No Brasil, o enfrentamento do Coronavírus de Wuhan depende do SUS

    Normal
    0

    21

    false
    false
    false

    PT-BR
    X-NONE
    X-NONE

    /* Style Definitions */
    table.MsoNormalTable
    {mso-style-name:”Tabela normal”;
    mso-tstyle-rowband-size:0;
    mso-tstyle-colband-size:0;
    mso-style-noshow:yes;
    mso-style-priority:99;
    mso-style-parent:””;
    mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
    mso-para-margin:0cm;
    mso-para-margin-bottom:.0001pt;
    mso-pagination:widow-orphan;
    font-size:12.0pt;
    font-family:”Calibri”,sans-serif;
    mso-ascii-font-family:Calibri;
    mso-ascii-theme-font:minor-latin;
    mso-hansi-font-family:Calibri;
    mso-hansi-theme-font:minor-latin;
    mso-bidi-font-family:”Times New Roman”;
    mso-bidi-theme-font:minor-bidi;
    mso-fareast-language:EN-US;}

    Na sequência do texto, aula do Prof. Unai Tupinambás da Faculdade de Medicina da UFMG sobre Síndromes Respiratórias Associadas ao Coronavírus.

    Após um mês da detecção de uma nova infeção virótica na China (Wuhan – Província de Hunei) a OMS declarou dia 30 de janeiro de 2020 que este novo Coronavírus (2019 n-CoV) é uma emergência mundial.

    Esta é a sexta emergência sanitária global decretada pela OMS nesse século, a primeira foi a gripe A  (H1N1) em 2009, seguida do vírus da poliomielite – 2014. A terceira e a quarta decorreram do vírus Ebola e na sequência a síndrome congênita do vírus Zika (SCZV) originada no Brasil em 2016.

    Essas emergências sanitárias têm em comum o fato de que o seu enfrentamento exige uma ação coordenada de saúde pública sem a qual essas epidemias ou pandemias não podem ser vencidas. Sem uma ação articulada desde da OMS até os diversos Sistemas Nacionais de Saúde a possibilidade de conter estas condições é nula.

    Lembremos que a SCZV teve seu epicentro no Nordeste brasileiro e foi uma trabalhadora da saúde do SUS quem estabeleceu a possível conexão, depois comprovada, entre o Zika vírus e microcefalia. Nas condições do Brasil, só podemos imaginar a mitigação de uma epidemia com a magnitude e gravidade que antevemos com o 2019 n-CoV sob a égide de um sistema universal de saúde atuando de forma articulada na totalidade do território nacional e somente o SUS reúne essas condições.

    Só teremos chances de conter esta ameaça a saúde mundial com um sistema com capilaridade territorial e acesso universal.

    O sucesso em conter a epidemia atual e as futuras depende do fortalecimento do SUS, o que passa pela revogação da EC 95 (Lei do teto dos gastos).

    Convidamos você para assistir à aula Síndromes Respiratórias associadas ao Coronavírus.

    https://www.youtube.com/watch?v=dm5mGC5UZFc

    O Dr. Unaí Tupinambás é professor da Faculdade de Medicina da UFMG e membro da Comissão Executiva da Associação Nacional de Médicas e Médicos pela Democracia – ABMMD