Cafezá – Catarina e Jarirí, uma paixão sobre-humana.

I u padre sentô, maisi num pegô nada papô na bôca. Ficô feitu uma istáuta, cozói paradu i sem piscá, parécenu qui tinha pranchadu di cabessa nu chão.
Paimeu si ajeitô na pótrona, si préparanu pá falá cumigo. Tava tudu in silençu, inté as panelada da cozinha tinha paradu di batê. I eile cumessô:
Óia, Catarina, ieu num vo ti batê não puquê ieu seio cocê vai intendê u covô ti falá. Ucê é fia mia catuamãe, ucê é rica i sabi diulsso. Desde cocê éra piquinininha cocê num gósta di mandá nuzôtro, numca teve bôca pá mandá um impregadu fazê as coisa pucê, niem péga um cópo dágua. Maisi uilsso tá érradu, éissa jienti póbre nasceu pá sérvi a jienti ricaça iguar nósi. Eiles tem di sê iguar cachorro dajiente. A jienti manda i eiles tem di obedecê, sinão eiles mórre di fome, puquê a jienti paga pá eiles fazê u sélviçus pájiente. Infélismienti, a iscravudão já cabô. Eiles num tem muita tiérra páprantá i tem uma fiarada pá criá. I uqui séria deiles siem nósi. Eiles num séria nada, ia morrê tudu sêco di fuóme i cás boca cheia di frumigada. Só ia sélvi di istercu pá fazê cresce os capim du nuósso gado.
Éissa jienti, Catarina, é iguar capim, iguar bichu. Eiles num são iguar a jienti, puquê nósi é jienti ispiciar, qui véve bem i tem di cuntinua vivendu mió ainda. I uilsso acuntece pu bem deiles tumém. Nu passadu, nósi ricassu falava preles fazê bastanti fiarada puquê nósi pricisava da criansada pá trabaiá tumém. Éira bão pá nósi, qui pagava menos pelos sélviços dos péqueno, i bão pos paicamãe deiles, que anssim ganhava maisi. Ieu cunheci a famia deisse Jarirí, eile nasceu pá trabaiá pájienti. Ieu via eile inté ca idade di quize anus cá inchada na mão. Paicamãe deile feizi eile pá sê imprégadu nuósso. I agóra ucê qué mudá tudu uilsso, qué trazê eisse animar pu nuósso mei. U lugá deile num é nu mei da jienti, maisi u teu lugá, Catarina, é aqui cum nósi, ucê é uma dinósi, tem u nuósso sango nas veia. Paicamãe teu ama ucê.
Ucê tem di casá co arguém du nuósso mei, o intonces tiem di si formá dotora, na ciudadi grandi. Ucê vai acabá isquécenu eisse rapaizi. Socê aceitá, a jienti faizi um acôrdu, ieu dô um dinheirinho prêle, pelo sélviçu quele feizi na Igreja, i falô pá ninguém maisi pérségui eile. Ieu seio cocê é uma moça di palavra, socê aceitá vai cumpri u acordo. Vem cá, Catarina, dá um abrasso i um bejo nu paiseu.  

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora