Viva São Paulo, a maior cidade nordestina do Brasil!

Desde 2009, no dia 8 de outubro, São Paulo comemora o Dia do Nordestino. A data foi incluída no calendário de eventos da capital paulista por um motivo óbvio: a importância do contingente populacional de imigrantes nordestinos e seus descendentes na cidade. Considerando o impacto dos milhões de nordestinos que migraram para a cidade, principalmente a partir dos anos 1940, e seus descendentes, podemos considerar São Paulo a maior cidade nordestina do Brasil. Na semana passada, aliás, o IBGE divulgou novos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), que mostram mudanças no fluxo migratório entre São Paulo e o Nordeste. Ao contrário da leitura dos dados feita por boa parte da imprensa – anunciando que o fluxo de imigrantes diminuiu – não é exatamente isso que demonstram os dados.
 
Se hoje a proporção de imigrantes no total da população é menor (nos anos 1970, a proporção era de 6 para cada 10 habitantes; hoje, é de 3 para cada 10), isso tem a ver com o tamanho da cidade – incluindo os filhos dos imigrantes que já nasceram aqui – e com um tipo de migração diferente do que vimos no século XX, agora marcada por idas e vindas e também por retornos definitivos. Mas, em termos absolutos, o saldo migratório da última década na região metropolitana foi de 500 mil pessoas, enquanto na década de 1990 foi de 291 mil.
 
De acordo com o Censo de 2010, cerca de 2,3 milhões de migrantes chegaram a São Paulo na última década e 1,8 milhão saíram. A novidade, portanto, está no fenômeno do refluxo. Dos 1,8 milhão que deixaram a região, 60% são migrantes que retornaram para suas cidades de origem. Ainda assim, como vimos, o saldo permanece alto. Ou seja, São Paulo continua sendo uma cidade que atrai pessoas em busca de oportunidades: econômicas, culturais, políticas etc. Seu dinamismo e força residem exatamente nisso: a cidade se nutre permanentemente de uma enorme diversidade cultural, heterogeneidade de bagagens e histórias de vida. Dos 20,2 milhões de habitantes da região metropolitana, hoje, 5,6 milhões são imigrantes, ou seja, 28% da população.
 
Infelizmente, não é exatamente assim que a presença dos migrantes é representada no imaginário político-cultural da cidade. As representações mais comuns constroem a ideia de uma cidade marcada positivamente pela presença europeia (as ondas migratórias predominantes do século XIX e início do século XX) e “invadida” por nordestinos pobres e analfabetos na segunda metade do século passado. Este imaginário não tem qualquer correspondência com a realidade: por um lado, grande parte dos imigrantes europeus chegou à cidade em estado de absoluta miséria e analfabetismo, por outro, a imigração nordestina é muito mais heterogênea do ponto de vista econômico do que o preconceito nos permite ver. Entre a imensa maioria de trabalhadores da cidade – nas mais diversas atividades e profissões – encontramos nordestinos, mineiros, paulistas, paranaenses… por que, então, insistir no estereótipo do nordestino “peão”, “doméstica” ou “baiano”?
 
Na cidade do século XXI, das “novas classes médias”, das periferias consolidadas e heterogêneas, está mais do que na hora de dar a volta por cima no preconceito e reconhecer com orgulho: viva São Paulo, a maior cidade nordestina do Brasil!
 
* Raquel Rolnik é urbanista e consultora da ONU (Organização das Nações Unidas) pelo direito à moradia
 
Texto publicado originalmente no Yahoo!Blogs

3 comentários

  1. “Nordestina” já é preconceito.

    A palavra “nordestino(a)” já é, em si, preconceituosa e discriminatória.

    Não tem legitimidade e nem base semântica, antropológica, etnográfica e etc, que justifique o seu emprego. É uma palavra pejorativa que descreve um determinado estereótipo social, com notória ênfase racista. Esse é o sentido linguístico corrente. Qualquer tentativa de justificar o seu uso configura fraude e má-fé.

    Nordestino(a) exprime uma ideia falsa, que não existe. A palavra devia ser abolida dos dicionários. É uma fraude cunhada pelos ignorantes de sempre, geralmente descendentes dos elementos exógenos que receberam ajuda financeira imoral do governo brasileiro e sua tara colonizada de “embranquecer” a população, apesar de estudos genéticos já terem atestado que o perfil da população residente no nordeste brasileiro é tão ou mais europeu, na média, do que o povo que se fixou ao sul de são paulo.

    O povo do nordeste é um dos mais europeus, em termos genéticos, que existe neste país, para a infelicidade dos descendentes racistóides dos elementos exógenos, normalmente chamados de “imigrantes”.

     

     

    • Credo

      Nunca li tanta abobrinha.. veja Salvador, a cidade mais africana fora da África.. vc não entende nada sobre perfis nem europeus muito menos nordestinos, sulistas e paulistas

      Tentativa de embranquecer a população? É o que vc está fazendo.. vc não aceita que nordestinos sejam em sua MAIORIA negros e pardos, vc que quer embranquecer eles dizendo q são “mais europeus q sulistas”

      Você é preconceituoso, por não aceitar o perfil AFRO, no máximo dos máximos, PARDO PREDOMINANTE NO NORDESTE

      Vc é quem acha pequeno ser assim, é um pensamento racista

      Vc tenta engrandecer o nordeste com essa mentira d q lá tem brancos.. é mentiroso e racista

       

  2. NORDESTINOS EM SPAULO

    NÓS NORDESTINOS EM GUARULHOS SOMOS GRATOS AO POVO GUARULHENSE, QUE NOS ADOTOU OBRIGADO HOJE SOMOS MAIS DE 400 MIL EM NOSSA CIDADE QUE CONSTRUIMOS E VIVEMOS NELA.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome