Sérgio Moro deixa reunião da Câmara aos gritos de juiz ladrão e fujão, por Álvaro Miranda

Em muitos momentos, Sérgio Moro se mostrou confortável, exibindo até meio sorriso refestelando-se na cadeira, como se já estivesse bem acostumado com esse tipo de sabatina entre políticos.

Foto Lula Marques

Sérgio Moro deixa reunião da Câmara aos gritos de juiz ladrão e fujão

por Álvaro Miranda

Depois de mais de sete horas depondo na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, deixou a reunião aos gritos de juiz “ladrão” e “fujão”. A reunião foi interrompida em meio a um grande tumulto dos parlamentares, depois que o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) fez uma analogia da situação revelada pelo The Intercept com um hipotético jogo de futebol em que o juiz da partida beneficia um time, marcando um pênalti inexistente – e depois é nomeado para a diretoria do clube vencedor da partida. Conclusão, disse o deputado: “juiz ladrão”.

Esse foi um dos pontos emblemáticos da sessão que revela, como outros indicadores, o termômetro do ambiente político no país. Em muitos momentos, Sérgio Moro se mostrou confortável, exibindo até meio sorriso refestelando-se na cadeira, como se já estivesse bem acostumado com esse tipo de sabatina entre políticos. Seu semblante se modificou com a intervenção do parlamentar do Rio de Janeiro, depois que outros deputados enfatizaram a tergiversação de Moro sobre o escândalo revelado nas últimas semanas sobre as conversas dele com o promotor Deltan Dallagnol para viciar o processo que condenou Lula à prisão.

Apoiadores de Moro aproveitaram a intervenção de Braga para terminar a reunião, sumariamente, atropelando o regimento, às 21h40m, apesar dos apelos da parlamentar que presidia a sessão naquele momento, pedindo para que todos sentassem a fim de continuar e encerrar formalmente os trabalhos. A parlamentar chegou a obtemperar diante dos protestos, dizendo que o deputado fluminense não usara palavras de baixo calão e que ele tinha direito de se manifestar.

Não foram para menos as perguntas incisivas de vários deputados e mesmo o ápice representado pela analogia feita por Braga. Sérgio Moro deixou de responder várias delas. Bem verdade que muitos aproveitaram mais para atacar Sérgio Moro do que para elaborar perguntas mais objetivas, compreensível, claro, nesse ambiente em que a eloquência dos fatos parece não ter mais o que suscitar de dúvidas. O ministro foi duramente atacado por conta das investigações da Polícia Federal sobre a situação no Coaf do jornalista do The Intercept, Glenn Greenwald, e cobrado sobre o paradeiro do Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro.

Alguns momentos podem ter sinalizado também que estamos vivendo estranho regime contraditório e conflituoso em suas vísceras – o que corrobora as reservas com que Bolsonaro e seus filhos tratam Sérgio Moro. Se a psicanálise pode ajudar a desvendar certos lapsos da fala, talvez algo emblemático revelou e/ou comprovou sobre as ambições do atual ministro. Em determinado momento Sérgio Moro se referiu a Bolsonaro como “ex-presidente”, talvez pela intimidade com o momento e o conforto de estar ao lado de apoiadores no Parlamento. O deputado Helder Salomão, que presidia a sessão momentos antes do tumulto, chegou a chamar Moro de deputado.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Bolsonaro e Haddad lideram pesquisa estimulada da XP/Ipespe para 2022

6 comentários

    • Dá vergonha de ver esses abutres, se debatendo se enrolando, sem ter um debate decente e esclarecedor, pra que a sociedade entenda os acontecimentos e reflita com clareza nosso momento político.
      Mas uma vez, o povo tem que ficar atento com quem vão colocar lá, para representar nosso estado e falar por nós.

  1. Tensão efetiva a engolir o Moro…
    quanto mais fala e se agita, mais se atola no terreno de areia movediça político judicial onde tentou jogar o Lula

    é a verdade sufocando as mentiras e toda a armação Atola Jato

    O visto perfeito mostrando-se cheio de defeitos e a afundar cada vez mais

    3
    3
  2. Coisa mais fácil do mundo um deputado federal direta ou indiretamente chamar Moro de ladrão. Também é moleza a deputada Gleisi perguntar se Moro tem conta secreta no exterior. Um espetáculo que pouco surtiu efeito fora do território esquerdista. Esperem o min da justiça perder o foro privilegiado.Depois entoem , quem com cadeia fere, com cadeia se ferido.

    2
    1
  3. “ladrão” e “fujão”…
    jamais imaginaria que um dia veria isso….
    dizem que há golpes de sorte….
    nesse lance do final, moro levou azar com a situação….
    como a direita é muito malandra e queria fugir
    das perguntas, imaginou seria mnelhor
    os gritos de ladrão sobraram todos para moro,
    para ele aprender com suas próprias infamias,

    um dia deus castiga…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome