Violinista Ana de Oliveira recorre a “vaquinha” para lançar CD e livro, por Carlos Motta

O prazo se encerra nesta segunda-feira, 7 de setembro, e a musicista oferece diversas recompensas, seja retribuindo com CDs, livros e aulas.

Violinista Ana de Oliveira recorre a “vaquinha” para lançar CD e livro

por Carlos Motta

Destaque recente em diversos veículos de comunicação por conta do seu CD “Carta de Amor e Outras Histórias”, ao lado do violonista pernambucano Sérgio Ferraz, Ana de Oliveira busca novos e arrojados vôos, agora em campanha de financiamento coletivo para custear sua estreia como autora, tanto do CD Solo “Dragão dos Olhos Amarelos”, em formato digital e físico, quanto do livro “O violino na Música Contemporânea Brasileira: Um Manual de Técnicas Estendidas”, também em formato digital e físico.

O prazo se encerra nesta segunda-feira, 7 de setembro, e a musicista oferece diversas recompensas, seja retribuindo com CDs, livros e aulas. Mais informações podem ser encontradas nosite: www.somnatoca.com.br/campaigns/anadeoliveiraviolinosolo

O CD de violino solo “Dragão dos Olhos Amarelos” foi gravado, mixado e masterizado entre fevereiro e março deste ano no Estúdio Monteverdi, pelo grande compositor e músico brasileiro André Mehmari. Nesse trabalho de cunho autobiográfico, a violinista estreia como compositora e improvisadora, apresentando também obras de Ysaÿe (“Malinconia”), Sérgio Ferraz (“Dodecafoniana I e II”), e autorais como “Cadenza”, dedicada a Egberto Gismonti. Como faixa-bônus, gravou uma peça de Hermeto Pascoal dedicada à violinista nos anos 80, desta vez registrada com André Mehmari, a música “Posso Chorar”.

Já o livro “O Violino na Música Contemporânea Brasileira – Um Manual de Técnicas Estendidas” é fruto de sua pesquisa de mestrado na Unirio e trata da técnica violinística para a interpretação de repertório dos séculos XX e XXI. A escassez de referências sobre o assunto no Brasil e no exterior foi a grande motivação para a violinista, além da vontade de compartilhar sua experiência como intérprete desse repertório, adquirida após décadas atuando como camerista e solista, trabalhando ao lado de compositores como Mário Tavares e Egberto Gismonti, entre outros.

O público-alvo desse trabalho são violinistas, instrumentistas de cordas em geral, jovens compositores e também regentes. O livro traz uma extensa referência bibliográfica e lista de exemplos musicais, compositores e obras, o que torna a publicação importante para os profissionais e estudantes da área.

Leia também:  Vai-se a Ford, vai-se o fordismo, por Thiago Antônio de Oliveira Sá

Ana de Oliveira é mestre em música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e graduou-se na classe de Rainer Kussmaul na Escola Superior de Música em Freiburg, Alemanha, onde viveu por nove anos. Foi também aluna de Lola Benda e Uwe Kleber no Brasil e Federico Agostini na Alemanha.

Apresentou-se como solista com diversas orquestras no Brasil e na Europa e como camerista em importantes festivais, entre eles Montreux (Suíça), La Villette (França), WarschauerHerbst (Polônia), Donaueschingen (Alemanha), Campos do Jordão, MIMO e Festival Villa-Lobos.

No Brasil, desenvolveu uma carreira diversificada e abrangente atuando como spalla da Orquestra Sinfônica Brasileira durante uma década, criando e liderando vários grupos de câmera como primeiro violino, participando como solista e spalla em diversas gravações de música brasileira e trilhas sonoras, também exercendo a coordenação pedagógica do Festival MIMO.

Ana de Oliveira foi spalla da Camerata Rio Strings no CD “Fantasia Brasileira” (Biscoito Fino) indicado ao Grammy em 2005. Realizou a primeira audição no Brasil de obras de importantes compositores como Mário Tavares, Egberto Gismonti, Benjamin Britten, Charles Ives, Carlos dos Santos e Clarice Assad, entre outros.

É violinista do Trio Puelli desde 2009, grupo de câmara dedicado à pesquisa e registro de obras dos séculos XX e XXI com o qual lançou três elogiados CDs, “Primma” e “3 Américas” e o mais recente, dedicado à obra integral para trio de Radamés Gnattali, lançado em 2018 pelo Selo Sesc e eleito o melhor do ano pela votação popular da Revista Concerto.

Leia também:  Catch up tecnológico e a superação da renda média: o papel do CEITEC no Brasil, por Uallace Moreira

O grupo também está presente no CD “Música Nova” (2016) lançado pelo Selo Sesc em 2017. Atualmente, ela é também spalla da Orquestra Sinfônica Nacional da Universidade Federal Fluminense, lidera seu trio de cordas, atua em duo com o compositor e multi-instrumentista Sérgio Ferraz, com o qual lançou em 2019 o CD “Carta de Amor e Outras Histórias”, além de exercer intensa atividade pedagógica.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome