Sobre vazamentos, por Rita Almeida

O mais importante é saber que o que está em jogo depois dos vazamentos do Intercept não é apenas uma disputa jurídica, mas, sobretudo, uma disputa de narrativas.

Sobre vazamentos

por Rita Almeida

Certa vez, os azulejos do meu banheiro começaram a estufar. Chamei o pedreiro, ele retirou as peças estufadas e encontrou tudo podre por dentro. Um minúsculo vazamento – que, segundo o profissional, devia estar ali há muitos meses – havia feito um estrago enorme por dentro, antes de ficar visível. Se o cano tivesse estourado não tinha causado tanto dano – me disse o pedreiro. Porque eu seria obrigada a tomar providência imediata, evitando que afetasse a estrutura interna da parede. Já um vazamento pequeno, contínuo, e aparentemente inofensivo como aquele, provocou danos muito piores; de maior extensão e profundidade.

Sobre a Vaza Jato, muita gente tem cobrado do Intercept rapidez na divulgação das notícias, ou algum material que seja bombástico, tal como o “estouro de um cano”. A esperança é a de exista algo absurdamente escandaloso, a ponto de fazer com que ninguém mais duvide dos abusos de Moro e Dallagnol. Algo que faça com que todos concordem que Lula não teve um julgamento justo e que a Operação Lava Jato, há muito, passou a ser uma operação com viés político muito claro, decisiva, inclusive, no resultado das últimas eleições.

Primeiramente é necessário dizer que apenas o fato de que Moro esteve todo esse tempo trocando mensagens com a promotoria do caso que levou a prisão de Lula, já é gravíssimo (e isso nenhum dos “vazados” negou). Quem não acha que isso já é um problema em si, suficiente para colocar em suspeição a condenação do ex-presidente e as nobres motivações da Lava Jato, está guiado por outra coisa que não a legalidade, a justiça e a democracia. Existe ainda os que, por ignorância, não compreenderam a gravidade do que está acontecendo, ou ainda, os que investiram esperança e libido demasiadas nessa promessa salvadora de Moro, da Lava Jato e do governo Bolsonaro, sendo difícil abrir mão delas. Para essas pessoas, o tempo de duração da Vaza Jato será fundamental. Aprender e mudar de opinião é algo que leva tempo e investimento.

O mais importante é saber que o que está em jogo depois dos vazamentos do Intercept não é apenas uma disputa jurídica, mas, sobretudo, uma disputa de narrativas. Como as fontes utilizadas pelo jornal podem ter sido obtidas de maneira ilegal (e isso não desqualifica o material, mas pode impedir que ele seja utilizado no processo) pode ser que não se alcance as consequências legais que gostaríamos. Entretanto, os vazamentos colocam na ordem do dia a narrativa que já era uma desconfiança para muitos de nós, mas que agora toma corpo, forma e enredo. E sendo ela a mostração de uma verdade que estava velada, não haverá força que possa detê-la. Mas tal desvelamento também vai precisar de tempo, tempo para recuperar o lugar da importância da verdade na política nacional. Não podemos esquecer que esta é a época que construiu um líder e o elegeu, sustentada nas chamadas fake news (que deveríamos, desde o início, ter nomeado no português claro: notícias mentirosas). Revelar a verdade em meio a tanta mentira e dissimulação, não é algo que possa ser feito em grandes doses, as doses homeopáticas são mais eficazes. Nós, psicanalistas, sabemos o quanto desvelar uma verdade pode ser doloroso e insuportável, por isso, o caminho para essas descobertas deve ser lento e gradativo, caso contrário o sujeito não volta pra uma próxima sessão, ou irá encontrar outra mentira confortável para substituir a primeira.

A sociedade brasileira está adoecida pela mentira e a Vaza Jato está nos ofertando fragmentos de verdade importantes para tratá-la. Independente das consequências jurídicas que isso poderá implicar, uma narrativa mais próxima da verdade está ganhando força e o papel de quem defende tal narrativa é reforçá-la e multiplicá-la, sobretudo de forma responsável e ética. Acrescentar mentiras e versões distorcidas a essa verdade que está tentando vir à tona, não a torna mais potente para mudar a visão de quem ainda não a enxergou, ao contrário. Qualquer mentira colada a essa verdade, coloca toda a narrativa em risco. Glenn parece saber disso quando fala do cuidado e da responsabilidade que está tendo em analisar o material antes de divulgá-lo.

Por ora, nos cabe aguardar pacientemente os vazamentos da rede criada pela Intercept (agora já são vários pequenos pontos de vazamento) e compreender que eles vão precisar ser lentos e persistentes e por longo tempo, a fim de fazerem o estrago necessário na estrutura da máscara que cobre a Operação Lava Jato, e com ela, toda a política nacional dos últimos tempos. Importante também, manter aquele frisson pré-vazamento, aguçar a curiosidade dos outros pela verdade anunciada e aumentar o número de fãs dessa série. Antes de convencer as pessoas de uma nova verdade, é preciso colocar em dúvida uma verdade anterior, e a Vaza Jato já está produzindo tal efeito. As manifestações do último domingo demonstram isso.

E vale dizer ainda que, depois de tudo, teremos aqueles que jamais verão a verdade, não necessariamente por incapacidade mas por decisão, profissão de fé. O movimento de “furar as bolhas”, que também já está acontecendo, é fundamental para que esse último grupo se torne insignificante, em quantidade e em força narrativa, a ponto de falar apenas para si mesmo.

Então vaza, Glenn! Vaza do verbo, mostra do que é feita nossa justiça e nossa política. Tomara que a maioria de nós consiga enxergar.

Rita Almeida

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. Rita Almeida – Estou satisfeitissíssimo em conhecer sua capacidade concisa de jornalismo e enaltecer o ocorrido com seu banheiro e ainda o diagnóstico do pedreiro contratado . A partir desta leitura edificante para a matéria , de importância Nacional , declaro que milhares de leitores como eu tornaram seu Fã . Abraço !!!

  2. Belo texto, Rita.

    Só estou em dúvida se até mesmo a tática da ‘água mole em pedra dura…’ irá surtir efeito em uma sociedade já claramente cínica e fascista. Mas é o que nos resta.

  3. Ante a confirmação pelos próprios Jatoeiros das mensagens trocadas por eles, com protestos apenas quanto à supostos descontextualização e sensacionalismo, não cabe ao The Intercept provar a autenticidade das mensagens, cabe aos Jatoeiros provar que elas são inautênticas, principalmente depois que um Jatoeiro comprovou parte das mensagens

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome