Tecnologia e Inovação – realidade e fantasia, por Andre Motta Araujo

A realidade é que os enormes problemas da humanidade HOJE não estão sendo resolvidos pela tecnologia, às vezes até são por ela agravados.

Tecnologia e Inovação – realidade e fantasia

por Andre Motta Araujo

Os canais de mídia aforam ocupar espaço com temas de inovação e tecnologia e, nessa tarefa, acabam mistificando e desinformando o grande público.

Esses temas acabam funcionando como diversionismo para não enfrentar os grandes e graves problemas da política e da economia no Século XXI.

São criadas lendas sobre os avanços da tecnologia, eliminação de empregos, robôs que fazem cirurgias cardíacas, tudo uma maravilha.

A realidade é que os enormes problemas da humanidade HOJE não estão sendo resolvidos pela tecnologia, às vezes até são por ela agravados.

Há um mal estar generalizado nas economias emergentes, com baixo crescimento, gravíssimos problemas sociais, economias mal resolvidas que levam a pavorosos surtos migratórios onde miseráveis jogam com a morte para entrar na União Europeia ou nos EUA, na tentativa de sobrevivência de suas famílias, um drama humano de primeira grandeza em plena era pós-moderna.

No campo da saúde, onde “robôs agora fazem cirurgias cardíacas”, segundo os programas triunfalistas da GLOBONEWS, faltam médicos para as mais elementares tarefas de saúde pública, nada que a tecnologia possa resolver, são coisas muito mais simples e que não são equacionadas pelos algoritmos.

No campo da educação, toda a gigantesca onda de tecnologia não permitiu que o Brasil, apenas como exemplo, consiga atingir índices mínimos de progresso na educação elementar, tampouco toda a tecnologia educacional melhorou a qualidade dos formandos em cursos superiores.

Leia também:  Cartas sobre a não violência (4) em tempos de Coronavírus, por Dora Incontri

No campo de serviços há avanços, mas também até péssimos procedimentos em call centers, em atendimento bancário forçadamente empurrado para máquinas, mas que nem por isso melhorou a vida dos clientes escorchados em juros estratosféricos.

Tecnologia não é a ilha paradisíaca vendida pelo diversionismo da GLOBONEWS, “você entra em casa, as luzes se acendem e a TV já está ligada no seu programa favorito” diz o festival de deslumbramento com a tecnologia que não resolveu os problemas da miséria social, da absurda concentração de renda, da desindustrialização, da má política, dos congressistas semianalfabetos, das novas epidemias.

Mas, também, a tecnologia cria novos problemas como o excesso de computadores nos aviões levando a um monumental fracasso do novo modelo BOEING MX-8. Tecnologia não é maná e não produz só felicidade, é fundamental uma visão crítica do mundo maravilhoso da tecnologia, uma ferramenta que pode servir a muitos propósitos,  a interpretação e a adaptação serão sempre humanos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. A realidade é que os enormes problemas da humanidade HOJE não estão sendo resolvidos pela tecnologia MAS SEM ELA OS PROBLEMAS SE AGRAVARIAM.

    Já pensou produzir alimento, habitação, vestuário, educação, saúde e diversão prá mais de 7 bilhões de pessoas sem tratores, por exemplo?

  2. O problema não é a automação, o problema é a automação associada ao liberalismo econômico. Em uma economia be regulada com leis trabalhistas fortes, a automação melhora a qualidade de vida da população. Nós estamos camonhando na contra mão da história, a automação torna liberalismo econômico obsoleto.

  3. Parabéns por pontuar a tecnologia pela otica do diversionismo. Ela está no centro do diversionismo, é a ferramenta primária. Com a tecnologia e também conhecimento filosófico que tinham os romanos, gregos ou mesmo antigos faraós – já era suficiente para resolver todos os problemas da humanidade, milhares de anos depois ainda não chegamos lá e através justo desse diversionismo, pouco se discute o “por que”. Ao mirarmos os avanços técnológicos e usa-lo para concluir “estamos evoluindo”, e projetarmos graficamente esse período de espera para se resolver os problemas sociais com a consciência atual veremos que não há uma resposta para um prazo. Do ponto de vista de engenharia, é possível afirmar que um mundo se transforma em 10 anos para alimentação, educação, saúde, respeito e liberdade para todos. Através de política e governos, não sabemos se demorará 100, 1000 anos ou nunca – acreditar no que não se comprova, em dogmas, é a base das religiões, entender que o sistema político é essencialmente uma construção de seita está possivelmente no caminho para entender o “por que”.

    2
    2
  4. A Verdade é Libertadora. O que dizer da Inteligência aliada à Experiência? Na Imprensa é raridade, que este Veículo aglutinou em diversas Opiniões. Sorte Nossa. Sorte da Nossa Nação que começa a ouvir quem tem o que dizer. Espetacularização da Tecnologia. Que Tecnologia? Nossa? Em Microsoft, Apple, Facebook, Samsung, Twetter,…Onde está esta tal Geração Brasileira Antenada? Sem formação de nível secundário, expandindo nosso semianalfabetismo? A parte que consome tecnologia e produtos estrangeiros de segunda linha por preços extorsivos, pagando tudo à vista ou antecipadamente, financiando este Espetacular Mercado com Dinheiro Público Nacional via BNDES? Mas é tão imprescindível assim ou grande parte do espetáculo da venda? Imprescindível é SOL, é ÁGUA, é ALIMENTO. Isto sim é imprescindível, e isto sim é totalmente Nosso. Por que tanta sabotagem, discriminação, contrariedades de Produto genuinamente Brasileiro? Coincidência?! Outro 737 da BOEING se envolve em acidente. A Imprensa Brasileira escondeu o que pode, marca e fábrica da aeronave. Nenhum Veículo que noticiou a tragédia, confirmava qual era a Aeronave. A cova da BOEING não poderia ser mais profunda. Para quem entregaremos fantástica EMBRAER?!!! Quanto a Cerveja de Belo Horizonte, parece outro caso da Dolly. Quanto material contaminante seria preciso para envenenar tamanha quantidade de Produção de tamanha Fábrica? Não está muito estranho?

  5. Prezado André, por isso foi fantástica a perfomance de um artista alemão (Simon Wreckert) em um carrinho de mão com 99 celulares; que criou para o Google Maps a ilusão de um congestionamento ao andar por um rua vazia. O Olho que Tudo Vê foi enganado por uma carriola e uma pessoa que pensa
    Exceto os “jornalistas” da GloboNews (que são robôs dos filhos do Roberto Marinho), nada substitui o intelecto humano

  6. Assim como os “investimentos abutres”, a “tecnologia abutre” também causa estragos muito grandes nos países periféricos. Nos países desenvolvidos, tecnologias sorrateiras que coletam e vendem dados de atividades dos usuários dividem espaço com boas tecnologias que vêm ganhando maturidade e confiabilidade. Nos países periféricos, porém, o baixo poder de consumo desequilibra esse mercado. Gaddafi na comprou um software para monitorar a atividade dos internautas líbios e suprimir revoltas contra seu governo.

    O podre mercado de compra e venda de dados vem se mostrando capaz de provocar distúrbios nos países periféricos de uma forma assustadora e jamais vista.

    Por incrível que pareça, as eleições brasileiras de 2018 transcorreram até bem se considerarmos que havia terreno fértil para a impugnação de resultados, anulação e golpe de estado. Nossa democracia não terá descanso enquanto esta tecnologia abutre continuar influenciando os brasileiros usuários de smartphones, laptops, desktops, tablets, smart TVs, TV boxes, smartwatches e penduricalhos mais.

  7. Importante e necessário ponderar sobre os efeitos da tecnologia na sociedade. É exatamente esse o tema de minhas pesquisas que são divulgadas no blog http://www.históriadofuturo.com
    No entanto, não se pode demonizar a tecnologia como se ela fosse somente algo nocivo à sociedade. Afinal, a tecnologia nos modifica e nós a modificamos. Ela é uma realidade!
    É fundamental porém, ter informação para ponderar: a tecnologia não está presente na educação brasileira! As escolas particulares lentamente tentam implementar novas metodologias e novos currículos que a utilizem. O Ensino superior pouco a utiliza. Assim, não se pode analisar resultado da educação brasileira a partir de uma suposta entrada da tecnologia, porque isso ainda não ocorreu.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome