O assassino no jardim de infância

    Em honra do Governador Wilson Mata-Preto

    No meu país, a relva verde é cortada bem cedo, ainda com o orvalho da manhã, para que estejam sempre úmidos do sangue de folhas meninas, recém brotadas e já abortadas da terra mãe, os campos de batalha por onde desfilam triunfantes os senhores da guerra e seus jardineiros sangrentos, em uniformes reluzentes de medalhas feitas do coração azul da ágata, de caveiras de cabras e cabeças de crianças.