Perambulando, de Mário Zan e Arlindo Pinto

    O meu pesar profundo não é como qualquer

    Olhando para o mundo só vejo uma mulher

    Nas ruas da cidade em plena multidão

    Coberta de maldade vejo só sua visão. (bis)

     

    E levo a vida assim perambulando à toa

    No mundo para mim só existe uma pessoa

    E a noite quando deito a minha dor mais cresce

    Bem junto do meu leito também ela aparece.

     

     O meu pesar profundo não é como qualquer

    Olhando para o mundo só vejo uma mulher

    Nas ruas da cidade em plena multidão

    Coberta de maldade vejo só sua visão. (bis)

    https://www.youtube.com/watch?v=IGfGoewHJ08

     

     

    Sólon Sales – PERAMBULANDO – Mário Zan – Arlindo Pinto.

    Disco Continental 16.100-B.

    Ano de 1949.

    Arquivo Nirez.

    Coisas que o tempo levou.

    luciano hortenciol

     

     

    Leia também:  Agora a batida é por trás!