Reportagem do The Intercept é para Prêmio Pulitzer, por Gustavo Conde

    Reportagem do The Intercept é para Prêmio Pulitzer

    Por Gustavo Conde

    Vou fazer que nem o Lula e dizer: “deixa eu falar uma coisa pra você”.

    (Sempre quis fazer isso).

    O dado concreto é que o The Intercept é vacinado. Eles conhecem o nosso jornalismo de milícia.

    Um lote de vazamentos com Moro e Dallagnol em dança promíscua jamais seria suficiente para mobilizar a atenção da nossa imprensa, quando mais a ‘recepção narrativa’ dessa imprensa.

    Mas um conjunto de lotes? Aí a conversa é outra.

    Não é à toa que Glenn Greenwald tem um Pulitzer nas costas.

    No Brasil, praticar o jornalismo real, investigativo, exige cifras de inteligência e caráter adicionais.

    O drible da vaca dado pelo “Interceptador” (que nome para um site!) é da ordem do inconsciente e da ciência econômica (sic): a projeção – de futuro – é mais forte simbólica e retoricamente do que o posto na linha do horizonte.

    Em língua de gente: pouco importa o lote vazado na histórica noite de 9 de junho de 2019. O que conta mesmo é o volume gigantesco de conversas que o site diz ter em mãos – e o respectivo conteúdo ‘estarrecedor’.

    O que vimos ontem foi só uma prévia.

    É o aperitivo desta que anuncia ser a maior fraude judicial-eleitoral de todos os tempos, levando-se em conta não apenas o Brasil, mas o próprio mundo (que não é plano e dá voltas).

    No Brasil, produzir jornalismo investigativo exige essa artimanha: é preciso garantir a continuidade e a sequência narrativa, senão o brasileiro não ‘pega’. Nem no tranco.

    É o nosso novelismo aplicado, décadas de corrosão cerebral com novelas intermináveis e idênticas umas às outras (com os mesmos atores, diretores, iluminação etc).

    Uma pergunta adicional, no entanto, ainda me faz coçar o calcanhar aflitivo das indagações: por que a fonte vazou essa montanha de diálogos criminosos para o The Intercept e não para a imprensa comercial?

    Precisa responder?

    Precisa.

    Porque resta evidente, olimpicamente evidente, que a imprensa comercial denunciaria a fonte e a entregaria às “autoridades”.

    Esse é o jornalismo de cativeiro praticado no Brasil.

    Tanto mais interessante também é a nossa subserviência à cultura anglo-saxã (no quesito ‘elite-informação’).

    O verniz que um veículo com título em inglês dá ao escândalo Moro Leaks é uma sinuca de bico para a nossa classe média tosqueada pela indigência cognitiva de bolsos e de minions.

    A própria imprensa vassala caiu nessa armadilha. É bonito estampar o nome “The Intercept” no frontispício das matérias subdesenvolvidas brazucas que querem ser sempre made in USA.

    Afinal de contas, isca não é só minhoca, é também um miolo de pão adocicado.

    O The Intercept não tem apenas – e é bom que se diga – ambições domésticas com essa matéria.

    É uma matéria para ganhar o mundo, para romper fronteiras e abrir um flanco de resistência jornalística nas fraudes eleitorais – seguidas de lawfare – que ainda estão por vir.

    O conceito de ‘Wiki Leaks’, “vazamentos rápidos” em tradução livre, depende, paradoxalmente, de uma duração longa – a duração da desova mesma dos vazamentos, a conta gotas e a seleções cirúrgicas e controladas.

    Porque assim, dá-se a dimensão de instituição ao jornalismo praticado e impõe-se a ‘fiança do sentido’ (a verossimilhança narrativa).

    Contra as notícias rápidas e rarefeitas, só pílulas de tempo denso, recheadas do óbvio ululante. Ou: todos já sabiam de tudo isso, mas era um ‘saber’ ainda ‘marginal’.

    Sobre esse já dito e já sabido, é preciso enunciar mais uma cifra de percepção fugidia.

    Como era de conhecimento público e notório que Sergio Moro e Deltan Dallagnol sempre foram dois criminosos a serviço da perseguição política, é-nos assaltada a surpresa diante de tal compêndio de vazamentos.

    A reação fica entre o deboche e a indignação, o que é um dilema terrível para quem precisa de sinalizações concretas e claras de que a civilização e a justiça ainda existem.

    Um desafio a mais sem dúvida (mas que disse que seria fácil?).

    Resta acompanhar e torcer para que o The Intercept siga seu destino de recolocar os pingos nos is neste país.

    Mais um Pulitzer para Glenn Greenwald seria pouco.