O incêndio na favela do Cimento, por Juliana Cardoso

Tudo isso evoca o saudoso Adoniran Barbosa em sua música Despejo da Favela que fulmina as autoridades: “E aí, hein, e essa gente como é que fica?”

Foto Marcelo Gonçalves - Sigmapress/Folhapress

Resolver com segurança

por Juliana Cardoso

O incêndio que atingiu a Favela do Cimento no entorno do Viaduto Bresser, na Mooca, na noite de sábado (23) deixou mais de 200 famílias desabrigadas e expôs mais uma vez a ação higienista da atual gestão da Prefeitura e truculência da Policia Militar para com as pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Para este domingo (24) estava programada uma ação de reintegração de posse da área. Durante a semana, foi oferecida a alternativa de praxe aos moradores: aceitar o acolhimento num equipamento da Assistência Social e deixar os pertences num galpão nas proximidades “por tempo indeterminado”.

Mas o prenúncio de tragédia estava no ar. Durante a semana um aviso originário da Polícia Militar, que circulou nas redes sociais, solicitava as pessoas para não trafegar no domingo pelo local “para que tudo seja resolvido com segurança”.

E, literalmente, tudo foi “resolvido com segurança”. Além de enfrentar o incêndio e sofrer queimaduras para tentar salvar seus pertences, cuja causa moradores apontam justamente a PM, corpos de desabrigados exibem marcas de violência dos disparos das balas de borracha e dos golpes de cassetetes.

Num relato dramático, um homem não identificado deu entrada em estado grave no Hospital Salvalus com queimaduras pelo corpo. Ele chegou caminhando junto com uma mulher. Um vídeo registra na calçada as marcas de sangue contornando os seus passos.

Na manhã de domingo as cenas de abandono do poder público. Famílias que perderam tudo e ficaram só com a roupa do corpo. Algumas conseguiram se alojar em outras ocupações. Outras vagavam nas ruas sem ter onde morar. E no Galpão, as pessoas em estado de choque aguardavam a chegada do auxílio do Serviço Social da Prefeitura.

No local do incêndio, ainda de madrugada a Prefeitura demostrava sua eficiência. Diversos caminhões se apressavam em retirar os rescaldos do incêndio. Para as vítimas do incêndio e da truculência resta a solidariedade da sociedade para minimizar a tragédia.

Leia também:  O Moloch Lavajatiano deu um espetáculo grotesco de injustiça, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Tudo isso evoca o saudoso Adoniran Barbosa em sua música Despejo da Favela que fulmina as autoridades: “E aí, hein, e essa gente como é que fica?”

Afinal, a preocupação com o ser humano existiu. Mas ela foi seletiva no comunicado “para que tudo seja resolvido com segurança”.

Juliana Cardoso – Vereadora (PT) em São Paulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Dizem que no momento do incêndio carros passavam com pessoas que gritavam “vagabundos, vocês merecem”. Essa é a unica resposta que o povo pobre tera de gente como Doria ou Bolsonaro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome