Por trás daquele encontro, por Homero Fonseca

A suruba verbal na grotesca reunião do ministério no dia 22 de abril esconde algumas verdades sobre a cabeça e a ação do governo Jair Bolsonaro.

Ao alto, ilustração de Gustave Doré, no "Inferno", de Dante. Montagem: HF.

Por trás daquele encontro, por Homero Fonseca

A suruba verbal na grotesca reunião do ministério no dia 22 de abril esconde algumas verdades sobre a cabeça e a ação do governo Jair Bolsonaro.

1— PALAVRÕES — O problema não são os palavrões. Todo mundo usa palavrão. O excesso deles e seu uso em ocasiões impróprias revelam pobreza vocabular, indigência cultural e descontrole emocional. Do ponto de vista moral, condená-los ou defendê-los depende de valores individuais ou preconceitos sociais. Centrar neles é desviar o foco.

2 — SEGREDOS IMPLÍCITOS — O que foi dito por Bolsonaro não explicita literalmente a intenção de interferir nas investigações da Polícia Federal. Mas pode se somar a outras evidências (a confissão que fez naquela mesma noite para seus apoiadores no Alvorada, mensagens de celulares, a efetiva demissão do diretor da PF e a troca do superintende no Rio etc.). Mafiosos, milicianos, antigos coronéis do interior não dizem ao capanga: “Matem Fulano”. Dizem: “Fulano tá atrapalhando meus negócios”. Dias depois, Fulano aparece morto. Corruptos não pedem (ou oferecem) propina usando essa palavra. Não se fala: “Ei você aí, me dá uma propina aí”.

No famoso encontro à meia-noite, fora da agenda, com entrada pelos fundos do Palácio, Wesley Batista ouviu de Michel Temer: “Rodrigo (Rocha Loures) é de confiança”. Dias depois, Rocha Loures foi preso em flagrante com uma mala com 500 mil reais, entregue por um preposto de Wesley. Aécio Neves pediu “empréstimo” de dois milhões (alguém pagaria?) ao mesmo Wesley. É tudo implícito, linguagem cifrada. Para o bom entendedor, Bolsonaro queria (e fez) mudanças na PF para “não foderem os filhos e amigos”.

Leia também:  Compromisso com Lava Jato dá curto-circuito na mídia, por Ricardo Amaral e José Chrispiniano

Moro entendeu, todo mundo entendeu. Ficar discutindo se a palavra “segurança” é da alçada do GSI ou da PF é puro diversionismo. E a explicação oficial de que o presidente se referia a “relatórios de inteligência” é desculpa pronta para a defesa (desde quando relatórios de inteligência têm o poder de foder o 01, o 02, o 03 ou o Queiroz? Podem até avisar sobre os malfeitos, mas problemas concretos estão nas investigações e inquéritos). A Imprensa sabe disso tudo, Celso de Melo sabe disso, o Dr. Augusto Aras não tem nada de burro. O PGR vai escolher entre ligar os pontos ou se prender à letra do que está registrado, fazendo de conta que não entendeu o espírito da coisa. Aposto um terreno em alto mar que ele vai ficar com a alternativa B.

3 — PROGRAMA DE GOVERNO — A reunião do ministério é um flagrante grotesco da cabeça da direita xucra que assumiu o governo e quer empalmar o poder total. A suruba verbal esconde um fraudulento programa de governo, não explicitado com clareza durante a campanha (até pela ausência do candidato aos debates, devido à tal facada). As intervenções de Paulo Guedes, como alguns já ressaltaram, são a alma do encontro. Escancaram um ultraliberalismo fanático, preocupado em defender os bancos e as grandes empresas industriais e o agronegócio. E o povão (a quem ele acenou com R$ 200,00 aos jovens pós-pandemia) e as pequenas empresas (onde o governo “perde dinheiro”) que se fodam. Por isso, a tragédia da pandemia mal foi falada na reunião escatológica. E quando o foi, tratou-se como uma oportunidade para dar dinheiro aos tubarões da economia e fazer “passar a boiada” da desregulamentação: dos direitos humanos, do patrimônio histórico e da preservação ambiental. Os generais estão lá (na reunião e no governo) garantindo esse programa antipopular.

4 — ARRANJO. O que pode sair dessa cartola? Difícil dizer. Bolsonaro conta com o Exército, as PMs, as milícias, a grande maioria do empresariado (que o considera “um mal menor” diante do PT), larga fatia da mídia (Globo e jornalões preferem Sérgio Moro), setores da classe média e do rebanho evangélico e a extrema direita (que ele quer armar até os dentes). Está comprando o apoio do Centrão para se garantir no Congresso.

Leia também:  De Bia a Val, o que pensa a nojenta elite brasileira, por Rômulo Moreira

Impeachment? Se o apoio nas pesquisas continuar em torno de 25–30%, nem sonhando. As elites arranjarão um jeito de ir acomodando as coisas até 2022, quando escolherão continuar com Bolso, marchar com Moro (que tem a mesma ideologia dele, só que mais articulado e um pouco menos brega) ou apoiar João Dória. Um ou outro ministro talvez caia. Se não for arquivado, o inquérito na PF se arrastará por uns bons anos. O que deve fazer a oposição democrática? Aí já é outra história.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora