo impositivo. Ele exerce uma autocracia disfarçada de democracia.

Os altos salários das burocracias e dos dirigentes sindicais, as benesses, privilégios e altos salários dos dirigentes e dos representantes políticos dos partidos de centro-esquerda e esquerda geram uma esquerda das camisas engomadas, dos punhos de renda, das pulseiras e adornos de ouro, da boa vida, integrada ao sistema capitalista. As populações periféricas foram sendo abandonadas. Nos governos, as esquerdas lhes concedem programas compensatórios, as migalhas do capital.

As políticas da moralidade, as lutas e bandeiras dos novos movimentos sociais – mulheres, etnias, LGBTs, movimentos ecológicos etc. – também não estão sendo capazes de gerar uma perspectiva transcendente ao capitalismo predatório. Promovem lutas, demandas e reivindicações que se situam nos marcos desse mesmo capitalismo. Alguns analistas da globalização chamam a atenção para o fato de que muitas dessas causas e lutas ligadas à política da moralidade são financiadas por fundações do grande capital, visando conferir uma face mais humanizada ao capitalismo e uma aparência de uma luta contra-hegemônica.

O capitalismo e seus representantes políticos só cederão se existirem forças políticas organizadas que sejam capazes de representar ameaças e impor temor ao sistema de poder estabelecido. Os programas de receituários compensatórios e de reformismos fracos dos partidos de esquerda não impõem este temor. O que impõe algum tipo de temor hoje são as rebeliões das multidões, pois não há forças militares capazes de contê-las. Ocorre que as rebeliões das multidões são quase espontâneas. Não têm direção e sentido e não tem organizações que expressem força política e social própria. Expressam gritos desesperados contra as desigualdades, as injustiças e a falta de perspectivas. Em que pese o calor e a excitação que provocam, tristemente, tendem a se esvair com poucas conquistas, subjugadas pelo mal estar do nosso tempo.

Aldo Fornazieri – Professor da Escola de Sociologia e Política (FESPSP).

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. O que diriam Marx e Engels?

    De acordo com os supracitados Comunas, as desigualdades recrudescem porque:

    “Toda a sociedade até aqui repousava, como vimos, na oposição de classes opressoras e oprimidas. Mas para se poder oprimir uma classe, têm de lhe ser asseguradas condições em que possa pelo menos ir arrastando a sua existência servil. O servo conseguiu chegar, na servidão, a membro da comuna, tal como o pequeno burguês, a burguês, sob o jugo do absolutismo feudal. Ao contrário, o operário moderno, em vez de se elevar com o progresso da indústria, afunda-se cada vez mais abaixo das condições da sua própria classe. O operário torna-se num indigente e a indigência desenvolve-se ainda mais depressa do que a população e a riqueza. Torna-se com isto evidente que a burguesia é incapaz de continuar a ser por muito mais tempo a classe dominante da sociedade e a impor à sociedade como lei reguladora as condições de vida da sua classe. Ela é incapaz de dominar porque é incapaz de assegurar ao seu escravo a própria existência no seio da escravidão, porque é obrigada a deixá-lo afundar-se numa situação em que tem de ser ela a alimentá-lo, em vez de ser alimentada por ele. A sociedade não pode mais viver sob ela, [ou seja, sob a dominação da burguesia], isto é, a vida desta já não é compatível com a sociedade”. – Manifesto Comunista

    De acordo com o Sr. Aldo Fornazieri:

    “As revoluções tecnológicas proporcionaram também uma transformação radical no mundo da produção, mudando as relações entre o capital e o trabalho. Na era da sociedade industrial os sindicatos fabris fortes, interligados a partidos trabalhistas e socialistas fortes, eram capazes de estabelecer certas condições de equilíbrio nas negociações com o capital, seja na esfera sindical, seja na esfera dos parlamentos e dos acordos que implicavam a participação do governo. Assim, direitos trabalhistas e sociais eram conquistados e assegurados, até porque havia um certo consenso entre a centro-direita e a centro-esquerda no sentido de garantir determinados padrões de Estado de bem estar social. O neoliberalismo e a extrema-direita romperam esse consenso”.

    O que disse a Rosa Luxemburgo a esse respeito?

    “Pela vitória política da burguesia, o Estado transformou-se num Estado capitalista. É evidente que o próprio desenvolvimento do capitalismo modificou profundamente o carácter do Estado, alargando constantemente a sua esfera de ação, impondo-lhe novas funções, particularmente no campo económico, onde é cada vez mais necessária a sua intervenção e controle. Nesse sentido prepara lentamente a futura fusão do Estado e da sociedade e, por assim dizer, o retomar das funções do Estado pela sociedade. Nessa ordem de ideias, pode falar-se igualmente de uma transformação progressiva do Estado capitalista em sociedade; nessa acepção é incontestável, como o disse Marx, que a legislação operária é a primeira intervenção consciente da “sociedade” no processo vital social, fase a que se refere Bernstein.

    Mas, por outro lado, esse mesmo desenvolvimento do capitalismo realiza uma outra, transformação na natureza do Estado. O Estado atual é antes de mais uma organização da classe capitalista dominante. SEM DÚVIDA QUE ASSUME FUNÇÕES DE INTERESSE GERAL NO DESENVOLVIMENTO SOCIAL; MAS SOMENTE NA MEDIDA EM QUE O INTERESSE GERAL E O DESENVOLVIMENTO SOCIAL COINCIDAM COM OS INTERESSES DA CLASSE DOMINANTE. A legislação da proteção operária, por exemplo, serve igualmente o interesse imediato da classe capitalista e os das sociedades em geral. MAS ESTA HARMONIA CESSA NUM CERTO ESTÁDIO DA EVOLUÇÃO CAPITALISTA. Quando essa evolução atinge um determinado nível, os interesses de classe da burguesia e os do progresso económico começam a cindir-se no próprio interior do sistema de economia capitalista. Pensamos que essa fase já começou; testemunham-no dois fenómenos extremamente importantes da vida social actual: a política alfandegária e o militarismo. Esses dois fenómenos representaram na história do capitalismo um papel indispensável, e nesse ponto de vista, progressivo, revolucionário. Sem a proteção alfandegária, o desenvolvimento da indústria pesada nos diferentes países teria sido quase impossível. Atualmente, a situação é diferente. A proteção alfandegária já não serve para desenvolver as indústrias jovens, mas somente para manter artificialmente as antigas formas de produção”.

    Por sua vez, o Proteo diria:

    “Dentro do capitalismo não há solução. Muito se criticou Marx por ter “errado” em sua previsão de que o capital só poderia manter suas taxas de lucro arrochando o proletariado. Por algum tempo, as lutas sociais conseguiram reverter este quadro, criando em alguns países leis trabalhistas e até o Estado de Bem-Estar Social na Europa e América do Norte. Mas no beco sem saída da perda de lucratividade, o capital só oferece aos trabalhadores uma “escolha” cruel: ou o desemprego com benefícios sociais ou o emprego mal-pago e sem direitos, típico do Terceiro Mundo. Claro está que a verdadeira saída está em os trabalhadores se apropriarem dos meios de produção e, terminando com a apropriação da mais-valia por uma minoria que vive no luxo e para o luxo, dividirem os lucros entre si igualitariamente. A autogestão e a planificação descentralizada, flexível da economia são perfeitamente viáveis administrativamente, ainda mais onde as massas tem escolariade e acesso aos meios de comunicação modernos, como na Alemanha e na França. O problema é político, porque esta é uam saída revolucionária, hoje defendida apenas por uma minoria da esquerda européia. Mas, na prática, o capital acaba sendo o melhor propagandista da mudança, ao colocar num beco sem saída pessoas acostumadas à segurança social, e que não vão tolerar viver como vivemos. É questão de tempo, até porque, se a classe operária tradicional se tornou minoritária, continua cada vez mais clara a divisão social e econômica entre dirigentes e dirigidos, executantes e gerentes, inclusive na apropriação do produto social. Mas creio que só quando os países pobres “cercarem” o Primeiro Mundo com regimes anti-imperialistas que esta crise explodirá de vez na Europa”.

    http://www.brasil.indymedia.org/pt/blue/2005/04/312659.shtml

    Pois bem. Consoante a manifestação do Proteo:

    “Mas no beco sem saída da perda de lucratividade, o capital só oferece aos trabalhadores uma “escolha” cruel: ou o desemprego com benefícios sociais ou o emprego mal-pago e sem direitos, típico do Terceiro Mundo”.

    O que dizem Bolsonaro e Paulo Guedes?

    “É como defendeu o presidente durante a campanha. Tem um modelo com muitos direitos, mas poucos empregos. Podemos propor um novo com um pouco menos de direitos no início”. – Paulo Guedes

  2. Quem dera o povo no Brasil fizesse alguma coisa. Se rebelessa realmente. As mulheres empregadas domésticas, babas, atendentes; os homens porteiros, garçons e os filhos percebendo que pelo trabalho não sairão de onde estão. A conta é o que temos ai. Mas rebelião, revolução…. Nada. So da classe média; essa de punho de rendas e inserida mal ou bem no sistema capitalista. O resto a gente sabe: falta educação ao povo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome