Trump x Biden: vitória do Reich norte-americano


    Não é preciso falar muito sobre o debate presidencial dos EUA.

    Donald Trump desempenhou seu papel de amador talentoso com um vocabulário limitado. Ele acredita ser virtuoso e dispensa a ajuda de especialistas. A fórmula que ele usa (excitar o americanismo) é simples e tem se mostrado eficaz.

    Joe Biden procurou ser autêntico, mas é evidente que ele não improvisou nada. A virtude do candidato democrata é seguir um roteiro bem elaborado previamente discutido com especialistas. No contexto atual é difícil dizer se isto será o suficiente para ganhar a eleição.

    Antes de falar sobre o tema mais importante que não foi objeto do debate farei uma pequena digressão histórica.

    Robert Kennedy era um político profissional dotado de grande refinamento intelectual e apurada sensibilidade social. Ele foi assassinado, pois o sistema de poder norte-americano não queria mais ficar à mercê da vontade popular. A morte dele pode ser considerado o marco inicial da desdemocratização dos EUA.

    Ronald Reagan era um ator profissional, discursava como se acreditasse no discurso. Ele interpretou o papel de presidente dos EUA se limitando a seguir um roteiro criado por especialistas. A presidência dele foi, sem dúvida alguma, o melhor momento do novo sistema de poder desdemocrático norte-americano.

    Quem eram os velhos nazistas? Alemães regulares vestindo uma ideologia expancionista e militarizada, cuja principal característica era ser fria, calculista, sanguinária e impiedosa capaz de criar focos de tensão em qualquer lugar da Europa onde os alemães acreditavam ter interessses.

    Nos últimos anos os norte-americanos criaram tensões nas fronteiras da Rússia, do Irã e da China. Eles acreditam ter interesses no planeta inteiro e estão dispostos a subjulgar os povos em todos os continenes. É evidente que os cidadãos regulares dos EUA vestem uma ideologia nazista agora, mas eles a chamam de americanismo.

    Biden x Trump

    Eleição no Reich norte-americano. Não importa realmenre quem vai ganhar a presidência dos EUA. A CIA e as Forças Armadas continuarão a devorar quase todo o orçamento norte-americano. A quantidade de dinheiro disponível para o governo norte-americano cuidar de outros interesses públicos (saúde e educação, por exemplo) é pequena e não aumentará muito nos próximos anos.

    A questão orçamentária ausente do debate entre os candidatos (o predomínio avassalador das necessidades imperiais) é uma prova inequívoca de que o sistema de poder desdemocrático implantado com o assassinato de Robert Kennedy e aperfeiçoado na presidência de Ronald Reagan continuará em vigor.

    Em seu Twitter, Katy Perry convocou os cidadãos dos EUA para votar https://twitter.com/katyperry/status/1319034341385662466?s=19. Ela também não é capaz de questionar a lógica imperial que degradou a democracia norte-americana a ponto de impedir qualquer discussão eleitoral séria e profunda sobre os gastos com a CIA e as Forças Armadas daquele país.

    O império NaziAmericano seguirá em frente até destruir o mundo e ser destruído ao fazer isso. O resto é esperança vã de quem se recusa a encarar os fatos.