Ricardo III, Medeia e os meios de Flordelis, por Arnobio Rocha

A reflexão não é feita para diminuir o choque, ou sermos indiferentes aos fatos, mas na lógica humana há razões que a razão, muitas vezes, desconhece.

Maria Callas como Medeia

Ricardo III, Medeia e os meios de Flordelis

por Arnobio Rocha

Ontem reli partes da peça Ricardo III, para um trabalho, ao mesmo tempo pela questão da Flordelis.

A simples condenação moral não resolve a complexidade do caso, temos que ir além da razão.

Temos que buscar uma compreensão humana, arquétipos, por exemplo, em Medeia, a “bruxa estrangeira”, que traíra seu pai e país, pelo amor de Jasão.

Quando ferida pela traição de Jasão, seu “marido”, urde um plano de vingança cruel em que mata a futura esposa dele, depois mata os próprios filhos.

No caso de Ricardo III, a sua sanha pelo poder, o trono desejado, faz com mate seus “concorrentes”, irmãos, sobrinhos, tios, no meio dessa carnificina rumo ao trono, ele  seduz D. Ana, a viúva, no velório do marido (que aparentemente foi morto por ele).

São coisas que parecem que estão na ficção, muitas vezes a realidade é pior, os estupros, incestos, homídios, parricídios, são facetas humanas, que mexem com o “normal”.

A reflexão não é feita para diminuir o choque, ou sermos indiferentes aos fatos, mas na lógica humana há razões que a razão, muitas vezes, desconhece.

Instintos, sombras, síndromes, seja lá o que for, temos que buscar um entendimento para nossa condição humana, ainda que nos provoque pavor.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora