Presidente do Equador acusa Assange de usar embaixada como “centro de espionagem”

Ele acusou Assange de interferir repetidamente nos assuntos internos de outros estados, referenciando a publicação de documentos do Vaticano pelo WikiLeaks em janeiro de 2019 como um exemplo recente

Por Patrick Wintour

No The Guardian

Assange tentou usar a embaixada como “centro de espionagem”, diz Moreno, do Equador

Julian Assange violou repetidas vezes suas condições de asilo e tentou usar a embaixada do Equador em Londres como “centro de espionagem”, disse o presidente do Equador em uma entrevista ao The Guardian.

Lenín Moreno também disse que recebeu compromissos escritos da Grã-Bretanha de que os direitos fundamentais de Assange seriam respeitados e que ele não seria enviado a nenhum lugar para enfrentar a pena de morte.

Assange, de 47 anos, foi tirado da embaixada pela polícia britânica na quinta-feira passada, depois que o Equador revogou seu asilo político, o que encerrou uma estadia de quase sete anos.

O co-fundador do WikiLeaks pode pegar até 12 meses de prisão após ser considerado culpado por violar suas condições de fiança quando entrou na embaixada equatoriana em 2012. Ele tomou a decisão depois de perder uma batalha contra a extradição para a Suécia, onde enfrentou acusações de estupro, que ele nega.

Ele deve lutar contra a extradição para os Estados Unidos por causa de uma alegação de que ele conspirou com a ex-analista de inteligência do exército Chelsea Manning para invadir um computador secreto do governo. A Suécia está avaliando se vai reabrir uma investigação sobre as alegações de estupro e agressão sexual. Quando há pedidos de extradição concorrentes no Reino Unido, o secretário do Interior decide qual país deve ter prioridade.

A jogada de Moreno contra Assange provou ser controversa no Equador. O presidente anterior, Rafael Correa, acusou seu ex-aliado político de “um crime que a humanidade jamais esquecerá” e descreveu Moreno como “o maior traidor da história equatoriana e latino-americana”.

No que pode ter sido parte de uma campanha para enfraquecer Moreno, o WikiLeaks estava ligado a um site anônimo que afirmava que o irmão de Moreno havia criado uma empresa offshore, e o material que vazou incluía fotos particulares de Moreno e sua família.

Leia também:  Justiça leva um dia para analisar pedido e Léo Pinheiro deixa a prisão hoje

Em sua primeira entrevista à mídia de língua inglesa desde que Assange foi expulso da embaixada, Moreno negou que tenha agido como uma represália pela maneira como vazaram documentos sobre sua família, e disse que se arrependia de que Assange tivesse supostamente usado a embaixada para interferir nas democracias de outros países.

“Qualquer tentativa de desestabilizar é um ato repreensível para o Equador, porque somos uma nação soberana e respeitamos a política de cada país”, disse ele na entrevista, conduzida por e-mail. “É lamentável que, de nosso território e com a permissão de autoridades do governo anterior, tenham sido fornecidas instalações dentro da embaixada equatoriana em Londres para interferir nos processos de outros estados.”

“Não podemos permitir que nossa casa, a casa que abriu suas portas, se torne um centro de espionagem”, disse Moreno, em uma aparente referência às imagens vazadas. “Esta atividade viola as condições de asilo. Nossa decisão não é arbitrária, mas baseia-se no direito internacional ”.

Ele acusou Assange de interferir repetidamente nos assuntos internos de outros estados, referenciando a publicação de documentos do Vaticano pelo WikiLeaks em janeiro de 2019 como um exemplo recente. “É lamentável que haja pessoas dedicadas a violar a privacidade das pessoas”, disse Moreno.

Ele insistiu que a decisão de cooperar com os britânicos e remover Assange da embaixada era uma decisão soberana de seu governo e não foi forçada a ele por nenhum poder externo.

“Ele era um convidado que recebia um tratamento digno, mas não tinha o princípio básico de reciprocidade para o país que sabia recebê-lo ou a disposição de aceitar protocolos do país que o acolheu. A retirada do seu asilo ocorreu em estrita adesão ao direito internacional. É uma decisão soberana. Não tomamos decisões com base em pressões externas de qualquer país”, afirmou Moreno.

Ele também afirmou ter recebido garantias sobre a possível extradição de Assange para os EUA. “Para nós, o direito máximo de proteção é o direito à vida”, disse ele. “Por essa razão, consultamos o governo do Reino Unido sobre a possibilidade de extradição de Assange para países terceiros, onde ele poderia sofrer tortura, maus-tratos ou a pena de morte. O Reino Unido estendeu as garantias por escrito de que se a extradição for solicitada, ele não será extraditado para qualquer país onde possa sofrer tal tratamento.”

Leia também:  A noite em que a família Caetano pediu Lula Livre e os argentinos, a saída de Macri

Moreno criticou Assange pelo tratamento de sua equipe diplomática em Londres. “A atitude de Assange foi absolutamente repreensível e ultrajante depois de toda a proteção oferecida pelo Estado equatoriano por quase sete anos. Ele maltratou nossos funcionários na embaixada equatoriana em Londres, abusou da paciência dos equatorianos. Ele desenvolveu uma campanha agressiva contra o Equador e começou a fazer ameaças legais contra quem o estava ajudando”.

Qualquer forma de convivência com Assange na embaixada se tornou uma dor de cabeça, acrescentou Moreno. “Ele manteve constante comportamento higiênico inadequado ao longo de sua estada, o que afetou sua própria saúde e afetou o clima interno da missão diplomática. Além disso, Assange tinha problemas de saúde que também deveriam ser resolvidos. Nós nunca tentamos expulsar Assange, como alguns atores políticos querem que todos acreditem. Dadas as constantes violações de protocolos e ameaças, o asilo político tornou-se insustentável”.

A advogada de Assange, Jennifer Robinson, contestou as acusações de mau comportamento por parte de Assange no domingo. “Acho que a primeira coisa a dizer é que o Equador fez algumas alegações muito ultrajantes nos últimos dias para justificar o que foi um ato ilegal e extraordinário ao permitir que a polícia britânica entrasse em uma embaixada”, disse ela à Sky. Pressionado sobre a veracidade das alegações, Robinson disse: “Isso não é verdade.”

Ela disse que os temores de Assange de uma ameaça de extradição dos EUA se mostraram corretos quando as alegações foram feitas de que ele conspirou para invadir um computador secreto do Pentágono.

O pai de Assange, John Shipton, que vive em Melbourne, pediu ao primeiro-ministro australiano , Scott Morrison, para ajudar seu filho e sugeriu que ele poderia ser trazido de volta para seu país de origem. Morrison “deveria de alguma forma fazer algo” para ajudar, disse Shipton ao Herald Sun. “Isso pode ser resolvido simplesmente para a satisfação de todos.” Morrison já havia dito que Assange, um cidadão australiano, teria assistência consular disponível para ele, mas não receberia tratamento especial.

Leia também:  O país impossível

Moreno disse que Assange não poderia usar asilo para escapar da lei. “De acordo com a lei internacional, o Equador salvaguardou os direitos básicos de Assange, mas esses direitos não podem impedi-lo de comparecer perante os tribunais e de responder a acusações contra ele. Asilo político não pode ser usado como uma maneira de evitar as conseqüências de cometer crimes”.

Questionado sobre o que ele achava de descrevê-lo como um traidor, Moreno respondeu: “Se ser um traidor significa defender a democracia, a liberdade de imprensa, além de revelar a verdade e a corrupção do regime anterior, ele pode me chamar do que quiser . Ele tem o direito de se expressar livremente.

Ele rejeitou a sugestão de Correa de que ele tenha expulsado Assange da embaixada como parte de um acordo sob o qual os EUA pressionariam para que a dívida de seu país fosse suspensa. “É uma falácia que haverá alívio da dívida em troca de Assange. Essa declaração foi gerada e divulgada por grupos relacionados ao regime anterior que não queriam encontrar uma solução para o caso de Assange além de tê-lo trancado em nossa embaixada. Com os Estados Unidos, trabalhamos em questões de cooperação, comércio, cultura e segurança. Em nenhum momento o status de Assange foi negociado com aquele país”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Mais um presidente idiota desta imensa colônia chamada América do Sul.
    Tudo subserviente aoe EUA, incluem-se Suécia, Austrália e Grã Bretanha.
    Cagões!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome