Que estratégia político-terapêutica para um governo deliroide?, por Rita Almeida

Tenho considerado que a performance de José de Abreu, já abraçada por vários outros políticos aliados, pode funcionar como uma grande oficina terapêutica a céu aberto

Que estratégia político-terapêutica para um governo deliroide?

por Rita Almeida

Não acho prudente, nem ético, usar a psicanálise para diagnosticar ou analisar pessoas fora do meu consultório, mas é totalmente possível ou aceitável utilizá-la para analisar conjunturas político-sociais. Mas, nem é preciso entender de psicologia para perceber que o Bolsonarismo tem um componente deliroide bastante forte. As tão faladas “Fake News” exemplificam muito bem o que eu chamo aqui de deliroide: verdades construídas a partir de fragmentos ou de indícios de realidade e tornadas verdades universais.

Eu trabalho no campo da saúde mental há mais de 20 anos, e se tem uma coisa que aprendi com esse trabalho é que o delírio não pode ser desmontado por uma simples confrontação com a realidade ou com racionalidade. Se o sujeito, em franco delírio, chega até você afirmando que tem um chip instalado na cabeça e através do qual se comunica com extraterrestres, não há absolutamente nada que se diga que mudará sua perspectiva de realidade. Nem que eu lhe mostre uma ressonância magnética do próprio crânio, ou que seja possível abrir sua cabeça para mostrar que não há nada lá, ele não se demoverá de sua verdade. Isso pelo simples fato de que aceitar desmontar tal delírio, seria desmontar a si próprio, já que, naquele momento, por uma fragilidade simbólica, o sujeito encontra-se totalmente assentado sobre aquela verdade. Se ela cair, ele cai junto. Freud dizia que os psicóticos amam o próprio delírio como a si mesmos. Resumindo, é isso.

Leia também:  Réquiem para um país que poderia ter dado certo, por Vinícius Canhoto

Semana passada li um artigo do Javier Salas no El País, sobre o terraplanismo intitulado: “Você não pode convencer um terraplanista e isso deveria te preocupar”. Os terraplanistas, afirma Salas, simplesmente acreditam que a Terra é plana, e qualquer dado que possa prová-los do contrário é simplesmente ignorado ou considerado manipulação de conspiradores. Obviamente que não é possível dizer que todos os terraplanistas são psicóticos ou doentes mentais, mas certamente, podemos falar de um empobrecimento ou fragilidade simbólicas, o que favorece o discurso que chamei de deliroide, ainda que ele não seja rigorosamente delirante.

Voltamos ao Bolsonarismo, fortemente fundamentado num discurso deliroide, reforçado pela sua reprodução maciça nas redes sociais, especialmente no whatsapp. Se o clã Bolsonaro está se aproveitando do discurso deliroide ou se acredita mesmo nele, eu não saberia dizer. O fato é que ele tem sabido utilizá-lo muito bem, desde a campanha eleitoral, e também tem sido bastante competente em agregar a si personagens igualmente deliroides (nem é necessário citá-los um a um). Diante disso, não há debate político possível. Não há racionalidade que possa confrontar os argumentos do Bolsoplanismo. Então, o que fazer? Que estratégias utilizaremos?

O que posso dizer a partir do que estudei e pratiquei todos esses anos é que, se não é possível desmontar um delírio, é possível desconstruí-lo pouco a pouco, parte por parte. Fazer pequenos furos, abalar algumas verdades, duvidar, perguntar, são algumas das estratégias que utilizamos para ir minando a certeza do sujeito delirante, fazendo-o enxergar outras possibilidades. E é muito importante que ele encontre outras possibilidades, caso contrário, voltará para sua certeza delirante, que ao menos lhe assegura um lugar.

Leia também:  Laços históricos, crises no presente e o alerta através da arte, por Arnaldo Cardoso

Comecei a escrever este texto, com a intenção de defender a estratégia do ator José de Abreu, ao criar seu personagem presidente. Obviamente que ele não partiu de nada disso que eu falei para se autodeclarar presidente, mas acredito que tenha pensado algo do tipo: “diante de tanto absurdo, o remédio só pode ser mais absurdo”, e suponho que ele tenha razão. Não há argumento racional que possa arredar o Bolsoplanismo do seu lugar. O debate, o noticiário, a justiça ou a ciência (números, estudos e estatísticas), não fazem o menor efeito. Portanto, é necessário provocar outros afetos nessas pessoas, afetos que possam ir descontruindo suas certezas. Obviamente que não estou me referindo ao clã Bolsonaro e sua trupe maluca, e haverá também um núcleo duro que irá defender o Bolsoplanismo até a morte, mas é possível reduzir bastante o contingente de militantes deliroides, até que fiquem relativamente inofensivos.

Voltando ao teatro do absurdo estrelado por José de Abreu – e é perfeito que isso esteja sendo feito por um ator – acredito que ele esteja colocando em prática uma coisa que fazemos nos nossos serviços de saúde mental e que funciona muito. Como usamos muitas práticas coletivas (grupos, oficinas e outras) os pacientes começam a ter que lidar com os delírios uns dos outros e, desse modo, começam a enxergar o seu próprio delírio. Ao duvidarem do delírio do outro, passam a duvidar do seu também. Ao rirem do delírio do outro, começam a rir do seu também. Ao se envergonharem do delírio do outro, começam a se envergonhar do seu também. E todos esses afetos, se não derrubam completamente os delírios, os deixam menos rígidos, emburrecedores e limitadores.

Leia também:  Celso Amorim e a antidiplomacia bolsonariana, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Tenho considerado que a performance de José de Abreu, já abraçada por vários outros políticos aliados, pode funcionar como uma grande oficina terapêutica a céu aberto. E ela tem ficado ainda melhor por contar com a participação do próprio Bolsonaro, que se dispõe a sair de sua posição de Presidente diplomado, para “bater boca” com um presidente fake. Apenas esse fato já nos dá a medida do tamanho do surreal que nos (des)governa, e do quanto a oficina do presidente fake está funcionando. Sugiro que ela não pare, e se amplie.

Por hora, o que podemos fazer para desbancar o Bolsonarismo e seu mito deliroide é isso mesmo: miná-lo. Para tal, precisaremos despertar o maior número de pessoas possível. Acho uma excelente estratégia fazer isso por meio do humor e do teatro do absurdo. O Brasil precisa enxergar sua própria loucura.

Contra um fake Presidente, nada melhor que um fake concorrente

José de Abreu pra presidente do Brasil
E já me ofereço para o Ministério do Alienista

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. ótima abordgem!
    o humor talvez crie alguns paradoxos
    que os deliróides possam se defrontar
    para acordarem sem maiores demoras…

  2. Parabéns Dra Rita,
    O seu texto foi direto ao ponto. Eu já estava meio perdido nesse emaranhado do Bolsonarismo,
    agora apareceu uma luz no fim do túnel.
    Obrigado.

  3. Excelente texto. Talvez inicialmente José de Abreu tenha apenas pensado em ridicularizar o golpista Guaidó. Mas como vivemos num país governado por um incapaz, perverso inimigo do povo e que em vários momentos age como se fosse portador de um transtorno psiquiátrico, um descontrolado que com seus atos tresloucados atrapalha o plano de governo feito pelo sistema financeiro. .. Desta forma a sátira de José Abreu tem um efeito desmisticador, mostrando a realidade de forma contundente através de uma farsa que desmascara a farsa bizarra das qualidades que o “mito’ teria. Pois se um ator, fazendo uma sátira, diz coisas muito mais sensatas e lógicas que o limitadíssimo ensandecido eleito para ser presidente, entao percebe-se mais claramente quem é esse incapaz que ao mesmo tempo também é um inimigo do povo e do Brasil. É isto que José Abreu mostra-nos, e essa idéia que ele teve ao ver o ato golpista do Guaidó, essa idéia do Zé foi genial e tem sido profundamente questionadora, atacando o fascismo, pois conscientiza e faz alguns bolsonaristas perceberem, mesmo sem admitirem, que acreditaram num “ídolo com pés de barro”.

  4. Na verdade, só não fiz o que o Zé de Abreu fez por absoluta impropriedade de minha imagem e um comodismo persistente.
    Mas fiz o mesmo exercício de lógica que ele deve ter feito ao observar a ousadia do Guaido.
    Guaido, segundo observamos, acordou um dia de manhã bem humorado e, cheio de entusiasmo, disse de si para si – “Ora, hoje eu vou me proclamar presidente. O Maduro já está me enjoando.”
    E proclamou-se. Saindo a campo com a sua cara de Obama descorado foi angariando aliados, simpatizantes e fortalecendo-se em descaramento e desfaçatez próprios do efeito embriagador da ambição pelo poder.
    Zé, assim como eu e muitos ao constatar a insolência do outro, pensou: -“Ora, por que eu mesmo não me auto-proclamo presidente? Vai que cola. Com o Guaido rolou!”
    E, convenhamos, comparados Zé de Abreu e o nosso diplomado mandatário danação, a dignidade favorece o primeiro em aparência e em essência.
    Considere-se ainda que a motivação interna de nosso auto-proclamado lider revestiu-se da mais correta intenção : satírico-pedagógica.
    Quanto a simpatias e apoios , eles crescem nas proporções – necessidade dos apoiadores e coragem do candidato.

  5. Ótimo, parabéns, Rita! O nosso autoproclamado presidente José de Abreu já foi reconhecido pelo também autoproclamado presidente da República Francesa Frédéric Pagès. Vamos, agora, montar o ministério de José de Abreu, com autoproclamáveis ministros! Rita Almeida no Ministério do Alienista e eu no Ministério das Estratégias dos Triunfos Virtuais!

  6. Muito interessante sua análise, Dra Rita, que dá um significado mais profundo a nossas “brincadeiras” (a do Zé e a minha). Eu vou nomeá-la, então, “Enviada especial e itinerante do Presidente auto-proclamado da França, encaregada das terapias coletivas para tratar dos traumas causados pelos resultados das eleições manipuladas” (No Brasil, na França, nos Estados Unidos e na Inglaterra… por enquanto). Pois temos que internacionalizar a problematica… e as eventuais curas.
    Cordialmente.
    Frédéric Pagès (Président auto-proclamé de la République Française)

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome