Sobre sigilo e vazamento de currículo acadêmico, por Luis Nassif

Desde quando currículo escolar é matéria de sigilo? É ponto essencial para entrada no mercado de trabalho, por exemplo. E não seria para o cargo de Ministro da Educação?

Nessa reação atrasada contra vazamentos, criou-se uma confusão danada em torno do vazamento das notas do Ministro da Agricultura na Faculdade de Economia da USP. O vazamento chegou a ser equiparado ao das conversas entre a ex-presidente Dilma Rousseff e Lula.

Devagar com o andor.

Onde a ética recomenda respeito ao sigilo:

  1. Nos inquéritos da Polícia Federal e do Ministério Público.
  2. Nos casos de doenças graves, que a vítima pretende manter em sigilo. Admite-se quando pode afetar a vida do país. Por exemplo, a doença grave de um presidente da República.
  3. Orientação  sexual da pessoa, em temas que nada tenham a ver com o assunto. Vale quando expõe hipocrisias. Por exemplo, um homofóbico assumido ser gay.
  4. Nos casos de suicídio ou morte trágica, evitando divulgar detalhes em respeito à família e ao próprio morto.

Hoje em dia, não existe sigilo para processos cíveis e criminais, para salários de funcionários públicos, para os gastos do governo, para as compras do STF, para o orçamento da PGR.

A troco de quê esse escândalo com a divulgação do currículo escolar do Ministro da Educação? Desde quando currículo escolar é matéria de sigilo? É ponto essencial para entrada no mercado de trabalho, por exemplo. E não seria para o cargo de Ministro da Educação?

O Ministro ataca as universidades, afirma que os alunos comparecem para fazer política ou ficar nus, corta orçamento de maneira brutal, buscando inviabilizá-las, não demonstra o menor respeito pela pesquisa e pela tecnologia. O mínimo que se esperaria dele seria um currículo impecável como universitário. Inclusive para demonstrar que não se trata de uma revanche contra seu próprio fracasso como acadêmico.

A mediocridade do Ministro está demonstrada em sua produção acadêmica ridícula, já exposta pela imprensa, e, agora, no seu currículo escolar.

Leia também:  Calma lá! Nosso povo nada tem de passivo, por Gilberto Maringoni

Pretender que currículo escolar é material sigiloso parece muito mais má consciência pela maneira como se tratou até hoje o tema, em questões muito mais graves.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

22 comentários

  1. Nassif, sugiro apenas uma retificação no seu artigo: “orientação sexual”, e não “opção”. “Opção” pressupõe “escolha”, e há décadas os movimentos LGBTI+ combatem esta visão, justamente porque o exercício de nossas sexualidades não é uma “escolha”, mas sim a efetivação de nossos desejos pessoais. De resto, concordo com tudo. Um abraço!

  2. Essa foto do ministro sensualizando está mais interessante do que seu curriculum.
    E quem é que sabia que o lates devia ser “publicado” em sigilo?
    Será que o linkedin também?

  3. Nassif, concordo a respeito da desfaçatez e a mediocridade do ministro – que são enormes – e também acho razoáveis as comparações com outros vazamentos bem mais graves que já ocorreram. Não sei sequer se o termo legal para esse vazamento seja “sigiloso”.

    Mas para quem pôde se formar na USP sabe que o histórico escolar emitido ao finalizar o curso é outro – ele é “limpo” das reprovações exatamente para não prejudicar a vida acadêmica e profissional do formando (até porque, se não fosse, é provável que aparecesse um índice altíssimo de reprovações nos primeiros semestres e a USP teria de admitir que o acolhimento dos calouros na graduação é sofrível). Ou seja, alguém se deu ao trabalho de acessar o JupiterWeb (a plataforma da vida acadêmica dos alunos que somente funcionários tem acesso após a formatura) e procurar um arquivo que – nem é o tido como o oficial – para fazer um ataque tão medíocre quanto a pessoa do ministro.

  4. Perfeito. Deveria até ser obrigatória a exibição pública de currículos profissionais e acadêmicos para os indicados para cargos no setor público.
    A tática do atual esquema de Poder é apelar, em tudo por tudo, para o vitimismo tosco. Justificar os absurdos através de apelos demagógicos.
    Menos por pudor e mais por medo de serem escancaradas suas deficiências intelectuais é o que impulsiona essa tentativa de escandalização.

  5. Vocês foram cruéis na foto. Um brega, barranco, metido a gostosão e inteligente. Horrível! Feio. Haddad é um gato! Este último comentário é para mata-los de raiva..

  6. No afã de denunciar um vazamento, eles admitem que houve, de fato, um vazamento criminoso no caso da ligação telefônica entre Lula e Dilma.

  7. Mesmo que o currículo normalmente emitido seja o limpo, a própria pessoa pode pedir o completo. Quase todos tivemos reprovações, e não são motivo de vergonha, vergonha é querer escondê-las. Depois disso, os currículos profissionais são públicos. O Lattes, particularmente, que qualquer pessoa atuante na vida acadêmica deve ter, pode ser acessado por todos – por ele deu para ver também a pobreza intelectual do ministro da Ciência. Na Espanha, uma ministra mentiu sobre seu currículo, foi apoiada pelo chefe de governo, o que resultou numa grande investigação, mostrando que muitos do governo tinham diplomas fajutos dados por uma determinada universidade ligada ao PP. No final caiu o chefe do governo, depois todo ele e o PSOE ganhou as eleições… Lá eles levam currículo a sério.

  8. Isso é diversionismo. O que Abraham Weintraub tá fazendo agora é muito pior do que fez no passado.
    Ele responde à publicação de seu histórico escolar em 10 minutos e passa o resto do tempo aprovando medidas para o sucateamento da Educação.

    Diversionismo, a propósito, como está sendo comum a todos os golpistas: adoram fazer uma palhaçada, um escândalo, e a gente responde como se isso fosse o pior que fazem contra o estado brasileiro.

    O melhor, acho, é ignorar. Como se diz no circo, “sem plateia não há função”. E cobrar rigorosamente contra os ataque ao Brasil.

    • O misterioso doutorado dele em apenas um ano, por exemplo. Como ele conseguiu, se tem as disciplinas e o exame de qualificação para serem feitos, o que demanda pelo menos dois dos quatro anos usuais?

  9. Acho injusto esse escrutínio ao nosso ministro!

    Uma pessoa que se matricula em cinco matérias introdutórias do curso de economia e bomba em quatro… Esse homem deve ser um mito da sinuca! Um gênio das rodas de violão! Um exímio boêmio e um mestre do truco!

    Sabe aquele história de que “esquerdista fica na universidade vabagundeando e fumando maconha”? E a outra, “esquerdista não sabe economia”? Pois bem. Este homem, grande homem, sayadin do batuque de caixa de fósforo, evidentemente, é um infiltrado nosso! 😀 A esquerda é que não sabe de nada! Veja bem, estão lá no governo Bolsonaro todos aqueles gênios, pessoas do mais fino intelecto, e eis que chega esse Patropi!? Não meus amigos, saibam reconhecer um distinto membro de uma malandragem que já quase não existe mais! Gramscista da esquerda festiva!

  10. Solicito verificar o engano na terceira linha da matéria aonde está escrito “Ministro da Agricultura”…

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome