Por que os populistas de extrema direita estão em guerra com a história

Para normalizar suas próprias políticas nocivas, elas precisam primeiro neutralizar as políticas perigosas do passado.

Nesta foto de arquivo de 9 de abril de 2019, o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, assiste a uma cerimônia de posse no Palácio Presidencial do Planalto, em Brasília.

Enviado por Diógenes Beutler

Por que os populistas de extrema direita estão em guerra com a história

Por Federico Finchelstein, do Washington Post

Não são apenas os conservadores americanos, como Dinesh D’Souza e Jonah Goldberg, que estão promovendo a falsa ideia de que o Partido Nazista era um movimento de esquerda. Agora, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro está entrando em cena. Além de argumentar que os nazistas eram de fato esquerdistas, ele também afirmou que as pessoas podem perdoá-los pelo que fizeram. O presidente israelense, Reuven Rivlin, imediatamente condenou a observação e acrescentou: “Os líderes políticos são responsáveis por moldar o futuro. Historiadores descrevem o passado e pesquisam o que aconteceu. Nenhum deve entrar no território do outro”.

No entanto, há décadas, líderes populistas vêm dizimando avidamente o registro histórico e brincando com a memória e as experiências das vítimas, para fins políticos. De fato, a distorção da história nazista em particular tem sido uma característica fundamental da marca populista. O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, agora aliado a partidos racistas e xenofóbicos em Israel e no exterior, também distorceu a história do Holocausto para atender seus interesses políticos ao apresentar um líder palestino pró-nazista do período entre guerras como um ator-chave no extermínio de judeus europeus.

Segundo Netanyahu, Adolf Hitler pediu o conselho do mufti em 1941: “O que devo fazer com eles?” E o mufti respondeu: “Queimem-nos”. Não há evidências de que esse tipo de diálogo tenha ocorrido.

Por que os líderes populistas querem perdoar ou deslocar a história real do nazismo? Como esses líderes tiram do poço da ideologia, da retórica e da tática fascistas, eles precisam neutralizar a história do fascismo para normalizar sua política. Revisar a história do fascismo torna-a mais mítica do que histórica, apresentando o fascismo do passado como não tão ruim – ou nem mesmo como fascismo.

Leia também:  Prazer em conhecê-los, disse Érebo, o novo patrono da inJustiça brasileira, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Reescrever a história é fundamental para o projeto populista. Bolsonaro está fazendo isso não apenas com o passado nazista, mas também com a história do próprio país. Ele quer celebrar oficialmente o golpe de 1964 que levou à ditadura militar mais assassina de sua história. Além disso, ele apresenta falsamente essa ditadura como a que estabeleceu a democracia no Brasil e até argumenta que não houve ditadura. Para aqueles preocupados com a defesa de Bolsonaro da violência política e o desejo de acumular mais e mais poder, seu esforço para branquear o passado ditatorial do país é preocupante.

No ano passado, Bolsonaro conversou com Viktor Orban, líder populista cada vez mais autocrático e racista da Hungria, e disse que o povo brasileiro não sabe o que é uma ditadura, sugerindo que a junta militar que governou o país de 1964 a 1985 não era uma. Mas todos os historiadores do Brasil que estudaram o regime autoritário mostraram o contrário. E de acordo com a Comissão da Verdade brasileira, a ditadura brasileira que Bolsonaro quer comemorar foi responsável por 434 mortes e desaparecimentos de seus oponentes, bem como o massacre de mais de 8.000 povos nativos.

Normalizar, até celebrar, esses regimes mortais não se limita apenas a sua interpretação da história brasileira. Bolsonaro elogiou vários ditadores, incluindo o presidente chileno Augusto Pinochet, que foi preso por inúmeras violações dos direitos humanos, e o presidente paraguaio Alfredo Stroessner, que manteve a nação sob lei marcial por quase todos os seus 35 anos no poder.

Ao apresentar esses ditadores como salvadores de seus países, Bolsonaro está substituindo a história pelo mito. O passado tornou-se uma parte fundamental do que Hannah Arendt chamou de “mentira organizada”. Neste contexto, os políticos usam “falsidade deliberada como uma arma contra a verdade”. Neste mundo revisionista, as visões mais irracionais, messiânicas e paranoicas são falsamente apresentadas como história.

O estilo e a substância de Bolsonaro, impregnados de violência política, chauvinismo nacional e glorificação pessoal, apresentam as principais características do fascismo. Mas é sua manipulação da história que realmente revela como o regime de Bolsonaro poderia estar se voltando do populismo para o fascismo. Sua decisão de celebrar o golpe de 1964, que pôs fim à democracia no Brasil, é uma ação reminiscente de fascistas clássicos como Hitler e Benito Mussolini que, depois de eleitos e nomeados para liderar governos de coalizão, destruíram a democracia a partir de dentro.

Leia também:  A parcialidade judicial: de como (só) a vergonha poderá nos redimir, por Lenio Luiz Streck

Como governantes, Hitler e Mussolini inventaram um passado mítico que identificou imperadores e guerreiros heroicos como meros predecessores de seu governo. Talvez com menos grandiosidade do que o Duce e o Führer, Bolsonaro pretende vincular seu governo ao dos ditadores latino-americanos do passado. Se os líderes fascistas criaram um mito do fascismo que os estabeleceu como encarnações vivas de um passado de ouro inventado, Bolsonaro inventa e personifica uma era mítica das ditaduras latino-americanas.

Além disso, os seguidores de Bolsonaro entendem isso, chamando-o de “mito”. Ele descaradamente usou a história como uma mera ferramenta de propaganda.

Ainda não está claro até onde esse caminho vai do populismo ao fascismo que Bolsonaro irá percorrer. Além de celebrar as memórias do fascismo e das ditaduras, populistas de direita como Bolsonaro não traduzem automaticamente sua retórica radical em prática fascista ou ditatorial. É claro que populistas como Bolsonaro, Orban, Donald Trump e o italiano Matteo Salvini executam políticas de discriminação, violência e crescente desigualdade. Mas eles fizeram isso até agora, sem quebrar a democracia como um todo.

Seus movimentos mais antidemocráticos são simbólicos. Ataques contra inimigos políticos geralmente não ultrapassam as palavras. E aqui reside uma diferença entre fascismo e populismo. Ao contrário dos líderes fascistas, o líder populista favorece a retórica violenta sem apoiá-los com ações violentas. Como afirmou o general Juan Domingo Perón, o primeiro populista a chegar ao poder após a queda do fascismo em 1945, ele era um “leão herbívoro”.

Leia também:  Se processos vierem a ser anulados, a culpa será dos procuradores, por Luiz Fernando Pacheco

É Bolsonaro também este tipo de leão pacífico, disposto a rugir, mas não a devorar? Bolsonaro está na fronteira entre o fascismo (uma ditadura) e a forma democrática do populismo. Quando ele quer celebrar a ditadura e branquear o passado nazista, ele parece muito pouco com populistas clássicos como Perón e muito mais como Hitler e Mussolini.

O Brasil criará um fascismo do século 21? Ainda não está claro, mas a preocupante compreensão de Bolsonaro da retórica fascista cada vez mais extremada deve ser um sinal para aqueles que acreditam na democracia que devem resistir ao crescente liberalismo não apenas com votos e manifestações, mas também com uma defesa da história.

————–

Federico Finchelstein é professor de história na New School e autor do novo livro ” From Fascism to Populism in History “.

Original em:

https://www.washingtonpost.com/outlook/2019/04/23/why-far-right-populists-are-war-with-history/?utm_term=.4181330fd05d

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora