Revista GGN

Assine

Como disseminar o ódio, por Jota A. Botelho



Don’t Be A Sucker (Não Seja Um Otário) é um curta-metragem antinazista produzido pelo Departamento de Guerra Norte-Americano em 1943 e relançado em 1947, e que voltou a adquirir importância em 2017 após os violentos protestos da extrema-direita na cidadezinha de Charlosttesville, no Estado da Virgínia, e que viralizou na internet segundo mostra o vídeo postado pela BBC Brasil abaixo. 




COMO DISSEMINAR O ÓDIO - Don't Be A Sucker (Não Seja Um Ótario)

O filme foi produzido pelo Departamento de Guerra dos EUA, em 1943, como propaganda antinazista para alertar os norte-americanos sobre os perigos do preconceito e da divisão das minorias disseminando o ódio pelo país. Com finalidade educativa, sendo reeditado em 1947, logo após sua abertura que nos mostra a maravilha que é viver num país LIVRE, neste caso a AMÉRICA dos americanos, claro, para em seguida, numa linguagem simples e direta, um homem irado se dirige a uma pequena multidão e começa a disseminar o ódio, declarando seu fervoroso e fajuto nacionalismo: "Eu conheço os fatos. Amigos, eu sou apenas um americano comum. Mas sou um americano AMERICANO. Vejo negros tirando empregos que pertencem a mim e você... Isso aqui vai virar um caos". E tira um panfleto do bolso e passa a culpar os negros, fazendeiros estrangeiros, católicos, maçons e imigrantes em geral pelos males da nação. Um ouvinte da plateia fica impressionado com seu discurso e estava quase concordando com ele, mas depois que o 'patriota' elege os maçons como inimigos, o que lhe provoca a ira, reclama: “Qual é o problema com os maçons? Eu sou um maçon! Um ex-professor universitário na Alemanha nazista, de origem húngara, provavelmente um judeu, agora cidadão americano, que estava ao seu lado e havia dito anteriormente: "Já ouvi esse tipo de conversa antes, mas nunca esperei ouvir isso na América". E agora lhe explica: "Eu vi o que esse tipo de conversa pode fazer. Estava em Berlim. Era um professor na universidade. Ouvi as mesmas palavras que ouvimos hoje. Mas então fui um idiota". E ele continua: "Eu pensei que nazistas eram pessoas loucas, uns fanáticos estúpidos, quase inofensivos. Infelizmente não foi assim. Eles sabiam que não eram suficientemente fortes para conquistar um país unificado, então eles dividiram a Alemanha em pequenos grupos. Eles usaram o preconceito como uma arma prática para paralisar a nação". E prossegue: "Claro que não foi fácil, eles tiveram que trabalhar duro para que isso acontecesse. Seres humanos não nasceram com preconceitos. Os preconceitos foram feitos por nós, por pessoas que sempre estão querendo alguma coisa".



Toda essa introdução já era o suficiente para a história chegar até a Alemanha dos anos 1930, no florescer do nazismo. Mas o filme passa por uma breve história do surgimento do Partido Nazista na Alemanha. Nós vemos o movimento evoluir de um grupo de homens irritados nas ruas para uma organização paramilitar oficial do estado. Há uma montagem de crimes nazistas dentre outros: um dono de loja judeu é levado pelos policiais, um grupo de membros do sindicato é atacado e um professor da faculdade é preso depois de dizer aos alunos que não há base científica para a existência de uma "raça superior".

O que torna o filme tão notável? Não é como se Don't Be A Sucker encapsulasse a idade de ouro perdida do antirracismo americano. De fato, as contradições da década de 1940 são inseparáveis do filme. É bom lembrar que no mesmo ano de sua reedição surgia a Era Macartista, com seu Comitê de Atividades Antiamericanas, em 1947. E também, no ano de seu lançamento, em 1943, o governo americano manteve mais de 100 mil descendentes de japoneses em campo de concentração dentro dos Estados Unidos. 



Ainda assim,  Don't Be A Sucker denuncia claramente de como o preconceito e o divisionismo podem alastrar o ódio por toda uma nação. E da necessidade de como construir uma comunidade diversificada nunca foi apenas uma aspiração idealista ou uma ocupação ética e moral, mas uma exigência da sobrevivência da democracia - o único remédio para o câncer que venha a se manifestar em todo e qualquer tipo de supremacia.


___

 

Média: 4.1 (14 votos)
4 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Li esses dias que a extinção

Li esses dias que a extinção dos partidos comunistas e socialistas em países do Oriente Médio nos 1950, como Afeganistão e Iraque, abriram espaço para o fundamentalismo de extrema direita.

No Brasil parece estar acontecendo a mesma coisa, só que mais rápido. Os ataques ao PT provocaram um refluxo das esquerdas e a ascensão quase que imediata de um fundamentalismo religioso, moralista, hipócrita, cheio de ódio, ressentimento e inveja.

A elite brasileira inveja a Lula, por isso quer destruí-lo. Não suporta a ideia de ter que conviver com um estadista da sua estatura moral, num mesmo espaço político. Só que não há saída: viveremos juntos para sempre.

O mundo e nós precisamos do equilíbrio entre esquerda e direita. A alternativa é a barbárie.

Seu voto: Nenhum

Você que inventou esse estado
E inventou de inventar toda a escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar o perdão

Bom p/ os que querem que os "coxinhas" se explodam...

Eles querem o mesmo p/ nós, e aí o ódio se dissemina cada vez mais. Nao é uma tática inteligente... (do nosso ponto de vista; para a Direita, é tudo o que ela quer)

Seu voto: Nenhum
imagem de Serjão
Serjão

Com muita hipertensão, úlcera e diabetes

O careca ao espiar o quartinho da e

O Brasil do golpe pariu um ministro do STF que critica novela e bate boca no Twitter como Lobão. Por Kiko Nogueira

 

Por mais baixas que fossem suas expectativas com Alexandre de Moraes, e elas resvalavam o chão, você não contava que ele fosse virar crítico de novela.

Mas tudo é possível no novo normal do Brasil. Até ministro do STF dando pitaco sobre folhetim da Globo.

Moraes usou sua conta no Twitter para tecer considerações acerca de “A Força do Querer”, cujo último capítulo foi ao ar na sexta.

“Vocês concordam com o glamour do tráfico de drogas, banhado a sangue contra o trabalho sério do povo brasileiro?”, questionou no Twitter.

Bateu também em Josias de Souza, colunista do Uol.

“Ignorância, burrice, apoio ao tráfico, ou tudo junto, que soma mais de 40% das mortes no país. É fácil criticar sem conhecer a realidade”, disse.

Os tuítes instigaram os internautas. E então Alexandre de Moraes se transformou em Lobão.

Um vexame completo. “Vai plantar pé de maconha, bicho”, sugere um sujeito. “Vá trabalhar!”, devolve o ministro. E por aí afora, ladeira abaixo.

O silêncio e o decoro dos juízes, virtualmente desaparecidos, tinham uma função marginal no tempo em que ninguém sabia o nome deles: pareciam especiais, inteligentes, de alguma maneira superiores.

No momento em que tiveram suas sessões televisionadas, ficaram expostas suas virtudes intelectuais. O Mensalão os tornou estrelas. Faltava partirem para a porrada nas redes sociais.

Com o cadáver da democracia fresquinho após o caso Aécio, incidente que tem as digitais da Corte, Alexandre de Moraes se põe a deblaterar a respeito de um lixo de entretenimento que, em três dias, será esquecido.

Para quem achou que Gilmar era nosso limite, ganhamos Moraes. E isso é só o começo.

Pode esperar suas considerações a respeito do campeonato brasileiro de pontos corridos e a nudez na arte. Contando: 10, 9, 8, 7…

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/o-brasil-do-golpe-pariu-um-ministro-do-stf-que-critica-novela-e-bate-boca-no-twitter-como-lobao-por-kiko-nogueira/

Miniatura

Seu voto: Nenhum

Pois é Em vez de debater c/ eles, devemos rir

Se possível desmontando-os, mas com humor e sem entrar no clima de ódio. Nao alimentar a fera...

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.