Todo livro tem sua própria história, por Izaías Almada

Livros contam histórias e fatos que podem ser baseados em acontecimentos reais ou construírem narrativas ficcionais, fantasiosas

Todo livro tem sua própria história

por Izaías Almada

Em que medida as crises econômicas nos afetam no dia a dia?  Elas acontecem por acaso ou são manipuladas? Seria possível a existência de um grupo de homens com poderes suficientes para manipular os cordéis das finanças mundiais?

Realidade ou teoria da conspiração?

O que sabe o amigo leitor sobre essas tão temidas e ignoradas crises financeiras? Nada? Ou tem delas razoável conhecimento? É talvez um expert no assunto?

Livros contam histórias e fatos que podem ser baseados em acontecimentos reais ou construírem narrativas ficcionais, fantasiosas.

Podem reconstruir a história da humanidade ou prever o fim dessa mesma humanidade. A imaginação não tem limites…

Em qualquer dos casos, na maioria das vezes, há um pormenor que nos escapa: a história do próprio livro. Como e porque foi escrito, em quanto tempo, quem editou, fruto de uma pesquisa? Ou brotou simplesmente da imaginação dos autores?

Com o romance “The Venetian File” (Os Arquivos de Veneza) não foi diferente. Lançado no dia 21 de novembro de 2019 na acolhedora e simpática livraria King West Books em Hamilton no Canadá, o livro, para além daquilo que narra, tem a sua própria história.

Hamilton é uma cidade canadense próxima a um dos cinco grandes lagos da América do Norte e não muito distante de Toronto. Tem uma população ao redor de 500 mil habitantes e uma vida estudantil movimentada com bons colégios e universidades, a mais importante delas a Mc Master University.

Leia também:  Documentário sobre Eduardo Suplicy é lançado no Festival do Rio

No final do ano de 2011, mês de novembro, há exatos oito anos, conheci o Fields Institute for Mathematical Sciences na cidade de Toronto, levado que fui pelo meu ex-genro, o professor Matheus Grasselli da Universidade Mc Master e que se tornou naquele ano vice-diretor do Instituto.

Permaneci quatro semanas em Toronto visitando minha filha Ana Luísa e meu neto Leonardo, ocasião em que tive a oportunidade de conhecer a cidade de Hamilton.

Na ampla e silenciosa sala do professor Matheus, passamos algumas duas horas de agradável conversa com um intervalo para o almoço. No período da tarde fui surpreendido por instigante desafio: escrever um romance cuja narrativa fosse permeada pelo tema das crises econômicas.

– Não sei nada sobre crises econômicas, respondi ao Matheus.

Não sei se consegui naquele momento disfarçar a expressão ambígua de alegria por ter alguém que acreditasse na minha capacidade criativa e ao mesmo tempo sentir-me incapaz para levar o desafio a bom termo.

Fiquei ouvindo o jovem professor de matemática financeira tentando me animar e incentivar para uma tarefa que sequer imaginava pudesse acontecer àquela altura da minha vida profissional. Prometi pensar no assunto e dar uma resposta.

Voltei ao Brasil encantado com o desafio, mas totalmente inseguro quanto a possibilidade de estar me metendo numa aventura no mínimo irresponsável como escritor.

O voo de volta pela Air Canadá foi tranquilo e passei todo o natal e a entrada do Ano Novo com a ideia extemporânea dando voltas na minha cabeça.

Leia também:  Lula participa de relançamento do livro 'A Verdade Vencerá'

No final do dia da tarde do dia 18 de janeiro de 2012, um mês após o meu regresso a São Paulo, mando um e-mail para o professor Matheus, que aqui reproduzo:

On Jan 18, 2012, at 6:29 PM, izaias almada wrote:

Salve Matheus,

Já de volta ao Brasil, tento me reorganizar após quatro semanas no Canadá.

Gostei muito de vê-lo e saber que está indo muito bem na sua vida profissional e também da pequena aula sobre crises e bolhas.

A ideia do livro também me fascinou pelas possibilidades que ela apresenta, portanto, vamos caminhando de acordo com o tamanho das nossas pernas, até podermos apressar mais os passos.

Assim, peço-lhe que me envie indicações de leituras naquela mesma ordem cronológica que anotamos na sua sala, a começar por volta do século XIV e, à medida que for lendo, irei – quando necessário – pedindo-lhe explicações.

Contudo, conforme prometi, em anexo segue o original do meu livro traduzido para o inglês, O MEDO POR TRÁS DAS JANELAS, para sua apreciação de um trabalho meu envolvendo HISTÓRIA e FICÇÃO.

Espero que goste e faça boa leitura e escreva sempre que quiser.

Grande abraço,

Izaías.

Assim começou a história do livro THE VENETIAN FILES.

(continua)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome